fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

Apesar de anúncio positivo, negociações entre Irã e AIEA não apresentam progressos

Programa Nuclear IranianoObservadores acreditam que o resultado da reunião ocorrida no dia 13 de dezembro passado representou apenas mais um ganho de tempo para o Governo iraniano, apesar do anúncio feito ontem, dia 20, quinta-feira, por fonte da “Agência Internacional de Energia Atômica” (AIEA), de que se chegou a um acordo preliminar entre a Agência e o Irã acerca de um plano estruturado” para tratar das inspeções das Usinas iranianas e negociação do “Programa Nuclear” do país,.

 

Ficou acertado que uma nova reunião deverá ser realizada ao longo do mês de janeiro de 2013, sem estabelecer data precisa, sendo esta reunião parte do conjunto de inspeções a serem realizadas. Não ficou decidido ainda se todas as Usinas estarão aberas, ficando a expectativa de que os iranianos permitirão que Parchin será autorizada, conforme afirmou vice-diretor-geral da AIEA, Herman Nackaerts, que, segundo disseminado na imprensa, “disse esperar que o próximo diálogo com o Irã obtenha progressos, e que o país abra a base de Parchin para inspeção”*. Ou seja, há esperança, mas não certeza de que será aberta e, conforme apontam especialistas, mesmo que aberta, isso não significa que serão autorizadas inspeções nas quais se poderá concluir se está ocorrendo desenvolvimento da pesquisa para fins bélicos.

Analistas apontam que, de representativo, há apenas a declaração do diretor daOrganização de Energia Atômica do Irã”, Fereydoun Abbasi-Davani, que afirmou: “A República Islâmica do Irã não irá suspender o enriquecimento de urânio a 20% por causa das exigências dos outros. (…). …vai produzir urânio enriquecido a 20 por cento para atender às suas necessidades, e pelo tempo que for exigido”**.

No entanto, da mesma forma que a fonte da AIEA não deixou claro o que significa este “plano estruturado” para as inspeções, também não ficou aberto para os interpretes o significado das necessidades iranianas, pois, pelo que afirma o Governo, o Irã necessita do domínio nuclear para produzir energia elétrica e produtos médicos, mas, segundo especialistas internacionais, já se enriqueceu urânio a 20% em quantidade suficiente (mais de 230 quilos**) para uso em pesquisa medicinal por vários anos, não sendo necessário continuar com a busca de maior quantidade de material***, mesmo que Abbasi-Davani também tenha afirmado o desejo de Teerã construir mais um reator para pesquisas.

Observadores apontam ainda que os iranianos contam com a certeza de que não serão atacado pelos ocidentais devido ao apoio que vem recebendo da Rússia, potência que não permitirá o avanço da área do controle dos EUA e da Europa numa região que sabe ser sua área de influência e, para manifestar que não aceitará qualquer medida mais drástica, deslocará uma frota de navios para os portos do Irã, tal qual informou o Comandante Almirante russo, Serguei Alekminsk, disseminado pelo jornal “Voz da Rússia”, de que seu país “enviará em 2013 uma frota de navios e fragatas para uma visita a um porto iraniano”****. Além dele, o vice-almirante-Hossein Azad declarou que, imediatamente, o “Marshal Shaposhnikov, um destroyer russo, ancorado neste porto, mostra a parceria entre Irã e Rússia”****. O porto a que se refere é o “Bandar Abbas”, no Irã.

Analistas afirmam que a próxima reunião em Istambul, na Turquia, entre o grupo de seis países (Alemanha, China, União Europeia, França, Grã-Bretanha e Rússia) com o Irã para tratar do “Programa Nuclear” iraniano necessita apontar um caminho seguro e transparente, pois, caso não seja feito, poderá estar sendo desenhado o cenário de guerra para 2013.

———————————-

[1] Imagem  (Fonte – Wikipédia):

http://pt.wikipedia.org/wiki/Programa_nuclear_iraniano

———————————-

Fonte Consultada:

* Ver:

http://portuguese.cri.cn/561/2012/12/21/1s159906.htm

** Ver:

http://www.ebc.com.br/noticias/internacional/2012/12/ira-reafirma-que-seguira-enriquecendo-uranio-a-20

*** Ver:

http://www.gazetadopovo.com.br/mundo/conteudo.phtml?tl=1&id=1328957&tit=Ira-sinaliza-que-nao-vai-abandonar-enriquecimento-de-uranio

**** Ver:

http://portuguese.ruvr.ru/2012_12_20/Russia-estreita-lacos-militares-com-Ira-e-envia-destroyer/

About author

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!