fbpx
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Aumentam as tensões entre Espanha e Gibraltar

O território britânico de Gibraltar, localizado ao sul da região espanhola de Andaluzia, enfrenta duras críticas e uma possibilidade de retaliação por parte da Espanha após permitir a instalação de um recife artificial na entrada do “Mar Mediterrâneo”. As disputas diplomáticas chegaram a um ponto em que a Espanha ameaça implantar uma taxa para todos que quiserem atravessar a fronteira para Gibraltar e vice e versa[1].

O conflito começou no último dia 26 de agosto de 2012 quando barcos provenientes de Gibraltar atiraram no mar barreiras de concreto para formar um recife artificial com o intuito de aumentar a população de peixes naquela área. A Espanha, no entanto, alega que tal atitude irá prejudicar o setor pesqueiro daquela região, nominalmente, os barcos de pesca espanhóis que ficarão impossibilitados de passar por aquela área[2].  

A Espanha então ameaçou impor uma taxa de 50 euros (aproximadamente 150 reais) para quem quiser cruzar a fronteira e ameaçou também investigar a renda dos gibraltinos que possuem imóveis na Espanha, promovendo um aumento no tom das relações diplomáticas entre ambos[1].

O governo do Ministro Chefe de Gibraltar, Fabian Picardo, anunciou que não hesitará em levar a questão ao “Tribunal de Justiça da União Europeia”, visto que, de acordo com os tratados do Bloco, tal medida é inviável pois ameaça uma das liberdades fundamentais garantidas pela UE, no caso a livre circulação de pessoas e trabalhadores[3].

O “Ministro espanhol das Relações Exteriores”, Manuel Garcia-Margallo, deixou claro em uma declaração que “a festa acabou[1], refletindo o tom da política do governo de centro-direita de Mariano Rajoy com relação ao Rochedo*. Tal endurecimento ocorre após anos de uma política mais leniente com relação a Gibraltar, pela qual o governo socialista de José Luis Zapatero evitava trazer à tona o discurso nacionalista a respeito das alegações de soberania espanhola sobre o território.

Desde que foi assinado o “Tratado de Utrecht” há mais de 300 anos, quando a Espanha cedeu Gilbraltar ao Reino Unido, e mesmo após insistentes investidas por parte do governo Espanhol de conseguir de volta o Rochedo, o próprio povo da região deu a sua opinião em dois referendos, um em 1967 e o outro em 2002, onde 99% dos votantes em ambos os casos optaram por permanecer como um território ligado ao Reino Unido[1].

Tal atitude não era vista desde os tempos do ditador facista espanhol, o General Francisco Franco, quando este fechou a fronteira entre ambos os territórios durante a década de 70 até meados da década de 80. O endurecimento deste discurso tende a complicar ainda mais as relações entre “Reino Unido” e a Espanha, sem contar a possibilidade de causar um mal-estar político com o restante da União Europeia”, tendo em vista que tal atitude pode de fato ferir o que a UE defende.

————————
* Outro nome pelo qual Gibraltar também é conhecido, devido a presença do chamado “Rochedo de Gibraltar” que se estende por todo o seu território.

————————

Imagem Vista área do território de Gibraltar” (Fonte):

http://www.algemeiner.com/wp-content/uploads/2012/12/Gibraltar.jpg

————————

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://www.euractiv.com/cap/fishing-dispute-sparks-new-frict-news-529708

[2] Ver:

http://www.theguardian.com/world/2013/aug/04/gibraltar-comments-madrid-london-uk-spain
[3] Ver:
http://www.theguardian.com/world/2013/aug/06/gibraltar-legal-action-spain-dispute

About author

Mestre em Estudos Europeus pela Universidade Católica de Louvain e Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade da Amazônia - UNAMA. Estagiou durante um ano na Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia onde atuou na área de promoção do Comércio Exterior do Estado do Pará e, ao mesmo tempo, trabalhou como voluntario no GADE, grupo interessado em promover o voluntariado no Estado do Pará. Sempre interessado por integração europeia, realizou pesquisas envolvendo temáticas sobre a Política Agrícola Comum Europeia e sua relação com o livre-comércio e também sobre a evolução do Mercado Único e do setor de serviços da União Europeia. Morou seis meses em Varsóvia onde foi estudante Erasmus na Warsaw School of Economics.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!