Agora nossos podcasts também estão no Spotify e Deezer. Em breve voltaremos  com os áudios! Para receber nossas atualizações em seu whatsapp clique no botão ao lado ou envie um whatsapp com seu nome, cidade/estado para 11 35682472

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Austrália reconhece Jerusalém Ocidental como capital de Israel

No dia 15 de dezembro de 2018, o Governo australiano reconheceu formalmente Jerusalém Ocidental como a capital de Israel. Scott Morrison, Primeiro-Ministro da Austrália, mencionou que o Knesset e as instituições governamentais israelenses situam-se em Jerusalém Ocidental, o que justificaria o reconhecimento. Afirmou, ainda, que seu país não mais irá se abster em resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU) quando estas for em contra Israel.

A Transferência da Embaixada Australiana para Jerusalém

Em um primeiro momento, não haverá a transferência da Embaixada australiana de Tel Aviv para Jerusalém, pois o Governo entende que se deve aguardar a assinatura de um acordo de paz entre palestinos e israelenses quanto à cidade, tendo Jerusalém Oriental como capital do futuro Estado Palestino. Todavia, anunciou-se a procura de possíveis locais para uma futura sede, e escritórios comerciais e militares (Defesa) já serão abertos.

Até hoje, os Estados Unidos e a Guatemala fizeram as transferências para Jerusalém, porém, a maioria dos países prefere não instalar missões diplomáticas na cidade, pois esta ainda é reivindicada tanto por palestinos quanto por Israel. O Governo israelense esperava um reconhecimento da cidade de Jerusalém como um todo, o que incluiria também sua porção Oriental, e desejava o estabelecimento das sedes das representações.

O embaixador palestino Izzat Abdulhadi, acreditado na Austrália, declarou que seu governo pretende incitar os países árabes e muçulmanos a retirarem seus embaixadores e a boicotarem economicamente os australianos. Sua declaração foi acompanhada por Saeb Erekat, Chefe da Organização pela Libertação da Palestina (OLP), o qual apelou àqueles países a congelarem suas relações com a Austrália.

Diante da possibilidade de transferência da Embaixada, a Indonésia, país majoritariamente muçulmano que estava por assinar um acordo de livre-comércio (“Comprehensive Economic Partnership Agreement”) com o Governo australiano, ameaçou adiar sua assinatura,já que, em outubro de 2018, o Ministro das Relações Exteriores indonésio manifestou-se no sentido de que os australianos e demais países continuassem a apoiar o processo de paz entre Palestina e Israel, não tomando medidas que ameacem a segurança global.

Protestos eclodiram nas ruas de Jakarta, Bali, Makassar e de Surabaya ao longo do mês de novembro de 2018. Em um deles, houve manifestantes ateando fogo nas proximidades da Embaixada australiana em Jakarta, com pretensões de invadi-la. A Indonésia,desde 1949, ano de sua independência, apresentou governos favoráveis às causas palestinas, posicionamento que conta com o apoio da população.

Simon Birmingham

No dia 18 de novembro de 2018, Simon Birmingham, o Ministro do Comércio, Turismo e Investimento da Austrália rejeitou a possível pressão na política externa de seu país, proveniente da Indonésia,afirmando que não haveria imposições. Jakarta decidiu aguardar o posicionamento  quanto à mudança da sede diplomática.

O Primeiro-Ministro australiano reuniu-se com o presidente indonésio Joko Widodo em 19 de novembro de 2018, na Cúpula da Asean, realizada em Singapura. No dia 14 de dezembro de 2018, turistas australianos foram recomendados a tomarem precauções quando visitassem a ilha em viagens de fim de ano.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Panorama urbano de Jerusalém” (Fonte): https://pt.wikipedia.org/wiki/Jerusal%C3%A9m#/media/File:IL-jerus-skopus-pano.jpg

Imagem 2Simon Birmingham” (Fonte): https://en.wikipedia.org/wiki/Simon_Birmingham#/media/File:Simon_Birmingham.jpg

About author

Bianca Del Monaco, advogada, mestranda em Direito dos Negócios pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), LL.M em International Crime and Justice na Universidade de Turim (UNITO) e United Nations Interregional Crime and Justice Research Institute (UNICRI), especialista em Relações Internacionais e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), pós-graduação em Direito e Economia do Comércio Internacional da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), pós-graduação em Contratos Internacionais Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), bacharel em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Related posts
NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Julgando os combatentes estrangeiros do Estado Islâmico

COOPERAÇÃO INTERNACIONALEuropaNOTAS ANALÍTICAS

A cooperação cibernética de Estônia-EUA

Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Corte Internacional de Justiça julga o caso Jadhav

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Presidente da Rússia realiza visita oficial à Itália

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by