[:pt]

Em dezembro de 2008, quatro dos seis países membros do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) – Arábia Saudita, Bahrein, Catar e Kuwait – aprovaram em Muscat, capital de Omã, dois Documentos visando ampliar a integração entre os Estados na região (o Acordo de União Monetária e o Estatuto do Conselho Monetário), o que, das suas perspectivas, será possível por meio da criação de uma moeda única, com o intuito de proteger e beneficiar as economias dos membros da entidade.

Com o resultado, criou-se o Conselho Monetário do Golfo, com as seguintes metas:

  1. Reforçar a cooperação entre os Bancos Centrais nacionais;
  2. Desenvolver e coordenar políticas monetárias e de taxas de câmbio;
  3. Estabelecer um Banco Central supranacional;
  4. Definir o calendário para a introdução e circulação da moeda única;
  5. Facilitar o livre comércio dentro do Bloco.

No entanto, em 2009, os Emirados Árabes Unidos (EAU), inicialmente envolvido nas negociações, manifestaram reservas quanto à decisão de o Banco Central unificado ser sediado na capital saudita, Riad, e decidiu não participar do Acordo, somado a isto, Omã também não formalizou compromisso com a proposta dos outros países do CCG.

Embora exista o interesse da maioria dos membros do CCG quanto ao projeto de união monetária, quatro fatores principais, além da não adesão dos EAU e de Omã, podem ser destacados como impedimento para tal:

  1. O primeiro deles é a uniformidade econômica no CCG, pois o petróleo é responsável, no mínimo, por mais de 50% das receitas governamentais de todos os países do grupo, o que dificultaria manobras econômicas em cenários de crise financeira internacional e de baixos preços da commodity, como vem acontecendo desde meados de 2014*;
  2. O segundo diz respeito à disparidade cambial dentro do Bloco (frente ao dólar, principal moeda do comércio mundial), pois há dificuldade em fixar o valor da moeda única, considerando o dinar kuwatiano, mais caro, e o Rial saudita, mais barato. Existe a dúvida sobre se o Banco Central do Golfo permitiria aos adeptos da união monetária adotar suas próprias políticas fiscais. Esta também é uma situação complexa que envolve muitos outros elementos;
  3. O terceiro fator seria o desafio de um maior avanço na movimentação de capitais, pessoas, bens e serviços entre os países do CCG para criar uma maior integração entre seus membros;
  4. Por fim, há a desconfiança de que os interesses da Arábia Saudita predominem sobre os dos outros Estados, tendo em vista que os sauditas detêm a maior economia do Bloco e quase o dobro do PIB dos EAU, a segunda maior**.

As razões acima comentadas são algumas destacadas que demonstram o quão complexo seria o estabelecimento de uma união monetária à moda do que ocorre na União Europeia, por exemplo, que, apesar da recente crise financeira na Zona do Euro, ainda é o modelo padrão para esse tipo de integração regional.

Desse modo, pode-se inferir que o estabelecimento de um Banco Central do Golfo e a emissão de uma moeda única no âmbito do CCG é um objetivo a ser alcançado no longo prazo, caso ainda haja interesse para tal nos próximos anos.

———————————————————————————————–                    

Notas e Fontes:

* Ver dados do The World FactbookCIA. Disponível em:

https://www.cia.gov/library/publications/resources/the-world-factbook/

** Ver dados do World Bank. World Databank. Disponível em:

http://databank.worldbank.org/data/reports.aspx?source=2&country=SAU#

———————————————————————————————–                    

Imagem (Fonte):

http://www.bhatkallys.com/wp-content/uploads/2014/04/GCC-620×330.jpg

[:]

About author

Graduado em Relações Internacionais pelo Centro Universitário da Cidade (UniverCidade) e mestre em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Desde 2013 pesquisador de geopolítica pelo Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil (EGN/MB), onde escreve sobre temas relacionados ao Oriente Médio para o Boletim Geocorrente. Principais ramos de atuação: Relações Internacionais, História, Geopolítica do Petróleo e do Oriente Médio.
Related posts
Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

ONU anuncia manter proteção a civis aos 10 anos da guerra na Síria

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Governo do Sudão compensa vítimas do ataque terrorista ao USS Cole

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Manufatura chinesa registra maior queda desde 2009 devido ao coronavírus

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Brexit, continuação do processo

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by