ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Aprofundam os efeitos da seca na Etiópia

Muito se tem discutido nas últimas semanas sobre a atual seca na Etiópia, bem como a íntima relação entre a sua severidade e as mudanças climáticas em curso no planeta. A problemática, no entanto, vem assumindo grandezas cada vez maiores, à medida que novos dados vão sendo divulgados.

Na semana passada, a Comissão Etíope para o Gerenciamento de Riscos e Desastres declarou que 8,5 milhões de pessoas demandaram assistência humanitária entre os dias 23 de maio e 22 de junho de 2017. O número é significativamente maior do que o total demandado em janeiro deste mesmo ano – mês onde 5,6 milhões de pessoas clamaram por auxílio.

Segundo a Oxfam, a seca na Etiópia posiciona 700 mil pessoas em situação de extremo risco

O número de distritos necessitando intervenção imediata aumentou a níveis não vistos desde o pico dos efeitos da seca despertados pelo El Niño em 2016”, declararam, em conjunto, o Governo etíope e a Organização das Nações Unidas (ONU). Concomitantemente, a organização não governamental Oxfam divulgou um relatório no qual estima que 700 mil pessoas estão beirando condições de total fome, reiterando o visível processo de deterioração das condições de vida nesse país.

A propagação da seca e de seus efeitos pelas regiões mais afetadas tem desestabilizado profundamente as relações sociais e econômicas da população etíope. Na região de Somali – uma das mais afetadas pela seca – há relatos, segundo a Oxfam, de significativa evasão escolar e de prostituição infantil em troca de algum alimento. As populações mais afetadas são os grupos pastoris, de estilo de vida nômade e dependentes da abundância de pasto – fato cada vez mais raro em um contexto de escassa chuva.

Não somente a expressiva severidade do fenômeno climático explica a piora das condições nutricionais. Também a dificuldade de financiamento das atividades de assistência humanitária retarda o atendimento abrangente a todas as populações afetadas. Dos 1,25 bilhão de dólares necessários para a mitigação eficiente dos efeitos da seca, 39% ainda não foi financiado.

Essa conjuntura de gradativa piora elucida a severidade das mudanças climáticas em curso. Segundo dados da ONU, em 2016, 108 milhões de pessoas passaram fome no mundo – um dos maiores números nos últimos anos –, sendo as alterações no clima um dos principais fatores explicativos. Neste sentido, apresenta-se como problema principal a atuação para a consolidação de comunidades adaptadas e resistentes a esse novo contexto ambiental, fato que demanda uma intensa participação de organismos internacionais, dos Estados e do terceiro setor.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Há mais de um ano, famílias etíopes lutam pela subsistência em um contexto de extrema seca” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ethiopian_women_in_the_drought.jpg

Imagem 2 Segundo a Oxfam, a seca na Etiópia posiciona 700 mil pessoas em situação de extremo risco” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Oxfam

About author

Economista pela ESALQ-USP, é atualmente mestrando em Sociologia pelo Programa de Pós- Graduação do IFCH-UFRGS. Foi pesquisador do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM). Atualmente desenvolve pesquisas na área de Sociologia Econômica, Economia Política e Sociologia do Desenvolvimento. Escreve no CEIRI Newspaper sobre economia e política africana, como foco em Angola, Etiópia e Moçambique
Related posts
ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Ataques a capacetes azuis no Mali

ECONOMIA INTERNACIONALEURÁSIANOTAS ANALÍTICAS

Rússia apresenta reservas financeiras maiores que saldos devedores

ÁSIAEURÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Rússia compete com China por influência no Sudeste Asiático

AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃOCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

ONU HABITAT estimula a gestão dos resíduos nas cidades

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by