fbpx
NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

A ofensiva turca contra o Estado Islâmico tem apoio da OTAN

Desde o dia 24 de julho de 2015, o Exército Turco está realizando ataques aéreos contra “alvos jihadistas[1] na Síria. O Governo também deu sua autorização, esperada há tempos, para que os aviões americanos que bombardeiam o Estado Islâmico(EI) na Síria e no Iraque possam usar a Base Aérea de Íncirlik*, no sul do país[1]. 

Estados Unidos e Turquia decidiram reforçar sua cooperação militar para erradicar o EI da zona que ocupa no Norte da Síria, ao longo da fronteira turca. A cooperação entre Ancara e Washington tem o objetivo de estabelecer uma zona livre do EI e melhorar a segurança e a estabilidade ao longo da fronteira na Turquia e na Síria. No entanto, ainda devem ser definidos os detalhes do acordo.

Em paralelo a sua ofensiva contra o EI, a Turquia quer prosseguir com seus ataques contra os Rebeldes Curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no Norte do Iraque até que deponham as armas. Esta campanha coloca em risco o frágil processo de paz que começou em 2012 para colocar fim à rebelião curda, que, desde 1984, deixou 40.000 mortos. No entanto, nem todos os sócios da Turquia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) aplaudem a ofensiva contra os curdos.  A dupla ofensiva turca gera suspeitas sobre qual é o alvo real de Ancara, o EI ou os curdos. A Turquia está preocupada com a possível criação de uma Zona Autônoma Curda no Norte da Síria[2].

A Aliança Atlântica, reunida de emergência em Bruxelas, na Bélgica, a pedido da Turquia, deu seu apoio ao Governo de Ancara em sua dupla ofensiva contra os rebeldes curdos e o grupo Estado Islâmico. O Governo IslamitaConservador Turco, acusado durante anos de conivência com as organizações radicais que lutam contra o Regime Sírio, mudou de estratégia na semana passada, após o atentado em Suruç[3], atribuído ao EI, e a morte de um de seus soldados em um ataque jihadista na fronteira síria.

O presidente Recep Erdogan reafirmou que não cederá à “ameaça terrorista[3] e que continuará com determinação sua luta contra os jihadistas do Estado Islâmico e os rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

———————————————————————————————

* A ’Base Aérea de İncirlik (em turco: İncirlik Hava Üssü) é uma Base Aérea da Turquia operada conjuntamente pela Forças Aéreas dos Estados Unidos na Europa (USAFE) e pela Força Aérea da Turquia (Türk Hava Kuvvetleri).

———————————————————————————————

Imagem (Fonte):

http://kanal3.bg/news/world/europe/12005-%D0%A2%D1%83%D1%80%D1%86%D0%B8%D1%8F:-%D0%9D%D1%8F%D0%BC%D0%B0-%D0%B4%D0%B0-%D1%81%D1%8A%D0%B3%D0%BB%D0%B0%D1%81%D1%83%D0%B2%D0%B0%D0%BC%D0%B5-%D1%83%D0%B4%D0%B0%D1%80%D0%B8%D1%82%D0%B5-%D1%81%D1%80%D0%B5%D1%89%D1%83-%D0%B4%D0%B6%D0%B8%D1%85%D0%B0%D0%B4%D0%B8%D1%81%D1%82%D0%B8%D1%82%D0%B5-%D1%81-%D0%BD%D0%B8%D0%BA%D0%BE%D0%B3%D0%BE!

———————————————————————————————

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://www.bbc.com/news/world-middle-east-33690060

[2] Ver:

http://www.economist.com/news/middle-east-and-africa/21659814-terror-attacks-and-american-support-kurds-have-persuaded-turkey-it-must-fight

[3] Ver:

https://ceiri.news/atentado-no-sudeste-da-turquia-deixa-32-mortos/  

About author

De nacionalidade Búlgara, é Mestre em Segurança Corporativa (2012) pela Universidade de Economia Nacional e Mundial (UNSS, Sófia). Atua na área de Segurança Pública, Segurança Corporativa e Diplomacia Corporativa com foco nos países do Leste Europeu, sendo referência em questões relacionadas a Península Balcânica, Turquia e Rússia. Atualmente é jornalista e editor de notícias internacionais da Televisão Nacional da Bulgária (BNT).
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!