ÁFRICAAMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A ausência de Angola na agenda de visitas do atual Chanceler brasileiro

Entre os dias 8 e 15 de maio deste ano (2017), o Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, esteve pela primeira vez na África com a função ministerial. Ele visitou cinco países: África do Sul, Botsuana, Malawi, Moçambique e Namíbia.

Segundo nota à imprensa, o Itamaraty afirma que a visita objetivou tratar das agendas de cooperação, comércio e investimentos com os respectivos países. De acordo com o próprio Ministro, a viagem serviu para sinalizar a importância da África às relações exteriores do país.         

Lula e José Eduardo dos Santos, 2010. Fonte: Wikipedia

Surpreendeu, contudo, o fato de Angola não estar entre os destinos desta primeira viagem. Os dois países, que possuíam maior proximidade diplomática nos dois governos brasileiros anteriores, assinaram acordos de Parceria Estratégica e de Cooperação e Facilitação de Investimento entre 2010 e 2015.

Além disso, Angola recebeu ou recebe auxílio de cerca de 70 projetos de cooperação técnica supervisionados pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC), é o país com maior concentração de Investimento Externo Direto (IED) brasileiro na África e o quinto que mais importa do Brasil. Portanto, a questão da sua ausência na agenda de visitas se ressalta, pois, em termos estratégicos, Angola deveria estar presente na primeira viagem à África realizada por Aloysio Nunes e a razão para esta ausência na agenda diplomática do Ministro pode estar na Operação Lava-Jato.

Conforme disseminado pela mídia, no final do ano passado (2016), o ex-presidente Lula e o empreiteiro Marcelo Odebrecht foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) pela criação de um suposto esquema de favorecimentos em empréstimos do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para obras executadas pela construtora Odebrecht em Angola.

Segundo denunciado, esse esquema teria o envolvimento do presidente angolano José Eduardo dos Santos, que está no poder há quase 40 anos e possui outras denúncias de corrupção.

Sabe-se que, entre 2003-2010, o Banco Estatal concedeu cerca de US$ 3 bilhões para operações de comércio e investimento de empresas brasileiras em Angola. Deste montante, parte expressiva foi destinada a Odebrecht, que está há quase 30 anos operando em Angola e é considerada a maior empregadora privada do país.

Ademais, anteriormente, o atual Ministro já demonstrou certa desconfiança com as ilicitudes sob investigação. Em 2013, quando ainda era Senador, o ministro Aloysio Nunes protocolou na Procuradoria-Geral da República pedido de instauração de inquérito para investigar possível ilegalidade na ação do então ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, de tornar secretas as informações relativas aos empréstimos do BNDES em Angola.  

Diante disso, resta saber como ficarão as relações diplomáticas entre ambos os países. O último encontro diplomático relevante ocorreu em outubro de 2016, quando o ex-ministro José Serra recebeu, no Palácio do Itamaraty, os ministros das relações  exteriores de Angola e de outros países africanos pertencentes à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), para discussões multilaterais.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Aloysio Nunes assume o Ministério das Relações Exteriores” (Fonte):

https://www.flickr.com/photos/fotosagenciabrasil/33158054712

Imagem 2 Lula e José Eduardo dos Santos, 2010 (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Lula_Jos%C3%A9_Eduardo_2010.JPG

About author

Especialista em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (UnB). Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade Católica de Brasília (UCB), com experiência acadêmica internacional no Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa. É coordenador do Café com Política e colunista político do Congresso em Foco. Foi estagiário-visitante da Câmara dos Deputados e trainee do Setor Político, Econômico e de Informação da Delegação da União Europeia no Brasil. Atuou também como pesquisador colaborador voluntário do Observatório Brasil e o Sul (OBS). É voluntário Departamento da Juventude da Cruz Vermelha Brasileira Brasília (CVBB).
Related posts
NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Sarampo causou a morte de mais de 140 mil pessoas em 2018

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Tribunal considera ilegal a taxa cobrada pelo Governo britânico para a cidadania de crianças nascidas no país

Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Estados se reúnem em conferência em Abu Dhabi sobre corrupção

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

A Reforma do Mercado de Terras na Ucrânia

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by