AMÉRICA LATINAANÁLISES DE CONJUNTURACNP In Loco

Candidato presidencial Alckmin propõe reestruturação interna para fortalecer as Relações Internacionais do Brasil

O ex-governador do Estado de São Paulo e atual candidato à Presidência da República, Geraldo Alckmin, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), participou do evento “Presidenciáveis 20018, Seu País, Sua Decisão”, promovido pela Câmara Americana de Comércio (AMCHAM) em parceria com o Brazil-US Business Council, na última terça-feira (24), na cidade de São Paulo. O evento contou com a presença de jornalistas, empresários brasileiros e estadunidenses, além de outros convidados pela entidade, para conhecer as propostas do presidenciável.

ANÁLISES DE CONJUNTURAÁSIA

A península coreana quatro meses após acordo de diálogo entre Sul e Norte

Janeiro de 2018 poderá ser considerado um marco histórico da era moderna no que diz respeito à península Coreana. O mês de maio se iniciou sem relatos de novos testes nucleares e sem novos casos que promovem a tensão entre Seul e Pyongyang, ao longo destes quatro meses, desde o acordo firmado entre os dois lados em manter o diálogo e o envio da delegação coreana para participar de jogos de inverno na Coreia do Sul.

O fato de ambos os países não estarem passando por casos de atrito é um grande feito, quando se compara com os anos de 2016 e 2017, em que o noticiário asiático era repleto de notícias pessimistas sobre a paz na península. Muitos se questionam, contudo, sobre qual o real motivo disso tudo; por que o líder supremo norte-coreano abandonou agora os testes nucleares e parou com os atritos com seu vizinho, ao sul da península.

Em abril deste ano (2018), a BBC apresentou uma reportagem de Ankit Panda sobre a decisão de Kim Jong-un em parar os testes nucleares, nela concluiu-se que o motivo foi porque o governo Kim já dominou a tecnologia nuclear. Quanto ao domínio da tecnologia nuclear pelos norte-coreanos não existem provas, porém o repórter utiliza comparativamente, para chegar a essa conclusão, até o caso da Índia e do Paquistão no final da década de 1990, quando ambos países haviam feito seis testes nucleares e hoje não realizam mais experimentos similares, pertencendo, agora, ao grupo de países detentores de armas e tecnologia nuclear.

Deve-se ressaltar que, se for avaliado o histórico das relações entre as duas Coreias, provavelmente essa paz será temporária, porém ainda pode existir esperança, não para uma Coreia unificada, mas para a paz na península. Além disso, o futuro da península coreana, das ações do jovem Kim podem por em cheque alguns dos conceitos de ditadura existentes pelo mundo, quando ela é apenas centralizada em uma única figura, em uma única personagem e não em um conjunto de elementos que compõem a administração de um país e, para tentar prever se haverá ou não futuro da paz na região, deve-se pensar sobre quem é a figura líder na Coreia do Norte.

Em dezembro de 2011, quando o antigo líder do país, Kim Jong-Il veio a falecer e Jong-un foi apontado para assumir o poder, foi traçado um perfil do então novo líder, aqui no portal do CEIRI, na época esperançoso, pois ele era uma pessoa muito ligada aos acontecimentos, costumes e esportes globais e fã de esportes estadunidenses. Entre o ano em que assumiu até 2017, no entanto, nada mudou nas relações Seul-Pyongyang. O jovem Kim manteve a mesma linha adotada por seu pai e por seus antecessores, priorizando o poder militar e não as reformas sociais, econômicas e os avanços nas relações entre as Coreias e com o Sistema e Sociedade Internacional.

Após anunciar a delegação esportiva e o grupo de autoridades para os jogos de inverno na Coreia do Sul, bem como parar com as ações e testes militares que geravam atritos com os sul-coreanos e cumprir até o momento com o que foi dito, o sistema internacional vem tomando o líder de Pyongyang como uma possível caixa de surpresas. No passado ele era visto como a pessoa que poderia abrir seu país para o mundo, iniciar novamente o diálogo e reduzir os atritos com os demais países da região, porém a troca foi apenas do Kim Jong-Il para Kim Jong-un e não a renovação da cúpula do poder.

Como um país é governado por não apenas por uma figura, mas por um sistema composto por um grupo de entidades ou pessoas que administram a sociedade, corporificando-se em parlamentos, executivos e órgãos judiciários, o governo norte-coreano não é exceção. Tudo que se relaciona ao país é focado no líder supremo, mas pouco se tem notícias sobre troca de pessoas nos principais cargos que formam o alicerce da administração norte-coreana.

Em 2016 um ou outro caso foi noticiado, como a saída do marechal Ri Yong-ho; em 2017, o foco foi nos testes nucleares e atritos com Washington e Seul. O motivo das novas medidas do governo Kim pode ser um sinal de que ele realmente está conseguindo comandar o país de fato, não sendo apenas uma figura de ilustração enquanto o país é comandado por generais e outros atores que tem influência no governo de Pyongyang.

Jong-un sempre foi ligado em esportes, principalmente basquete e já até convidou e recebeu a visita de jogadores estadunidenses em seu país e poucos se lembram de tentativas inéditas, no início de seu governo, abrindo espaço até para personagens da Disney na TV estatal KRT.  Ele era o jovem assumindo um governo composto por antigas figuras remanescentes da separação da península coreana, e o seu pensamento não era exclusivamente voltado para a guerra, vingança e domínio da península como um todo.

Com 35 anos de idade, sendo considerado muito novo para assumir tal cargo no país, ele já entrou para a história da península por protagonizar um encontro histórico com o presidente sul-coreano Moon Jae-in, na manhã do dia 26 de abril de 2018 e por caminhar e cruzar a linha de demarcação militar de mãos dadas com um presidente da Coreia do Sul, algo jamais cogitado por seus antecessores e, muito provavelmente, foi reprovado por várias das personalidades influentes no governo norte-coreano.

Kim Jong-un e Xi Jinping

Não apenas o encontro histórico com o vizinho do sul foi inovador, ele também mudou a agenda comum dos líderes antigos, que raramente saiam do país e, pela segunda vez, em menos de 2 meses, se encontrou com o presidente chinês Xi Jinping na cidade de Dalian, que fica na região de fronteira da China com a Coreia do Norte. Isso vem sendo visto como uma demonstração de que ele pode estar mudando os rumos da política externa de seu país, inicialmente dando prioridade ao reforço das relações com seus aliados e parceiros comerciais.

Alguns especialistas seguem uma linha de que ele pode estar buscando uma falsa abertura para conquistar e adquirir novos recursos e tecnologias para aprimorar tudo o que existe no campo militar e atualizar a sua tecnologia atual. Outros tendem a discutir que há uma mudança interna no poder em Pyongyang e que sua figura não é mais apenas representativa, mas sim efetiva e que está buscando meios de inserir um pouco da cultura internacional, explorando também o potencial histórico, cultural e de recursos existentes em seu território, coisas que no passado era proibido e sequer era discutido por conta dos elementos que formaram a cúpula do poder da Coreia do Norte.

Muito é e ainda será especulado sobre a nova postura do jovem Kim. Se suas ações serão positivas ou negativas ainda é muito cedo de se afirmar, mas as atuais atitudes de Pyongyang estão mudando ou podem mudar e vir a resgatar o que há de melhor na história da Coreia e a península pode voltar a ganhar força no continente asiático como em épocas passadas. Como será o futuro das famílias coreanas afastadas pela demarcação militar estará nas suas mãos, mas, além disso, em breve um ato poderá torná-lo uma das pessoas mais importantes da história moderna asiática: Kim Jong-um pode assinar o documento que ainda pendente, que nunca foi assinado, exatamente, aquele o que põe fim à Guerra da Coreia, o que selará a paz na península coreana. No próximo mês também fará a reunião histórica com Donald Trump, Presidente dos EUA, outra ação para lhe garantir destaque na história.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Kim Jongum e Moon Jaein” (Fonte):

https://veja.abril.com.br/mundo/kim-jong-un-tem-encontro-historico-com-presidente-sul-coreano/

 Imagem 2 Kim Jongum e Xi Jinping” (Fonte):

http://www.xinhuanet.com/photo/2018-05/08/1122802595_15257776232171n.jpg

CNP In LocoNOTAS ANALÍTICAS

Joe Kaeser: São Paulo é o maior polo industrial alemão no mundo

Quando qualquer turista visita a cidade de São Paulo fica impressionado com a influência da arquitetura italiana; com o grande número de orientais transitando pela cidade e com a cultura oriental pop, bem destacada em algumas regiões do centro da capital. Porém, poucos sabem que, para os empresários alemães, o que existe é uma Alemanha Paulista.

O Estado de São Paulo é onde se concentra o maior número de investimentos industriais alemães fora de seu país de origem, algumas empresas estão presentes no Brasil e no estado a mais de cem anos, como é o caso da Siemens, que, em 1867, investiu em telegrafia na rede que ligava São Paulo e o Rio de Janeiro. A Siemens é uma das maiores empresas do mundo, o maior conglomerado da Europa e, fora do continente europeu, mantém forte presença em solo brasileiro, pretendendo aumentar ainda mais sua participação na economia paulista e brasileira.

Joe Kaeser, Presidente Global da Siemens firmou um acordo bilionário com a Apex Brasil, sendo anunciados investimentos que poderão ultrapassar os 50 bilhões de euros e gerar mais de 1 milhão de empregos no país.

Durante evento de celebração com a Apex Brasil, dentro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Kaeser declarou: “São Paulo é o maior polo industrial alemão no mundo”.

A esquerda, Roberto Jaguaribe, presidente da APEX BRASIL e à direita, André Clark, CEO da Siemens no Brasil. (Foto: Fabricio Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER)

O presidente da gigante alemã contou com a presença de Michel Temer, Presidente da República Federativa do Brasil, que teve duplo evento em sua agenda, marcando a abertura da plenária conjunta da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), presenciando esse importante acordo entre brasileiros e alemães. 

Temer elogiou o feito entre a Siemens e a Apex Brasil e declarou para a imprensa local: “O Brasil vive do seu governo, dos empreendimentos e empreendedores. Então quando o governo toma medidas e seus empreendedores compreendem e avançam nelas, é sinal de que o nosso País retomou realmente o crescimento”.

A Alemanha é um dos maiores investidores no Brasil, atrás de países como a China e os Estados Unidos, mas não é de hoje que a presença industrial germânica chama a atenção. Uma rápida pesquisa sobre a presença e influência das empresas alemãs no Estado facilita a compreensão da sua importância, mesmo que para alguns seja desapercebida.

Michel Temer, Roberto Jaguaribe e André Clark. (Foto: Fabricio Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER)

No ano de 2009, Ingo Plöger, então presidente da IP Desenvolvimento Empresarial e Institucional, já enfatizava a importância do país para o empresariado alemão em uma entrevista concedida para a Deutsche Welle, na qual declarou: “A cidade de São Paulo tem uma concentração de indústrias alemãs maior até do que na própria Alemanha. (…). Mesmo cidades como Colônia, Munique, Hamburgo não reúnem tamanha quantidade de indústrias do país”.

Do ano de 2009 para cá, as relações entre os dois Estados mantêm um desenvolvimento saudável, sem perdas, com avanços e acordos como o atual da Siemens, deixando claro que o país está em pauta para o empresário alemão e que mais acertos de negócios promissores estarão por vir.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:                                                                                                                 

Imagem 1 Joe Kaeser Presidente Global da Siemens” (Fonte Fabrício Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER):

Imagem – Foto do autor

Imagem 2 A esquerda, Roberto Jaguaribe, presidente da APEX BRASIL e a direita, André Clark, CEO da Siemens no Brasil” (Fonte Fabrício Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER):

Imagem – Foto do autor

Imagem 3 Michel Temer, Roberto Jaguaribe e André Clark” (Fonte Fabrício Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER):

Imagem – Foto do autor

AMÉRICA LATINAÁSIACNP In LocoNOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Brasileiros cada vez mais próximos da cultura chinesa

O final do mês de fevereiro e o início do mês de março de 2018 foi repleto de eventos de música e cultura chinesa em toda a região metropolitana de São Paulo, com destaque para a Festa do Ano Novo Chinês, no bairro paulistano da Liberdade, e para o Festival das Lanternas, ocorrido no parque do Ibirapuera. Há alguns anos, eventos festivos chineses acontecem em todo o país, mas, desde 2007, eles ganharam força com as festividades do Ano Novo na capital paulista, popularizando a cultura chinesa e indo além das artes marciais.

Entre os anos de 2007 e 2016, a entidade sino-brasileira JCI Brasil-China realizava a celebração do Ano Novo Chinês em São Paulo e, com a força do evento, apresentou aos locais outras festividades típicas da China, como o Dragon Boat – Corrida de barcos-dragões, muito comum no país asiático –, e popularizou as Olimpíadas Chinesas, que ocorrem no Centro Olímpico Marechal Mário Ary Pires, também na capital do Estado de São Paulo. Desde então, já ocorreu o Ano da China no Brasil, o Ano do Brasil na China, o intercâmbio cultural entre os dois países foi se popularizando e entidades de grande relevância na China passaram a atuar de forma mais presente em eventos culturais chineses no país, o que nos leva a entender como o intercâmbio de diversas áreas cresceram até os dias atuais.

Secretário Estadual de Cultura, Jose Luiz de França Penna junto com a Consulesa Geral da China em São Paulo, Sra. Chen Peijie. (Foto: Fabricio Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER)

Antes do ano de 2007, pouco se conhecia sobre a China, além de seus filmes de artes marciais e da economia chinesa, dois assuntos bem comuns na mídia e no entretenimento brasileiro. Também havia divulgação sobre o número crescente de alunos chineses de intercâmbio em cursos e universidades em território nacional, cujo exemplo é a quantidade deles circulando pela Cidade Universitária da Universidade de São Paulo (USP), que são muitos temas de discussão e o CEIRI NEWSPAPER sempre esteve noticiando aos leitores do portal desde então, assim como fez sobre o Mês do Brasil na China e sobre as relações desapercebidas pelos brasileiros, entre outras informações curiosas e importantes aqui tratadas.

Banda Su Yang ( Foto: Fabricio Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER)

No último evento do Festival das Lanternas, realizado pelo Instituto Confúcio, na Unesp, em São Paulo, foi interessante ver como a visão brasileira sobre os chineses vem evoluindo e enriquecendo. Em um dia nublado, centenas de pessoas compareceram ao local para apreciar mais daquele distante país milenar, e encerraram a noite com um dos maiores músicos de Folk Rock chinês, com o show do grupo Su Yang.

Demonstrando respeito pelos brasileiros, dedicação e esforço para interagir com o Brasil, a Consulesa chinesa em São Paulo, Sra. Chen Peijie, declarou que “a relação cultural entre Brasil e China nunca esteve melhor e vamos nos esforçar para aperfeiçoa-la”, falou em português, mesmo que ainda esteja com um forte sotaque e pouca fluidez do idioma, algo que foi elogiado pelos presentes ao perceberem sua dedicação. Ela também participou da cerimônia de acendimento das lanternas, falando no bom chinês, com uma tradução para o entendimento do público local.

Ver um evento promovido pelo Instituto Confúcio, um órgão criado para difundir a cultura chinesa pelo mundo, é um claro sinal de que os chineses não medem esforços para realizar ações entre ele e países amigos, sempre criando atividades em diversos campos diplomáticos, econômicos e culturais para manter a saúde positiva de suas relações. Ilustrativamente, a unidade do Instituto em São Paulo foi eleita por diversas vezes como o melhor Instituto Confúcio no mundo, sendo ela completa quando se trata de promover o intercâmbio entre jovens e adultos que tem interesse em conhecer e aprender mais da cultura de seu país de origem.

Vista do Público durante o Festival das Lanternas (Foto Fabricio Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER)

Hoje, com os avanços tecnológicos dos mecanismos de comunicação e entretenimento, brasileiros e chineses estão mais próximos um da cultura do outro. Para o brasileiro, a China já está além dos clássicos filmes de Jackie Chan e Jet Li, e além das páginas de economia do noticiário brasileiro. Agora, por exemplo, está mais fácil entender que muito do que o brasileiro já conhecia, mas usava um nome japonês para identificá-lo, foi criado na China e muito da gastronomia que está presente em diversos supermercados tem origem nesse gigante asiático, sendo agora divulgado da forma correta.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Consulesa Geral da China em São Paulo, Sra. Chen Peijie” (Fonte – Fabrício Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER):

Imagem – Foto do autor

Imagem 2 Secretário Estadual de Cultura, Jose Luiz de França Penna junto com a Consulesa Geral da China em São Paulo Sra. Chen Peijie” (Fonte – Fabrício Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER):

Imagem – Foto do autor

Imagem 3 Banda Su Yang” (Fonte – Fabrício Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER):

Imagem – Foto do autor

Imagem 4 Vista do Público durante o Festival das Lanternas” (Fonte – Fabrício Bomjardim / CEIRI NEWSPAPER):

Imagem – Foto do autor

CNP In LocoNOTAS ANALÍTICASTecnologia

Campus Party 2018: Startup e tecnologia no Brasil*

Campus Party Brasil 2018 contou com uma programação voltada para palestras com convidados especiais. São especialistas e empreendedores atuando em áreas que vão do setor de empresas de varejo até a mais alta tecnologia.”

A Campus 2018 está focando no empreendedorismo, contando com uma área voltada para Startups (empresas emergentes), jovens empreendedores e academias para criadores. Dentro de sua estrutura, seja na área aberta ao público de forma gratuita, seja na área fechada aos campuseiros**, pequenos espaços tratam da educação na área de robótica e tecnologia. Há a academia para gamers; há a liga para desenvolvedores e também a academia para criação de cyborgs.

Neste segundo dia ocorreram palestras com nomes como Caito Maia, Fundador da Chilli Beans, e Mitch Altman, um famoso Hacker que foi um dos pioneiros no trabalho com Realidade Virtual. O CEIRI NEWSPAPER (CNP) aproveitou o tempo das palestras e apresentações e levantou questões importantes sobre suas respectivas áreas de atuação, e como eles veem o atual momento do empreendedorismo e da tecnologia no mundo.

Caito Maia, Fundador da Chilli Beans

Caito apresentou diversas experiências pessoais ao longo de sua trajetória, desde quando teve a ideia de criar a Chilli Beans até a obtenção do grande resultado de hoje. Para ele, o povo brasileiro é rico em ideias criativas, porém com pouca estrutura e recursos para pô-las em prática e, em muitos casos, sem muita orientação para fazer as iniciativas darem certo. Quando questionado sobre o que pensa sobre os jovens que não obtém sucesso ao iniciar uma startup, ele respondeu ao CEIRI NEWSPAPER: “O que falta no jovem é acreditar em seus sonhos, desenvolvê-los e não desistir. Hoje, existem muitas pessoas que iniciam uma startup e, quando não dá certo, ele inicia uma nova e acaba acumulando um conjunto de ideias que não deram certo. E isso foi por que não acreditou e desenvolveu aquele sonho, e aquelas ideias que teve no início”.

O fundador da Chilli Beans também fez comentário sobre a atuação do Governo brasileiro. Para ele, não há estrutura e incentivos por parte das administrações municipais, estaduais e federal para que os jovens iniciem seus empreendimentos. Declarou, respondendo ao público da Campus: “A carga tributária e a burocracia no país faz com que muitos desistam de seus sonhos antes mesmo de iniciá-los”.

Mitch Altman

Em uma descontraída palestra e apresentação de seu histórico no mundo da tecnologia, Mitch Altman mostrou que vê o mundo sem vida e cada dia mais rotineiro. O grande hacker que contribuiu para diversas tecnologias remotas, inclusive para bloqueios de sinais de TV e projetos de Realidade Virtual, comentou que a educação básica dentro da atual sociedade não ensina ninguém a viver a vida que cada um deseja, o que dificulta alguns grupos de pessoas a trabalharem coletivamente.

Respondendo a diversos jovens presente em sua palestra, Altman deu ênfase ao estilo de vida de cada um, focando no tempo em que as pessoas gastam em rotinas cotidianas de trabalho e o pouco tempo que gastam para o próprio lazer. Para ele, o ser humano passou a viver em função de um sistema rotineiro e não vive mais. Segundo declarou, suas invenções, como seu mecanismo de bloqueio de sinal de TV, foi uma forma de fazer com que as pessoas parassem de dedicar o próprio tempo a objetos de entretenimento que não educam, mas apenas alienam.

O mundo da realidade virtual seria um ponto de fuga para as pessoas viverem como desejam ou sonharam viver; para terem a liberdade de ser quem elas desejam ser. Essa realidade, porém, não é física, mas, quando for popularizada, poderá ser um novo tipo de entretenimento com condições de ajudar as pessoas a terem um pouco mais de paz e a se livrarem do stress cotidiano.

A Campus Party está reunindo profissionais, estudantes e diversos amantes de tecnologia, buscando unir o melhor do desenvolvimento tecnológico e realizar encontros que possam resultar na mais adequada maneira de juntar a tecnologia com o aprimoramento do bem-estar individual e coletivo, e possibilitando a criação de um mundo com pessoas que tenham condições de economizar tempo para se dedicarem aos seus interesses pessoais e as suas famílias.

———————————————————————————————–                    

Nota:

* Reportagem e entrevista de Fabrício Bomjardim.

** Campuseiros é o nome dado aos participantes da Campus Party.

———————————————————————————————–                     

Fontes das Imagens:                                                                                                                

Imagem 1 Entrada da Campus Party 2018 ” (Fonte – Fabrício Bomjardim/CEIRI NEWSPAPER):

Fotografia realizadas pelo autor no local

Imagem 2 Caito Maia” (Fonte – Fabrício Bomjardim/CEIRI NEWSPAPER):

Fotografia realizadas pelo autor no local

Imagem 3 Mitch Altman” (Fonte – Fabrício Bomjardim/CEIRI NEWSPAPER):

Fotografia realizadas pelo autor no local

CNP In LocoNOTAS ANALÍTICASTecnologia

Campus Party Brasil 2018

No final da década de 1990, dezenas de espanhóis se reuniram na cidade de Valência, realizando uma Lan Party, episódio onde reuniram dezenas de amantes da tecnologia com seus computadores e outros equipamentos do gênero. Esse encontro veio a se tornar a Campus Party, que se transformou em um dos maiores eventos de tecnologia do mundo, e apresenta o Brasil como o primeiro país a realizá-lo, além da Espanha.

SAO PAULO, SP – 30.01.2018 – CAMPUS-PARTY – Vista da Campus Party em seu primeiro dia de evento na manhã desta terça-feira (30) no centro de exposições do Anhembi, zona norte de São Paulo.
(Foto: Fabricio Bomjardim)

A Campus chegou no Brasil em 2008, tendo o município de São Paulo* como a sua sede. São Paulo é a maior cidade país** e concentra o maior volume de turismo de negócios e tecnologia da América Latina. Nesta semana da Campus Party (agora, entre 30 de janeiro e 4 de fevereiro), alguns milhares de brasileiros e cidadãos de outros países visitarão a Capital paulistana para participar do evento, o qual está dentro do calendário turístico municipal e sua permanência vem sendo defendida com todos os recursos possíveis, a fim de manter a cidade como uma referência cultural do Brasil, ressaltando-se ainda que, atualmente, a Capital paulistana é a que mais concentra eventos geeks*** e de tecnologia da América do Sul.

Embora aparente ser um evento voltado apenas para a comunidade geek***, a Campus vai além, pois promove outro tipo de Relações Internacionais, fora dos tradicionais campos de diplomacia ou segurança, realizando a troca de tecnologias e desenvolvimento criativo, e propiciando cooperação.

Como vem sendo observado in loco, em eventos como este é ressaltado o potencial criativo de brasileiros e de outros sul-americanos, além de ficar perceptível a falta de recursos para permitir que a criatividade existente possa ser colocada em prática, bem como perceptíveis as falhas institucionais, como a demora para a liberação de patentes no Brasil.

A cada duas mesas com jovens geeks e seus computadores poderosos em acessórios e hardwares, um gênio pode estar criando programas de computador e jogos eletrônicos, os quais, muitas vezes, não saem do Centro de Exposições do Anhembi, lugar em que está ocorrendo.

O objetivo deste evento é promover a tecnologia ao público comum; a interação entre jovens, engenheiros e programadores; a inovação e o empreendedorismo em geral. Por isso, o acontecimento vem atraindo cada vez mais empresas e visitantes, tendo uma área aberta gratuita ao público geral e outra destinada apenas para os que ali estão acampados e tem acesso a palestras exclusivas, com grandes nomes internacionais da tecnologia.

SAO PAULO, SP – 30.01.2018 – CAMPUS-PARTY – Vista da Campus Party em seu primeiro dia de evento na manhã desta terça-feira (30) no centro de exposições do Anhembi, zona norte de São Paulo.
(Foto: Fabricio Bomjardim)

A cada ano o intento está sendo mais concretizado, ocorrendo a presença da imprensa internacional e a divulgação de toda a tecnologia empregada no evento. Por isso, ele se torna uma grande vitrine e um laboratório para importantes testes, como o da Telebrás e o Use Telecom, com internet de 40GBps, ultrarrápida, e o da Ford Motors, que além de expor seus veículos com tecnologia de ponta, abre portas para os jovens geeks locais exporem suas ideias e opiniões acerca da atual tecnologia automotiva existente. É um espaço que está se tornando num importante brainstorming, com grande potencial no futuro global.

O CEIRI e o CEIRI NEWSPAPER (CNP) estão presentes nesse relevante evento, acompanhando o que de mais importante acontece. O portal CNP é um dos maiores portais independentes exclusivamente de Relações Internacionais do país e existe a consciência de que as relações internacionais vão além da política internacional, sendo esta uma de suas dimensões, não se reduzindo a ela. Além disso, o próprio portal faz parte deste universo tecnológico, utilizando da tecnologia voltada para a difusão da informação através da web.

Com o mundo cada vez mais globalizado, dentro da Campus Party existe a possibilidade de ver de forma privilegiada aspectos da mecânica da globalização, em um dos seus principais pontos, a difusão de informações, além de poder ser observado de perto a atuação desses engenheiros que fazem evoluir os principais meios tecnológicos para a comunicação global.

———————————————————————————————–                     

Nota:

* A cidade de São Paulo é a capital do Estado de São Paulo, uma das unidades federativas do Brasil.

** Segundo o último censo (2010), apresenta a população de 11.253.503 e tem a estimativa populacional para 2017 de 12.106.920 habitantes.

** Gíria inglesa que se refere a fãs de tecnologia.

———————————————————————————————–                     

Fontes das Imagens:                                                                                                                

Imagem 1 Foto em perspectiva próxima das barracas” (Fonte – Fabrício Bomjardim):

Fotografias realizadas pelo autor no local

Imagem 2 Foto em perspectiva de média distância das barracas” (Fonte – Fabrício Bomjardim):

Fotografias realizadas pelo autor no local

Imagem 3 Foto em perspectiva de longa distância das barracas” (Fonte – Fabrício Bomjardim):

Fotografias realizadas pelo autor no local