ANÁLISES DE CONJUNTURAÁSIAEUROPA

A Rússia na “Organização para Cooperação de Xangai” (OCX)

A “Organização para Cooperação de Xangai” (OCX, ou “Shanghai Cooperation Organisation” – SCO) é uma organização internacional intergovernamental fundada em 15 de junho de 2001, composta pelos “gigantesRússia e China, mais quatro ex-repúblicas soviéticas da “Ásia Central”, quais sejam, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão e Uzbequistão. Seu predecessor foi o “Shanghai Five*, mecanismo que obteve relativo êxito em suas demandas em um curto espaço de tempo, em razão, sobretudo, do compartilhamento das mesmas ameaças potenciais aos seus membros, tais como, o extremismo, o separatismo e o terrorismo.

NOTAS ANALÍTICAS

O “Atentado de Boston” e as ligações com o “Separatismo Terrorista Caucasiano”

CáucasoCáucasoNo dia 15 de abril de 2013, durante a “Maratona de Boston (EUA)”, um dos eventos esportivos de maior prestígio e participação internacionais, presenciou-se a mais um atentado em solo norte-americano. Dessa vez, dois irmãos com origem da região Norte do Cáucaso arquitetaram e executaram um plano responsável pela morte de 3 pessoas, além de dezenas de feridos[1]. A grande questão levantada pelos analistas é se há relação entre as ações dos irmãos chechenos e as reivindicações históricas de independência daquela região*.

NOTAS ANALÍTICAS

A Rússia perante as tensões na “Península Coreana”

Recentemente, a “Península Coreana” tem sido matéria constante na mídia internacional, em razão das frequentes ameaças à segurança e à paz internacional por parte da “República Democrática Popular da Coréia” (Coreia do Norte). Seu atual líder supremo, Kim Jong-un*, tem, de forma reiterada, não somente emitido declarações caracterizadas pela retórica agressiva, algo comumente utilizado pelo seu antecessor, como também realizado atos de pouca cautela, a exemplo do terceiro teste nuclear da história do país (confirmado no dia 12 de fevereiro de 2013) e do cancelamento do “Armistício de 1953”** (no dia 8 de março passado).

NOTAS ANALÍTICAS

Sistema Conjunto de Defesa Antimísseis entre Rússia e OTAN

Em recente visita à “Federação Russa”, o “Vice-Secretário Geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN)”, embaixador Alexander Vershbow, comentou a respeito da possibilidade de criação de um “Sistema Conjunto de Defesa Antimísseis” entre a organização militar e a parte russa[1]. Tal avanço estaria inserido na intenção de aprofundar a cooperação já existente, tendo como base o escopo estabelecido por meio do “Conselho OTAN-Rússia” (NRC – NATO-RUSSIA Council)[2].