EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A eleição da Estônia para o Conselho de Segurança da ONU

A Estônia é um Estado territorialmente pequeno localizado na Europa Oriental, todavia, nos últimos dias conquistou uma grande oportunidade. No início deste mês (junho), o país foi eleito para o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU), o que se constitui em uma vitória para a diplomacia estoniana.

Os estonianos participarão do CS-ONU na qualidade de membro não permanente, para o mandato de 2020-2021. O Estado báltico teve votação expressiva da Assembleia Geral da ONU, e recebeu respectivamente 111 votos e 132 votos em dois turnos de pleito, de um total de 190 Estados-membros da organização internacional.

O Conselho de Segurança é composto por dois grupos: os membros permanentes e os membros não permanentes. O primeiro grupo é formado pelos Estados Unidos, Reino Unido, França, Federação Russa e China, os quais possuem o poder de veto nas decisões do órgão. O segundo grupo é eleito periodicamente pela Assembleia Geral (AG-ONU) para ocupar as vagas distribuídas regionalmente, e não possuem o poder de veto nas questões.

Kaja Kallas – parlamentar estoniana

A decisão dos países-membros da ONU foi recebida com alegria por Tallinn*, sobretudo, pela oposição no Parlamento. O Jornal The Baltic Times trouxe a afirmação entusiasta da líder do Partido da Reforma, Kaja Kallas, sobre o assunto: “Quando você faz algo, você faz para ter sucesso. Fico feliz que a Estônia tenha sido eleita como membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU. Essa posição nos permite aumentar a influência da política externa da Estônia nos próximos dois anos e ser maior do que nossas fronteiras”.

Os analistas observam a eleição estoniana com admiração, visto que o processo de angariação de votos exige tempo e capacidade diplomática na esperança de convencer os eleitores. Todavia, as decisões da Assembleia Geral podem ser compreendidas como um voto de confiança na Estônia, com a expectativa de que o Estado venha a fazer jus a função, e possa contribuir para a garantia da paz e segurança internacionais.

———————————————————————————————–

Nota:

* Tallinn: é a capital da Estônia; o termo utilizado faz referência ao Estado estoniano

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Conselho de Segurança da ONU” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/95/UN-Sicherheitsrat_-UN_Security_Council-New_York_City-_2014_01_06.jpg

Imagem 2 Kaja Kallas parlamentar estoniana” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/9/9f/Ministerial_e-Government_Conference_%28COMPET%29_Kaja_Kallas_%2837528171751%29.jpg/1280px-Ministerial_e-Government_Conference_%28COMPET%29_Kaja_Kallas_%2837528171751%29.jpg

About author

Mestre em Sociologia Política (2018) e Bacharel em Relações Internacionais (2014) pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro – IUPERJ vinculado a Universidade Cândido Mendes. Atualmente incorpora o quadro do CEIRI Newspaper, onde atua na qualidade de colaborador voluntário na produção de notas analíticas e conjunturais na área de política internacional europeia com ênfase nos Estados Nórdico-Bálticos e Rússia.
Related posts
AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Evo Morales e Rafael Correa fora das eleições na Bolívia e no Equador

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Repressão à greve de professores aumenta preocupação com repressão na Jordânia

ÁSIACOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China promete fornecer mais tropas para as operações de paz das Nações Unidas

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia inaugura maior túnel latino-americano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!