fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

Brasil-China: relações bilionárias

As relações Brasil-China constituem-se sempre num grande desafio para as análises de economistas de ambos países e do mundo. Enquanto muitos discutem o futuro comercial dos dois Estados, o encontro entre brasileiros e chineses paralelamente a “Rio+20” rendeu Acordos bilionários.

 

Ambos decidiram criar um “swap” recíproco, equivalente a US$ 30 bilhões em suas moedas locais (R$ 60 bilhões e 190 bilhões de Yuans). Esse Acordo vai ser necessário para quem superem as dificuldades de financiamento existentes graças à turbulência no mercado internacional.

De acordo com o “Ministro da Fazenda” brasileiro, Guido Mantega, “Com a falta de crédito internacional, teremos crédito para apoiar as nossas transações”*. O mesmo informa que ainda neste mês, essa decisão já será posta em prática.

Além do Acordo na “área financeira”, o encontro entre a presidenta Dilma Rousseff e o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, também rendeu frutos positivos para a empresa brasileira Embraer. Ela conseguiu a autorização necessária para que possa viabilizar sua fábrica em Harbin, na China.

A empresa poderá atuar no mercado chinês com seus aviões executivos Legacy, o mesmo adquirido pelo ator chinês, Jackie Chan, importante garoto propaganda para o Governo e para a sociedade chinesa.

O anúncio representa mais um marco no compromisso de longo prazo da Embraer com a China”*, disse, por meio de nota, o diretor-presidente da Embraer, Frederico Curado. o presidente da Avic, Tan Ruisong, complementarmente, afirmou: “A concretização da cooperação China-Brasil é produto dos esforços conjuntos de líderes governamentais e da indústria do setor”*.

Estes, além de outros compromissos acertados entre Brasília e Beijing mantêm ativas e sólidas as relações sino-brasileiras e deixam muitas economias a mercê deles para poderem traçar linhas de riscos em suas estratégias.

—————

Fontes:

* Ver:

http://economia.ig.com.br/empresas/industria/2012-06-22/embraer-conseguira-reativar-fabrica-na-china.html

Ver também:

http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRSPE85L00620120622

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!