fbpx
ÁFRICAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Brasil e Angola: reforços ao comércio bilateral

O Brasil buscará intensificar as trocas comercias com Angola com vistas a retomar a marca atingida no início do século XXI, que totalizou 4 bilhões de dólares. Entre os anos de 2002 e 2008, as relações comercias bilaterais cresceram mais de vinte vezes com a expressiva participação de empresas brasileiras no setor de construção civil.

Bandeira do Brasil

No período supracitado, também se intensificou os programas de cooperação por meio da assinatura do Acordo de Parceria Estratégica, que traçou as bases das relações políticas e econômicas. Entretanto, nos anos seguintes, mais especificamente entre os anos de 2014 e 2015, em decorrência da queda do preço do petróleo e seus impactos na economia angolana, ocorreu a queda no valor das importações angolanas, chegando a 650 milhões de dólares, aproximadamente.

O Embaixador brasileiro em Luanda, Paulino de Carvalho Neto, destacou a necessidade de diversificar as relações econômicas com a Angola. Além do incentivo às importações e exportações, também será visada a ampliação dos investimentos no país parceiro em áreas como o agronegócio, pecuária e processamento de alimentos. Em complemento, o Embaixador evidenciou que nos últimos vinte anos o Brasil já financiou aproximadamente 3 bilhões de dólares em projetos com Angola.

Bandeira de Angola

Os efeitos da relação do país com a exportação de petróleo é uma pauta importante, uma vez que representa 95% das exportações totais e metade do Produto Interno Bruto nacional. Durante o período de crise, em decorrência da queda do preço do hidrocarboneto, o Investimento Direto Estrangeiro caiu em aproximadamente 70%, representando 5 bilhões de dólares. Cabe apontar que estes investimentos incluem, além dos recursos estrangeiros, as receitas do petróleo reinvestidas – cujas quedas representam a diminuição de investimentos em setores relevantes para o desenvolvimento do país.

João Lourenço, Chefe de Estado angolano, tem buscado em seu mandato desenvolver estratégias para a diversificação econômica e aposta na cooperação como forma de desenvolver suas capacidades em outros setores, com ênfase no setor agrário, do mesmo modo que a atração de novos investidores se faz importante, algo para o qual tem buscado restabelecer a credibilidade das Instituições angolanas, visando a captação de investimentos necessários para a realização dos projetos nacionais.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Localização de Angola (verde) e Brasil (laranja)” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Rela%C3%A7%C3%B5es_entre_Angola_e_Brasil#/media/File:Angola_Brazil_Locator.png

Imagem 2 Bandeira do Brasil” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Brasil#/media/File:Flag_of_Brazil.svg

Imagem 3 Bandeira de Angola” (Fonte):

http://flags.fmcdn.net/data/flags/w580/ao.png

About author

Bacharela em Relações Internacionais pela Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). Dentre as áreas de interesse encontram-se Cooperação Técnica Internacional e Segurança Internacional. Como colaboradora do CEIRI Newspaper escreve sobre o continente africano, mas especificamente os países de língua portuguesa.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!