ÁFRICAÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Gana fecha acordo com China sobre bauxita, de aproximadamente 8 bilhões de reais

Gana fechou um acordo de 2 bilhões de dólares (aproximadamente 8,3 bilhões de reais, segundo a cotação de 22 de novembro de 2019) com a China, no qual, o país asiático construirá estradas e pontes em troca de bauxita do país. Pequimlançou o primeiro pacote de fundos no valor de 649 milhões de dólares (aproximadamente 2,7 bilhões de reais, também conforme a cotação de 22 de novembro de 2019), afirmou o Vice-Presidente de Gana, Mahamudu Bawumia, na segunda-feira (11 de novembro de 2019), informa o jornal South China Morning Post.

O acordo incluiu um empréstimo de 42,7 milhões de dólares (aproximadamente 179,1 milhões de reais, na cotação de 22 de novembro de 2019) e o perdão de uma dívida no valor de 35,7 milhões de dólares (em torno de 149,8 milhões de reais, ainda conforme com a cotação de 22 de novembro de 2019), para auxiliar o desenvolvimento da infraestrutura de Gana. Os chineses também ajudarão a aperfeiçoar as habilidades dos trabalhadores ganeses por meio de cursos vocacionais e de capacitação técnica, declarou Bawumia.

Após conversas com o Vice-Primeiro-Ministro chinês, Sun Chunlan, em Accra, capital do Gana, Bawumia apontou que quatro projetos de construção de estradas sob a primeira fase do acordo foram sancionados pela China Export e pelo Credit Insurance Corporation, conhecida como Sinosure. O Vice-Presidente ganês indicou: “Esperamos que o restante [da verba] venha até março de 2020”.O Presidente de Gana, Nana Akufo-Addo, destacou: “Esperamos que os outros seis projetos, que estavam sendo avaliados pela Sinosure, sejam aprovados até o final do ano [2019]”.

O Vice-Presidente de Gana, Mahamudu Bawumia

A China é o maior importador de minerais africanos e investiu bilhões de dólares em operações de mineração em todo o continente. Suas principais importações de Gana abrangem petróleo bruto, minério de alumínio, manganês e madeira bruta no valor de 2,4 bilhões de dólares por ano (próximos de 10 bilhões de reais, conforme a cotação de 22 de novembro de 2019), de acordo com um estudo da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, nos Estados Unidos.

Pequim exportou 4,8 bilhões de dólares (aproximadamente 20 bilhões de reais, ainda na mesma cotação) em eletrônicos, máquinas, têxteis, produtos químicos, plásticos e borracha para Gana em 2018, segundo o estudo. Entre 2000 e 2017, a China concedeu mais de 143 bilhões de dólares (quase 600 bilhões de reais, também nesta cotação) em empréstimos a projetos de infraestrutura africanos, mais do que qualquer outro país, de acordo com a pesquisa.

Guiné e a China assinaram um acordo em 2017 envolvendo 20 bilhões de dólares (em torno de 83,9 bilhões de reais, ainda de acordo com a cotação de 22 de novembro de 2019) em empréstimos durante 20 anos em troca de bauxita. O país asiático tem acordos semelhantes com a República Democrática do Congo, a República do Congo e Angola.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Embaixada da República de Gana em Pequim” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?sort=relevance&search=Ghana+Beijing&title=Special:Search&profile=advanced&fulltext=1&advancedSearch-current=%7B%7D&ns0=1&ns6=1&ns12=1&ns14=1&ns100=1&ns106=1&searchToken=wcl8uctr57x60ki2as2uaez2#%2Fmedia%2FFile%3AGhanian_Embassy_in_Beijing.JPG

Imagem 2O VicePresidente de Gana, Mahamudu Bawumia” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?sort=relevance&search=Bawumia&title=Special%3ASearch&profile=advanced&fulltext=1&advancedSearch-current=%7B%7D&ns0=1&ns6=1&ns12=1&ns14=1&ns100=1&ns106=1#/media/File:TDB_64th_Session_Wednesday_13_Sept.-Morning-(37034258966).jpg

FÓRUNS INTERNACIONAISNOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

“A China cada vez mais parte do futuro do Brasil”, afirma Jair Bolsonaro durante encontro com Xi Jinping

A China cada vez mais parte do futuro do Brasil”, afirmou o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, na quarta-feira (13 de novembro de 2019), sinalizando uma abordagem pragmática ao maior parceiro comercial do País. Ao lado do Presidente chinês, Xi Jinping, em Brasília, Bolsonaro declarou: “Mais do que ampliar, queremos diversificar nossas relações comerciais”, informa o jornal South China Morning Post.

Na ocasião, os dois Mandatários assinaram acordos nas áreas de transportes, serviços e investimentos, antes da Cúpula dos BRICS, realizada na capital brasileira (Brasília). Xi ecoou os sentimentos positivos, demonstrando expectativas para que os dois países “fortaleçam o multilateralismo e construam uma economia mundial aberta”.

Líderes dos BRICS no Ministério das Relações Exteriores, em Brasília

O encontro deles, o segundo em dois meses, foi um dos vários realizados durante a reunião anual dos BRICS, que se concentrou no crescimento econômico e na inovação. O presidente russo Vladimir Putin, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi e o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa estiveram presentes no encontro de dois dias (13 e 14 de novembro de 2019).

A Cúpula dos BRICS é a primeira vez na qual Bolsonaro sedia um grande encontro internacional desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2019. Luís Fernandes, do BRICS Policy Center, no Rio de Janeiro, fazendo menção ao alinhamento da política externa brasileira aos Estados Unidos, nota que “o evento poderia fornecer cobertura para Bolsonaro falar com Xi sem parecer desleal a Trump”.

O Presidente brasileiro rompeu a tradição na Cúpula deste ano (2019), ao não realizar a reunião do “BRICS Plus”, que permite que os cinco membros se encontrem com os países vizinhos do anfitrião.   

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 O Presidente da China, Xi Jinping, durante o encontro com o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em Brasília” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/wiki/File:2019_Cerimônia_de_Encerramento_do_Fórum_Empresarial_do_BRICS_-_49062005877.jpg

Imagem 2 Líderes dos BRICS no Ministério das Relações Exteriores, em Brasília”(Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?title=Special:Search&limit=20&offset=20&profile=default&search=BRICS+brasilia&advancedSearch-current={}&ns0=1&ns6=1&ns12=1&ns14=1&ns100=1&ns106=1#/media/File:2019_Foto_de_Família_Lideres_do_BRICS_-_49064551007.jpg

AMÉRICA DO NORTEÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Rivalidade estratégica entre a China e os Estados Unidos marcará a Cúpula do Leste da Ásia

A ausência de um oficial americano de alto escalão no fórum regional na Tailândia não deve ser considerada como uma distensão da rivalidade estratégica entre Washington e Pequim, apontam analistas. A Cúpula do Leste da Ásia, que ocorre por dois dias, começou com reuniões preliminares em Bangkok, no domingo (3 de novembro de 2019), e o principal evento ocorreu hoje, no dia seguinte (4 de novembro de 2019), em Nonthaburi, uma cidade a 20 quilômetros ao norte da capital tailandesa, relata o jornal South China Morning Post.

Enquanto se esperava a presença do Primeiro-Ministro da China, Li Keqiang, do Primeiro-Ministro do Japão, Shinzo Abe, e do Primeiro-Ministro da Índia, Narendra Modi, a delegação estadunidense é chefiada pelo novo Conselheiro de Segurança Nacional, Robert O’Brien, e pelo Secretário de Comércio, Wilbur Ross. “A presença de oficiais americanos de escalões relativamente baixos pode ser interpretada como um sinal de que a atenção do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para a região está diminuindo”, observa Xu Liping, professor do Instituto de Estudos da Ásia-Pacífico na Academia Chinesa de Ciências Sociais. E completou: “Mas, isso não quer dizer que a contenda pelo poder entre a China e os Estados Unidos está em declínio. É provável que sua rivalidade esteja presente ao longo da Cúpula”.

Caças americanos no Mar do Sul da China

A Cúpula do Leste da Ásia é um encontro anual entre os líderes dos 10 Estados-membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e de representantes da China, dos Estados Unidos, da Rússia, do Japão, da Índia, da Coreia do Sul e da Austrália. Este ano (2019) é o primeiro, desde a adesão dos Estados Unidos ao evento, em 2011, em que o país não será representado por um Ministro sênior, apesar do fato de as tensões estratégicas entre Washington e Pequim estarem particularmente elevadas no Mar do Sul da China, devido ao aumento da presença chinesa na região.

Na quinta-feira (31 de outubro de 2019), David Stilwell, Secretário de Estado Assistente para o Leste da Ásia e o Pacífico, dos Estados Unidos, declarou que “os membros da ASEAN devem trabalhar juntos para resistir às tentativas de Pequim de militarizar o Mar do Sul da China”.Um dia antes (30 de outubro de 2019), o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, afirmou que “os Estados Unidos devem fazer mais quando a China ameaça seus vizinhos, como o Vietnã e as Filipinas, e quando ela clama por todo o Mar do Sul da China”.

Collin Koh, pesquisador do Instituto de Defesa e Estudos Estratégicos de Cingapura, atentou: “Enquanto a questão do Mar do Sul da China pode vir a ser discutida durante a Cúpula, é improvável que ocorram quaisquer tensões sérias entre os dois países”. Já Xu Liping afirmou que é mais plausível que Pequim enfrente uma forte oposição vinda de Hanói. Segundo ele: “É provável que o Vietnã use a sua posição de presidente da Cúpula do Leste da Ásia para avançar a sua agenda, e como ele foi eleito como membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para o período 2020-2021, é provável que o país procure aumentar a sua influência internacional e tome maiores iniciativas em relação à questão do Mar do Sul da China”.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Encontro da Cúpula do Leste da Ásia (2015)” (Fonte): https://commons.m.wikimedia.org/wiki/File:A_session_of_the_10th_East_Asia_Summit_(EAS).png

Imagem 2 Caças americanos no Mar do Sul da China”(Fonte): https://commons.m.wikimedia.org/wiki/Category:South_China_Sea#/media/File%3A110629-M-KA277-089_(5905856284).jpg

AMÉRICA LATINAÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Bolsonaro visita Pequim, mas não dá sinais de que o Brasil ingressará na Iniciativa do Cinturão e Rota

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro se encontrou com o seu congênere chinês, Xi Jinping, em Pequim, na sexta-feira (25 de outubro de 2019). Na ocasião, ambos os lados se comprometeram a melhorar o investimento bilateral, mas não houve comprometimento da parte do Brasil em relação ao ingresso na Iniciativa do Cinturão e Rota, informa o jornal South China Morning Post.

Xi afirmou para Bolsonaro que “a China e o Brasil devem continuar a apoiar o desenvolvimento mútuo, dar prioridade ao desenvolvimento de relações diplomáticas e avançar sua ‘parceria estratégica compreensiva’”. Ambos os líderes reconheceram que a Iniciativa do Cinturão e Rota “pode vir a ser integrada” às iniciativas brasileiras de desenvolvimento. Contudo, Brasília não realizou um comprometimento claro de que ingressará no ambicioso projeto de infraestrutura promovido por Pequim.

Em um fórum na sexta-feira (25 de outubro de 2019), Bolsonaro apontou que “China e Brasil nasceram para caminhar juntos” e asseverou: “Estamos alinhados em mais coisas além da questão comercial”. Durante o evento, o Vice-Primeiro-Ministro da China, Hu Chunhua, declarou que a China deseja aumentar suas importações de bens industriais e agrícolas do Brasil, e que os dois países podem aprofundar a cooperação em áreas como a de infraestrutura. Em novembro de 2019, Xi Jinping participará do Fórum Econômico da Ásia-Pacífico, no Chile, e espera-se que o Presidente chinês também visite o Brasil para o encontro anual da Cúpula do BRICS, em Brasília.

Plantação de soja no Mato Grosso

A China tem figurado como o maior parceiro comercial do Brasil por uma década e é sua principal fonte de investimento externo. O comércio entre as duas nações atingiu a marca dos 100 bilhões de dólares em 2018 (aproximadamente 400,4 bilhões de reais, de acordo com a cotação de 25 de outubro de 2019), e a China é o maior importador de produtos brasileiros, principalmente commodities, como soja, algodão e milho. Há a expectativa de que o Brasil venda mais soja para a China devido à guerra comercial entre Washington e Pequim, e o país espera aumentar suas exportações de carne processada para a China, enquanto a nação asiática lida com os efeitos devastadores da epidemia de febre suína africana.

A viagem de três dias de Bolsonaro ao país marcou o 45º aniversário de relações diplomáticas entre os dois Estados. Analistas observam que a viagem de Bolsonaro teve a função de remediar os efeitos de suas declarações acerca dos investimentos chineses no Brasil, realizadas durante a campanha presidencial de 2018. À época, Bolsonaro afirmou que “Os chineses não estão comprando no Brasil. Eles estão comprando o Brasil”. A pesquisadora brasileira Karin Costa Vazquez, do Centro de Estudos sobre BRICS, da Universidade Fudan, em Xangai, aponta: “Os diversos desentendimentos criados em relação à China no começo do governo Bolsonaro são um reflexo de um problema estrutural do Brasil: a nossa visão de mundo eurocêntrica”. E indica: “Nós temos uma visão ultrapassada e estigmatizada sobre a China…Teremos que esperar e ver como se desenvolverá a Cúpula do BRICS em novembro”.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 O Presidente Jair Bolsonaro se encontra com o Presidente da China, Xi Jinping, em Pequim” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?search=BOLSONARO+XI&title=Special%3ASearch&go=Go&ns0=1&ns6=1&ns12=1&ns14=1&ns100=1&ns106=1#/media/File:Bolsonaro_Xi_Jinping_China_2019.jpg

Imagem 2 Plantação de soja no Mato Grosso”(Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?search=SOJA+MATO+GROSSO&title=Special%3ASearch&go=Go&ns0=1&ns6=1&ns12=1&ns14=1&ns100=1&ns106=1#/media/File:Ronodonópolis_colheita_soja_(Roosevelt_Pinheiro)_28mar09.jpg

ÁSIAEURÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Rússia compete com China por influência no Sudeste Asiático

Entre os dias 2 e 5 de outubro de 2019, o Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, esteve na Rússia, como convidado de honra para participar do Clube de Discussão Valdai, fórum global no qual o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, expressa suas ideias relativas à política externa. Duterte também foi levado em um tour pelo Kremlin e recebeu um título honorário. Os Mandatários filipino e russo concordaram em fortalecer os laços de defesa e comércio, e Duterte pediu para as empresas russas investirem em ferrovias e infraestrutura de transporte nas Filipinas como parte do seu programa “Construir, Construir, Construir”, que visa incentivar o crescimento do país, informa o jornal South China Morning Post.

A viagem de Duterte foi apenas uma das várias visitas de Chefes de Estado de países do Sudeste Asiático à Rússia, que ocorrem em meio aos esforços de Moscou em fortalecer os laços com a região. Desde o ano 2000, a Rússia tem procurado se engajar com a região de forma bilateral e por meio de diversos fóruns, como a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e a Organização para Cooperação de Xangai (SCO).

Contudo, a visita de Putin à Cingapura em novembro de 2018 indicou que Moscou passou a se focar na região. Na ocasião, Putin participou pela primeira vez da Cúpula do Leste da Ásia (EAS), encontro anual que reúne os líderes dos países da ASEAN e de oito Estados parceiros. Após o evento, a ASEAN assinou um memorando para aumentar o comércio com o corpo executivo da União Econômica Eurasiática, que é capitaneada pela Rússia.

Mapa dos países do Sudeste Asiático

Em maio de 2019, o Primeiro-Ministro vietnamita, Nguyen Xuan Phuc, visitou Moscou para celebrar os 70 anos de laços diplomáticos entre a Rússia e o Vietnã, e, em setembro de 2019, o Primeiro-Ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, viajou à Vladivostok para participar do Fórum Econômico do Oriente, uma plataforma anual que o Governo russo utiliza para atrair investimentos para as suas províncias na Ásia e no Ártico. Em outubro de 2019, o governo de Cingapura assinou um Tratado de Livre-Comércio com a União Econômica Eurasiática.

Analistas dizem que os esforços da Rússia para construir vínculos em toda a região fazem parte de sua política de diversificação, pois aumenta o comércio e fortalece sua economia, que é a 12ª maior do mundo, alcançando a marca de 1,6 trilhão de dólares (pouco mais de 6,57 trilhões de reais, de acordo com a cotação de 11 de outubro de 2019), de acordo com o Fundo Monetário Internacional. A pesquisadora Sharana Rajiv, da Carnegie India, de Nova Délhi, destaca: “O foco da Rússia no Leste marca uma mudança do foco no lado europeu das fronteiras da Rússia. Moscou reconhece que não pode ter um interior pouco desenvolvido na fronteira com a Ásia”. A estratégia de engajamento russo na região inspirou-se no modelo chinês, que opta por uma posição de não-interferência nos assuntos domésticos das nações parceiras e que visa a promoção de comércio, investimento e venda de armamentos e recursos energéticos sem a imposição de uma ideologia.

Contudo, a China ainda possui uma influência maior no Sudeste Asiático, exatamente pelo fato de a região se encontrar no seu entorno estratégico. Moscou ainda não é capaz de substituir e nem de concorrer com Pequim no que concerne ao fornecimento de uma ampla variedade de bens, serviços e tecnologia às nações da região. Além disso, a China exerce grande pressão no campo da segurança regional, devido aos seus esforços no processo de militarização do Mar do Sul da China, o que acaba causando litígios territoriais com os estados da ASEAN. Segundo o pesquisador da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, Dmitry Gorenburg, “existe um grande ceticismo entre os países do Sudeste Asiático acerca da capacidade da Rússia defender seus interesses frente à China, o que faz com que eles evitem uma aproximação demasiadamente forte de Moscou em assuntos de defesa”.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, encontra-se com o Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?search=DUTERTE+PUTIN&title=Special:Search&go=Go&ns0=1&ns6=1&ns12=1&ns14=1&ns100=1&ns106=1&searchToken=9w737czph8rm9qrfdi8b0suk8#%2Fmedia%2FFile%3ARodrigo_Duterte_with_Vladimir_Putin%2C_2016-01.jpg

Imagem 2 Mapa dos países do Sudeste Asiático”(Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?sort=relevance&search=ASEAN&title=Special%3ASearch&profile=advanced&fulltext=1&advancedSearch-current=%7B%7D&ns0=1&ns6=1&ns12=1&ns14=1&ns100=1&ns106=1#/media/File:ASEAN-PT.JPG

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Cientistas chineses criam grão de soja que tornará o país mais resiliente durante guerra comercial

Uma nova espécie híbrida de soja pode ajudar a China a arcar com os custos mais altos de sua importação durante a guerra comercial com os Estados Unidos, informa o jornal South China Morning Post.

Os testes com um grão de soja na Região Autônoma de Xinjiang, no oeste da China, alcançaram um rendimento recorde depois que cientistas do nordeste do país criaram uma espécie híbrida que produz favas extras e é mais resistente a intempéries. Essa nova variedade de soja, chamada de Henong-71­,produz quatro vezes a quantidade média produzida pela soja plantada na China.

As importações da planta dos Estados Unidos caíram depois que Pequim aplicou tarifas punitivas de 25% sobre a soja americana, em julho de 2018. Isso forçou a China, o maior consumidor de soja do mundo, a comprar de outros países e a aumentar a produção doméstica. O país importou 88 milhões de toneladas do grão no ano de 2018. 

Plantação de soja na Carolina do Sul, nos Estados Unidos

O plantio de transgênicos é ilegal em território chinês, então os pesquisadores do Instituto de Geografia e Agroecologia do Nordeste, em Changchun, foram obrigados a encontrar formas alternativas de aumentar a produtividade e reduzir os custos. Uma equipe liderada pelos professores Guo Tai e Feng Xianzhong criou várias novas espécies híbridas domesticadas e selvagens, e depois colocou as sementes em uma câmara radioativa para acelerar a mutação que ocorre na luz solar.

Ao contrário das espécies transgênicas, essa soja não contém genes artificiais, mas os pesquisadores selecionaram e aumentaram os genes que já possuíam para melhorar o rendimento e aprimorar características específicas, como fortalecer a haste da planta para ajudá-la a prosperar em condições de vento.

O Henong-71, que cultivou um número maior de vagens e ramos do que as espécies existentes, e resistiu a ventos mais fortes, foi o híbrido com o melhor desempenho até agora. As sementes dessa variedade produziram 6,7 toneladas por hectare enquanto o rendimento médio nos Estados Unidos é de cerca de três toneladas por hectare.

Existe a possibilidade de que essa novidade também afete o Brasil, pois o país asiático figura como o principal mercado consumidor da soja brasileira. A China importou 27,6 milhões de toneladas de soja do Brasil apenas no primeiro quadrimestre de 2019. Contudo, a produtividade média da soja brasileira é de 3,3 toneladas por hectare. Assim, o Brasil precisará investir em desenvolvimento agrícola e biotecnologia para garantir a sua atual fatia do mercado chinês, frente à competitividade da variedade Henong-71.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Grãos de soja” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?sort=relevance&search=soybean+china&title=Special:Search&profile=advanced&fulltext=1&advancedSearch-current=%7B%7D&ns0=1&ns6=1&ns12=1&ns14=1&ns100=1&ns106=1#/media/File:Soybeans_(30182217494).jpg

Imagem 2 Plantação de soja na Carolina do Sul, nos Estados Unidos”(Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?sort=relevance&search=soybean&title=Special:Search&profile=advanced&fulltext=1&advancedSearch-current=%7B%7D&ns0=1&ns6=1&ns12=1&ns14=1&ns100=1&ns106=1#/media/File:Soybean_1292.JPG