fbpx
AMÉRICA DO NORTENOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A economia estadunidense entre a recuperação e a turbulência

A última semana foi de apreensão nos mercados do mundo todo por conta dos sinais de exaustão demonstrados pela economia chinesa. Sua aparente fadiga por ser o motor produtivo da economia internacional, uma vez que responde por 15% da produção mundial e por 50% do crescimento econômico nos últimos anos, naturalmente causa e causará impactos em todo o sistema financeiro, ainda em recuperação da recessão de 2008.

Concomitantemente a problemática testemunhada em 2008, é salutar observar mais atentamente a situação chinesa através dos desdobramentos em mercados de países em desenvolvimento e, principalmente, nos Estados Unidos.

Nesse sentido, os entendimentos começam pelas manobras feitas pela China para atenuar a turbulência. Autoridades em condição de anonimato e consultores do Banco Central afirmam que a venda generalizada de ações nas bolsas chinesas derrubou os mercados globalmente, pressionando o Governo a injetar mais liquidez no sistema bancário para compensar os efeitos da desvalorização do Yuan. Essa manobra deixou evidente o grau de dependência mundial, haja vista que, durante a crise iniciada no final da década passada, o país oriental foi responsável por amortecer os choques graças aos planos de estímulo desenvolvidos pelo Partido.

Tais ferramentas que a China usou para sustentar o crescimento tem perdido a eficácia, à medida que a economia cresce e a repetição maquia ineficiências estruturais. A receita de investimento estatal e exportações também perdeu força. De acordo dados macroeconômicos de instituições financeiras, as exportações caíram 8,3% em julho comparado ao ano anterior (2014) e as encomendas das fábricas diminuíram, assim como as novas construções, que caíram 16,8% nos primeiros sete meses de 2015.

O Governo chinês, na tentativa de reequilibrar a economia, anunciou em julho passado cortes de 0,25 ponto percentual no juro básico, e de 0,50 p.p. nos depósitos compulsórios. A redução de 0,25 p.p. de maneira simétrica pode ter efeito maior na expansão do crédito. Ainda dentro das implementações governamentais, as autoridades promoveram ajustes regulatórios para impulsionar o crescimento do crédito por parte de Bancos de pequeno porte. Entretanto, tais medidas ainda não são suficientes para modificar as projeções do PIB chinês em 2015, que estão entre 6,7% e 7%.

Diante de um quadro pouco otimista, os mercados emergentes já começam a sentir os efeitos da desaceleração chinesa. Na Indonésia, o carvão importado pela China acumula nos portos. Na África do Sul, as mineradoras estão demitindo funcionários.

Nos países exportadores de commodities como Brasil, Indonésia, África do Sul e Rússia as moedas desvalorizaram. O rublo russo atingiu o menor valor em sete meses, chegando a atingir a pior marca da história: 70,9 rublos por dólar. A América Latina viu o peso mexicano e colombiano, ambos os países exportadores de petróleo, atingir cotações mínimas recordes. O peso mexicano acumula queda de 23%, o peso colombiano 60%, enquanto o real no Brasil despencou para quase 36%.

Nos Estados Unidos, a pergunta é se o país tem condições de defender sua política macroeconômica mesmo com as oscilações da semana passada. Com um crescimento lento, mas estável, com a compra de títulos para estimular investimentos (quantitative easing QE) suspensos pelo Federal Reserve (FED, na sigla em inglês) e com a tendência de aumento dos juros de curto prazo, Janet Yellen, Presidente do FED, se vê pressionada a tomar medidas protecionistas para resguardar a recuperação econômica.

No entanto, o cenário mostra que um crescimento desigual fortalecerá o Dólar, que, por sua vez, torna os produtos norte-americanos mais caros em outros países, inviabilizando as exportações e afetando o crescimento nos próximos meses. Além disso, uma possível queda nas bolsas poderia abalar a confiança nos gastos do consumidor e tornar os investimentos empresariais menos competitivos.

Com um crescimento médio anual de 2,1% nos últimos três anos, alguns economistas interpretam que a China não causará um impacto direto na economia norte-americana. O país responde por apenas 7% das exportações, que não influenciam diretamente no crescimento da economia do país ocidental, ainda bastante dependente do consumo. Todavia, o passo mais importante da retomada do crescimento da principal potência do sistema internacional será dado em breve, se os entendimentos quanto à flutuação econômica internacional pressionarem ou não internamente os Estados Unidos a não aumentar a sua taxa de juros, sob o risco de a valorização, mediante a liquidez, pressionar o mercado interno com inflação e restrições ao consumo.

————————————————————————————————

Imagem (Fonte):

http://static.guim.co.uk/sys-images/Guardian/Pix/pictures/2011/8/10/1312935208176/Wall-Street-007.jpg

————————————————————————————————

Fontes Consultadas:

Ver:

http://www.cfr.org/international-finance/role-us-federal-reserve/p21020

Ver:

http://br.wsj.com/articles/SB11269488643212654535504581193231310157682?tesla=y

Ver:

http://br.wsj.com/articles/SB11051541622060234421004581191253031935410?tesla=y

Ver:

http://br.wsj.com/articles/SB11051541622060234421004581191222625214078?tesla=y

Ver:

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/08/150826_china_economia_razoes_hb

Ver:

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/08/150825_china_explainer_hb

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) pela Faculdades de Campinas (FACAMP), Especialista em Direito Internacional pela Escola Paulista de Direito (EPD) e Especialista em Política Internacional pelo CEIRI (Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais). Atuou em duas grandes multinacionais do setor de tecnologia e na área de Cooperação Internacional na Prefeitura Municipal de Campinas com captação de recursos externos, desenvolvimento de projetos na área econômica e comercial e buscando oportunidades de negócios para o município. Foi Consultor de Novos Negócios na Avanth International em Campinas/SP e atualmente é Analista de Foreign Trade e Customer Care na Novus International Inc. Escreve sobre América do Norte com foco nos Estados Unidos.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!