fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

A China nas refeições brasileiras

Atualmente, a China é uma das palavras mais pesquisadas entre os brasileiros. Isto ocorre pelo fato de grandes marcas chinesas como a “Jac Motors”, a Huawei e a Lenovo, dentre outras, estarem mais presentes no mercado nacional.

Embora a China tenha este destaque devido aos produtos tecnológicos, poucos brasileiros percebem um produto chinês que está presente também em suas refeições. Recentemente, a “Agência Estado” (AE), publicou uma matéria sobre a importação do “feijão preto”, apresentando dados que comprovam ter os chineses destronado a Argentina como maior exportadora desta commoditie para o Brasil. Atualmente, o gigante asiático é um dos principais exportadores do produto no mundo, tendo como principais destinos o Brasil e o México.

 

Hugo Fujisawa, da “Broto Legal Alimentos”, em entrevista para a AE observa que “hoje o feijão-preto chinês é tão bom quanto o produto argentino. A China conseguiu desenvolver variedades de feijão-preto consumidas nos principais mercados mundiais (Brasil, México e Estados Unidos) com boa produtividade e baixo custo”*.

O preço da saca de 60 quilos de feijão preto de origem chinesa, mesmo quando acrescido do imposto de importação de 10%, ainda chega a ser 20% mais barato que o mesmo volume produzido no Brasil e 15% mais barato que o importado da Argentina.

Como os produtos chineses mantém sua margem mais barata que os produtos dos países sul-americanos também em algumas commodities, vários analistas econômicos argumentam que o melhor negócio ainda é importá-las da China, pois os custos de produção e transporte na região são muito caros comparativamente aos dos chineses.

—————–

Fontes:

* VerAgência Estado”, publicado impresso em 10 de junho no jornal “O Estado de São Paulo” (OESP)

—————–

Ver tambémDiário do Grande ABC” (on line):

http://www.dgabc.com.br/News/5962483/brasil-importa-ate-feijao-preto-da-china.aspx

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!