fbpx
AMÉRICA LATINAANÁLISES DE CONJUNTURAORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL

Brasil é reeleito para o “Comitê Organizacional da Comissão de Construção da Paz da ONU”

De acordo com um comunicado de imprensa enviado pelo “Itamaraty” ao “CEIRI NEWSPAPER”, o Brasil foi reeleito no dia 24 de dezembro para novo mandato de dois anos no “Comitê Organizacional” (CO) da Comissão de Construção da Paz” (CCP) das “Nações Unidas” (ONU)*. O Brasil é membro do Comitê desde o início de suas atividades.

O Brasil é membro do CO desde que em 20 de dezembro de 2005 a “Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU)” criou o colegiado, composto** por sete nações escolhidas pelo “Conselho de Segurança” (China, Colômbia, França, Marrocos, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos); sete países eleitos pelo “Conselho Econômico e Social” (Egito, Chile, República da Coreia, Ruanda, Espanha, Ucrânia e Zâmbia); cinco dos principais contribuintes para os orçamentos das “Nações Unidas” (Canadá, Holanda, Japão, Noruega e Suécia); cinco dos principais fornecedores de militares para as missões da ONU (Bangladesh, Índia, Nepal, Nigéria e Paquistão) e sete membros eleitos pela “Assembleia geral da ONU” (Brasil, Benin, Croácia, Indonésia, El Salvador, Tunísia e Uruguai.

O CCP opera em três configurações principais para canalizar os recursos à disposição da comunidade internacional e propor estratégias integradas para a consolidação da paz nos países que se recuperam de situações de conflito:

1.     Comitê Organizacional:  tem como objetivo definir o programa de trabalho da Comissão, que inclui o calendário a médio prazo para a execução das diversas atividades de amplo espectro da Comissão, e o desenvolvimento de estratégias integradas para a consolidação da paz;

2.     Países de Configurações Específicas (Burundi, República CentroAfricana, Guiné, Guiné-Bissau, Libéria e Serra Leoa): ocupa-se de situações específicas cujo centro de atenção está em determinados países e tem como função colocar em contato os participantes de Nova York com os associados mediante videoconferências (reuniões oficiais);

3.     Grupo de Trabalho sobre Lições Aprendidas: tem como função extrair ensinamentos a partir das experiências nacionais e internacionais em intervenções posteriores aos conflitos.

Após o anúncio da reeleição do Brasil para novo mandato de dois anos no CO, foi divulgado*** que o Exército brasileiro gastou, de abril de 2004 a novembro deste ano (2012), R$ 1,892 bilhão na manutenção da tropa no Haiti. Desse total, a ONU reembolsou R$ 556,5 milhões para o “Tesouro Nacional”. Na prática, um gasto de R$ 1,3 bilhão líquido em recursos.

Atualmente, o Brasil mantém 1.910 homens das “Forças Armadas na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti” (Minustah) sem previsão para deixar o país. Grande parte do contingente brasileiro é do Exército. Ainda há militares da Aeronáutica (30 homens da “Força Aérea Brasileira”) e da Marinha (200 fuzileiros navais).

O Governo brasileiro do ano de 2004 justificou que a participação na “Missão de Paz” da ONU era uma forma de garantir um assento permanente do Brasil no “Conselho de Segurança”, o que não ocorreu.

O “Conselho de Segurança” é o órgão da ONU responsável por zelar pela paz internacional e a participação nesse Conselho pressupõe grandes responsabilidades, com amplos custos, o que traz como conseqüência gastos proporcionais para o Estado brasileiro cumprir um papel de protagonista das relações internacionais.

—————————————————-

Fontes Consultadas:

* Ver:

http://www.un.org/en/peacebuilding

** Ver:

http://www.un.org/es/peacebuilding/orgcommittee.shtml

*** Ver:

http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/missao-no-haiti-ja-custou-r-1-9-bi-ao-exercito

About author

Mestre em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Relações Internacionais, jornalista e Especialista em Cooperação Internacional. Atualmente é CEO do Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais (CEIRI) e Editora-Chefe do CEIRI NEWSPAPER. Vencedora de vários prêmios nacionais e internacionais da área dos Direitos Humanos. Já palestrou em várias cidades e órgãos de governo do Brasil e do Mundo sobre temas relacionados a profissionalização da área de Relações Internacionais, Paradiplomacia, Migrações, Tráfico de Seres Humanos e Tráfico de órgãos. Trabalhou na Coordenadoria de Convênios Internacionais da Secretaria Municipal do Trabalho de São Paulo e na Assessoria Técnica para Assuntos Internacionais da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Governo do Estado de SP. Atuou como Diretora Executiva Adjunta e Presidente do Comitê de Coordenação Internacional da Brazil, Russia, India, China, Sounth Africa Chamber for Promotion an Economic Development (BRICS-PED).
Related posts
AMÉRICA DO NORTEANÁLISES DE CONJUNTURAEURÁSIA

Rumos geopolíticos entre Rússia e EUA, após as eleições norte-americanas

ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURA

Movimento #EndSARS na Nigéria

ANÁLISES DE CONJUNTURAEUROPA

França, Europa e o apogeu da intolerância

ANÁLISES DE CONJUNTURAORIENTE MÉDIO

Após um ano de protestos populares e de sua própria renúncia, Hariri retorna ao posto de Premier no Líbano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!