ÁFRICANOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Semana de ataques na África dão a dimensão global do terrorismo

Na semana passada, o mundo ainda se recuperava dos brutais ataques à capital francesa (Paris) quando presenciou novos massacres a cidadãos inocentes. Desta vez, longe do território europeu, africanos foram vítimas de grupos extremistas, que através das práticas terroristas visam abalar as estruturas das sociedades em que se inserem e instaurar um regime islâmico.

O primeiro deles foi o ataque ao Radisson Blu Hotel, na cidade de Bamako, no Mali. Na ocasião, 170 hóspedes foram feitos reféns pelos terroristas, os quais defendiam a libertação de alguns presidiários para a entrega dos reféns. O grupo Al Mourabitoun reivindicou os ataques: “Nós, do grupo Mourabitoun, em cooperação com os nossos irmãos da Al Qaeda no Maghreb Islâmico, a grande área desértica, reivindicamos a responsabilidade pelos ataques ao Radisson Blu Hotel em Bamako”, dizia um áudio gravado por um membro não identificado e divulgado pela emissora Al Jazeera.

Alguns analistas afirmam que o ataque ao hotel tratou-se, na verdade, de um ataque indireto à França. A presença das Forças Armadas do país europeu no Mali aumentou consideravelmente desde 2013, quando o Governo do Mali pediu formalmente o auxílio francês para o combate das forças terroristas situadas na região norte do país.

Entre as vítimas do ataque estão diversos cidadãos de países do mundo ocidental (seis trabalhadores russos de uma companhia aérea e um servidor público estadunidense), além de três empresários chineses.

Do outro lado, no último sábado (dia 21 de novembro), quatro civis foram mortos após o ataque de três mulheres e um homem bomba em Fotokol, na região norte dos Camarões. Ao que tudo indica, o grupo terrorista Boko Haram foi o responsável pelos ataques.

A cidade de Fotokol está a poucos quilômetros do Lago Chade e situa-se muito perto da fronteira com o norte da Nigéria, principal região de atuação do grupo. Entretanto, se outrora era plausível definir o Boko Haram como um grupo de atuação restrita no norte da Nigéria e com anseios de dominação política e religiosa neste país, atualmente o mesmo não pode ser dito, uma vez que ao longo deste ano (2015) foram registrados ataques em vilas situadas em outros países, como no Chade e no Niger.

Em realidade, o atual terrorismo islâmico no norte da África e no Oriente Médio busca desconstruir as fronteiras geográficas modernas e instaurar fronteiras religiosas. A gradativa expansão do Boko Haram para além das fronteiras nigerianas, a presença de grupos leais a Al Qaeda na Argélia, na Tunísia e no Mali e um território controlado pelo Estado Islâmico de tamanho similar ao Estado de São Paulo (subunidade federativa do Brasil) demonstram que as fronteiras do terror se expandem e, com ela, o próprio medo de futuros novos ataques.

———————————————————————————————–

Imagem (FonteBreitbart):

http://www.breitbart.com/national-security/2015/03/16/report-france-revises-military-strategy-in-wake-of-paris-terror-attacks/

About author

Economista pela ESALQ-USP, é atualmente mestrando em Sociologia pelo Programa de Pós- Graduação do IFCH-UFRGS. Foi pesquisador do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM). Atualmente desenvolve pesquisas na área de Sociologia Econômica, Economia Política e Sociologia do Desenvolvimento. Escreve no CEIRI Newspaper sobre economia e política africana, como foco em Angola, Etiópia e Moçambique
Related posts
Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Hong Kong detém parlamentar pró-democracia

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

O mercado danês em tempos de Coronavírus

Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

ONU anuncia manter proteção a civis aos 10 anos da guerra na Síria

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Governo do Sudão compensa vítimas do ataque terrorista ao USS Cole

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by