fbpx

O mercado de consumo tecnológico no Brasil vem crescendo a cada ano, um crescimento muitas vezes vinculado ao aumento da nova classe média no país e também ao aumento ocorrido no poder de compra do consumidor brasileiro. Em um contexto global, onde diversos setores da indústria e do comércio se preocupam cada vez mais com a situação econômica do planeta, as grandes empresas de tecnologia mantêm seu constante crescimento sem sofrer com a desaceleração econômica mundial.

Recentemente, a Apple fez o lançamento de seu novo Smartphone, o Iphone 6, provocando a sua maior concorrente, a coreana Samsung, a investir em seu campeão de vendas global, a linha Galaxy. Em meio ao sucesso e recalls de ambas as empresas, a Google é quem, de longe, mantêm seu lucro maximizado e sem sofrer uma concorrência intimidadora.

A empresa, que é responsável pelo desenvolvimento do Sistema Operacional (OS – sigla em inglês) Android, tem seus produtos liderando as vendas no mundo, principalmente nos países chamados de BRICS. Enquanto fabricantes de Hardwares, Apple, Samsung, Motorola, entre outros, disputam na inovação e renovação de seus produtos, a Google se preocupa apenas com seus sistemas.

Segundo informações da GSMA Intelligence, baseados nos dados absolutos entre os anos de 2012 e 2013, a empresa decolou nas vendas globais e muito disso se deu graças ao número de consumidores no Brasil, Rússia, Índia e China. O Brasil lidera na América do Sul e  a China no continente asiático, pois, mesmo com a grande quantidade de OS alternativos baseados na plataforma da empresa americana, sua expansão no mundo parece imbatível.

Só nos países dos BRICS a empresa obteve mais de US$ 250 bilhões em receitas no ano de 2012 e não apresentou oscilações em 2013. Em 2014, segundo dados da Milward Brown AdReaction, o número de usuários de smartphones e tablets com sistemas da Google nestes países ultrapassam 798 pessoas por minuto.

Essas informações sobre o mercado de consumo em regiões específicas somadas da média global aquece o mundo do marketing digital, onde cada vez mais haverá empresas investindo em publicidade e propaganda em aplicativos (app), games entre outros meios de comunicação disponíveis nas plataformas móveis e, pela grande diferença de usuários dos sistemas Android contra os iOS da Apple no mundo, a empresa americana raramente se preocupará com o poder da concorrência.

Nas nações menos desenvolvidas, o custo x benefício de aparelhos com sistema da Google a faz manter simples políticas e atualizações de idiomas e apps específicos para elas, podendo garantir sua hegemonia, como é o caso, novamente, de todos os países que compões o grupo BRICS, grandes líderes de consumo de Apps Google no mundo.

Com base em diferentes pesquisas de entidades especializadas em tecnologia, entende-se que os países do BRICS estão um passo a frente no mercado móvel global, confirmando também as pesquisas que a soberania de empresas americanas no mundo digital está distante de ser batida, pois ela concorre contra ela mesma.

—————————————————————————

Imagem (Fonte):

 wiki

—————————————————————————

Fontes Consultadas:

VerGSM Intelligence”:

https://gsmaintelligence.com/analysis/2013/2/bric-markets-generating-almost-a-quarter-of-global-mobile-sales/368/

Ver Milward Brown AdReaction”:

https://www.millwardbrown.com/adreaction/2014/#/

Ver Nielsen Global Snapshot 2013”:

http://www.nielsen.com/content/dam/corporate/uk/en/documents/Mobile-Consumer-Report-2013.pdf

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!