fbpx
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A eleição da Estônia para o Conselho de Segurança da ONU

A Estônia é um Estado territorialmente pequeno localizado na Europa Oriental, todavia, nos últimos dias conquistou uma grande oportunidade. No início deste mês (junho), o país foi eleito para o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU), o que se constitui em uma vitória para a diplomacia estoniana.

Os estonianos participarão do CS-ONU na qualidade de membro não permanente, para o mandato de 2020-2021. O Estado báltico teve votação expressiva da Assembleia Geral da ONU, e recebeu respectivamente 111 votos e 132 votos em dois turnos de pleito, de um total de 190 Estados-membros da organização internacional.

O Conselho de Segurança é composto por dois grupos: os membros permanentes e os membros não permanentes. O primeiro grupo é formado pelos Estados Unidos, Reino Unido, França, Federação Russa e China, os quais possuem o poder de veto nas decisões do órgão. O segundo grupo é eleito periodicamente pela Assembleia Geral (AG-ONU) para ocupar as vagas distribuídas regionalmente, e não possuem o poder de veto nas questões.

Kaja Kallas – parlamentar estoniana

A decisão dos países-membros da ONU foi recebida com alegria por Tallinn*, sobretudo, pela oposição no Parlamento. O Jornal The Baltic Times trouxe a afirmação entusiasta da líder do Partido da Reforma, Kaja Kallas, sobre o assunto: “Quando você faz algo, você faz para ter sucesso. Fico feliz que a Estônia tenha sido eleita como membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU. Essa posição nos permite aumentar a influência da política externa da Estônia nos próximos dois anos e ser maior do que nossas fronteiras”.

Os analistas observam a eleição estoniana com admiração, visto que o processo de angariação de votos exige tempo e capacidade diplomática na esperança de convencer os eleitores. Todavia, as decisões da Assembleia Geral podem ser compreendidas como um voto de confiança na Estônia, com a expectativa de que o Estado venha a fazer jus a função, e possa contribuir para a garantia da paz e segurança internacionais.

———————————————————————————————–

Nota:

* Tallinn: é a capital da Estônia; o termo utilizado faz referência ao Estado estoniano

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Conselho de Segurança da ONU” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/95/UN-Sicherheitsrat_-UN_Security_Council-New_York_City-_2014_01_06.jpg

Imagem 2 Kaja Kallas parlamentar estoniana” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/9/9f/Ministerial_e-Government_Conference_%28COMPET%29_Kaja_Kallas_%2837528171751%29.jpg/1280px-Ministerial_e-Government_Conference_%28COMPET%29_Kaja_Kallas_%2837528171751%29.jpg

About author

Mestre em Sociologia Política (2018) e Bacharel em Relações Internacionais (2014) pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro – IUPERJ vinculado a Universidade Cândido Mendes. Atualmente incorpora o quadro do CEIRI Newspaper, onde atua na qualidade de colaborador voluntário na produção de notas analíticas e conjunturais na área de política internacional europeia com ênfase nos Estados Nórdico-Bálticos e Rússia.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!