ANÁLISES DE CONJUNTURAÁSIA

Entendendo os atritos triangulares no leste asiático

Algum tempo após o fim da “Segunda Guerra Mundial” (1939-1945) o Japão se deparou com os novos desafios de exercer sua soberania sobre territórios no leste e no sudoeste do continente asiático. O cenário internacional lhe era favorável naquele momento, mas, hoje, ele se inverteu se o compararmos com algumas décadas anteriores. Além dessa contextualização de momentos históricos, também se mostra necessário apresentar os fatos que precedem as duas “Grandes Guerras Mundiais” para possibilitar a compreensão do que se passa na região atualmente.

NOTAS ANALÍTICAS

Coreia do Sul e Costa Rica negociando “Livre Comércio”

O presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, e a presidente costarriquenha, Laura Chinchilla Miranda, finalizaram  Acordos de Segurança, de “Crescimento Verde” e já estão definindo as bases da negociação do “Livre Comércio Costa Rica – Coreia do Sul”.

A Presidenta latino-americana chegou neste final de semana em Seul, sendo a primeira líder costarriquenha a visitar o país asiático em 11 anos. Sua chegada foi importante para comemorar os 50 anos de relações diplomáticas entre os dois Estados e para trabalharem em prol do desenvolvimento econômico neste momento de crise econômica internacional.

NOTAS ANALÍTICAS

Mahindra investirá no “Rio Grande do Sul”

A empresa indiana especializada na fabricação de veículos pesados e utilitários, comunicou seu interesse em abrir uma fábrica de tratores na cidade de “Dois Irmãos”, Estado do “Rio Grande do Sul” – Brasil.

Segundo informações da empresa, o investimento poderá ser de até 50 milhões de dólares. “Iniciamos a operação em um galpão já existente, onde produziremos em torno de mil unidades por ano e, na segunda fase, produziremos entre 5 mil e 8 mil unidades por ano. Nossos planos contemplam expansões adicionais no Brasil, pois sabemos que a aceitação no mercado será muito positiva”*, revela Eduard Roosli, CEO da Bramont, empresa responsável pela marca no País, citado pelo “Jornal do Comércio”.

NOTAS ANALÍTICAS

O Japão atual ainda resolve os seus problemas imperiais

Durante a “Era do Japão Imperial”, muitos territórios do leste ao sudeste e sul do continente asiático viveram sob domínio japonês, um poderio que se encerrou ao final da “II Grande Guerra”, em 1945.

Embora vários territórios tenham sido devolvidos aos Estados originários, alguns permaneceram sob soberania japonesa e outros passaram a ser administrados pelas demais potências mundiais. Até o momento, vários deles têm gerado grandes preocupações a Tókio e afetam diretamente a estabilidade da região. Ao norte do seu território, o Japão (Nihon) disputa a soberania de ilhas com a Rússia. Ao sul, ele disputa áreas com a China, com Taiwan e com outros países do sudeste asiático.

AMÉRICA LATINAANÁLISES DE CONJUNTURA

Até quando o Brasil será atraente para os investidores estrangeiros?

No mercado internacional, quando se pensa em Brasil, China e em alguns países africanos, emergem as ideias “crescimento” e “mercado aquecido” para determinados setores. Porém, na atualidade, também vem aparecendo a pergunta: até quando o mercado brasileiro será atrativo para receber novos investimentos estrangeiros?

Até no ano de 2011, os setores de consumo eram os que mais chamavam a atenção de investidores internos e do exterior e este mercado nos últimos anos foi dominado pela facilidade de acesso e aumento de consumo da população das classes B, C e D. Porém, o mesmo mercado que atraia investimentos, neste momento pode ser o que deixa indecisos os futuros investidores.  As dúvidas sobre o futuro econômico do país estão vinculadas às taxas de desemprego, aos juros e impostos e a dificuldade que alguns investidores se deparam quando tentam abrir negócios no Brasil.

ESPORTE

Brasil 2016

Há cerca de quatro décadas, em todos os grandes eventos esportivos no mundo se via a presença forte dos Estados Unidos e de países europeus que sofriam concorrência da extinta União Soviética e, logo depois, da sua herdeira imediata e mais expressiva, a Rússia.

Hoje, tem-se uma grande modificação com o despertar da China.  O país que se destaca entre as grandes nações na economia e na política, agora também está atuando soberanamente nos esportes olímpicos.

Desde o ano de 2001, quando sua economia começou a se desenvolver de forma rápida, o país investiu mais nos esportes. Para a China, tudo que puder ser utilizado como um “outdoor” de sua grandeza terá o investimento necessário, por isso a potência econômica se tornou uma referência em algumas modalidades esportivas.