No dia 11 de julho, terça-feira passada, juízes e procuradores da Oficina Anticorrupção Argentina reuniram-se com funcionários do Departamento de Justiça dos Estados Unidos para obter informações sobre o pagamento de propinas realizados pela empresa brasileira Odebrecht no país platino. O encontro ocorreu no marco da aproximação entre ambos os países em temas de cooperação judicial, por meio da qual a Argentina espera avançar em sua investigação sobre a companhia brasileira. Os funcionários estadunidenses forneceram aos argentinos acesso a base de dados que deve contribuir para o seguimento do processo. A Odebrecht já foi investigada nos Estados Unidos, onde foi condenada em abril deste ano (2017) a pagar multa de mais de 2 bilhões de dólares.

Encontro de Garavano com Juan Cruz

A reunião é fruto de um movimento de aproximação entre os dois Estados em questões jurídicas. Em 5 de junho passado, o Ministro de Justiça e Direitos Humanos argentino, Germán Garavano, visitou os EUA, onde encontrou-se com Daniel Kahn, titular da Unidade de Combate a Práticas de Corrupção no Exterior do Departamento de Justiça norte-americano.  No encontro, Kahn prometeu a Garavano total cooperação e repasse de informação aos responsáveis pela investigação do caso da Odebrecht na Argentina. Durante a visita, foi anunciado que os Estados Unidos haviam respondido a um dos requerimentos da Justiça argentina sobre o tema.

Em sua ida a Washington, Garavano encontrou-se ainda: com o Procurador Geral do país, Jeff Sessions, com quem tratou da colaboração  no caso Odebrecht; com funcionários da Oficina de Assuntos Internacionais do Departamento de Justiça, com os quais tratou de cooperação em temas de criminalidade complexa; com o titular da Oficina de Luta contra o Terrorismo, Alice Wells; e com Juan Cruz, principal responsável por temas latino-americanos no Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, com quem repassou a relação bilateral. A comitiva de Garavano esteve integrada pelos Secretários de Segurança e Assuntos Internos, que se reuniram com funcionários do Departamento de Segurança Interna dos EUA para discutir cooperação em temas relacionados a narcotráfico, lavagem de dinheiro e terrorismo.

A busca de coordenação internacional pela Argentina para prosseguir com a investigação sobre a Odebrecht não se limita aos Estados Unidos, já que o país também buscou fortalecer os contatos com o Brasil. Funcionários argentinos reuniram-se com membros da Procuradoria Geral da República em junho passado e propuseram a criação de uma equipe de investigação conjunta. No entanto, os condicionantes da Justiça brasileira, que indicavam a imunidade dos delatores como parte do acordo de colaboração, dificultam as negociações.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Prédio do Ministério de Justiça e Direitos Humanos da Argentina” (Fonte):

https://es.wikipedia.org/wiki/Archivo:Ministerio_de_Justicia_y_Derechos_Humanos.jpg

Imagem 2Encontro de Garavano com Juan Cruz” (Fonte):

http://www.jus.gob.ar/prensa/noticia.aspx?id=2624