fbpx
ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Burundi vive caos político em meio à tentativa de golpe militar

Uma tentativa de prolongar o mandato presidencial por mais cinco anos fez eclodir temores de uma nova guerra civil no Burundi. Após o anúncio do presidente Pierre Nkurunziza das suas intenções de um possível terceiro mandato, significativa parcela da população foi às ruas posicionar-se contra o seu governante[1][2].

Também o Exército, insatisfeito com essas intenções, aproveitou-se da ausência momentânea do atual Presidente na semana passada, o qual viajava para um encontro com líderes regionais na Tanzânia, para tentar depô-lo do cargo[1][2].

Impedidos por forças leais à Presidência, o Exército não conseguiu tomar o poder e Nkurunziza pode retornar ao Burundi ainda como o atual governante. Contudo, os combates entre os militares e as forças leais deixaram, ao menos, 20 mortos e incentivaram mais de 50 mil pessoas a fugirem aos países vizinhos, temendo que o país retorne ao caos vivido durante a guerra civil[2].

Líderes regionais posicionaram-se ao lado do presidente Nkurunziza, alegando que a iniciativa dos militares trata-se de um verdadeiro golpe. Por outro lado, opositores a Nkurunziza afirmam que as intenções de concorrer a um terceiro mandato são inconstitucionais, uma vez que a Constituição nacional permite somente dois mandatos.

Na Presidência desde 2005, Nkurunziza conduziu o Burundi após intenso período de guerra étnica com a missão de recuperar a ordem social e a economia em frangalhos. Ainda que o país tenha presenciado um crescimento médio de 4,2% no Produto Interno Bruto desde o início de seu governo, o Global Hunger Index, em 2013, constatou que o Burundi é o país no mundo com o maior número de famintos em relação à população total[3].

Em meio a um cenário político geral de convergência às práticas democráticas na África Subsaariana, analistas acreditam que os recentes atos do presidente Nkurunziza vão na contramão da tendência geral presenciada no continente, o que tende a reduzir a sua aprovação tanto dentro do Burundi como no cenário internacional. Recentes investidas contra veículos de mídia e declarações de ser um “enviado de Deus” são exemplos de práticas não democráticas que reduzem a sua popularidade[4].

No entanto, as investidas militares tampouco representam um avanço maior rumo à democracia plena, dado o histórico de governos autoritários liderados por militares nesse país. Assim, o Burundi enfrenta sérios desafios à sua incipiente democracia, tendo em vista que ambos os lados envolvidos no atual cenário político não oferecem verdadeiras alternativas democráticas.

————————————————————————————–

Imagem (FonteMy Joy Online):

http://www.myjoyonline.com/world/2015/May-15th/burundi-coup-bid-some-coup-leaders-arrested.php

————————————————————————————–

Fontes Consultadas:

[1] VerThe Washington Post”:

http://www.washingtonpost.com/world/loyalist-and-rebel-troops-battle-in-burundis-capital/2015/05/14/ab2c4e48-fa5b-11e4-9030-b4732caefe81_story.html

[2] VerThe New York Times”:

http://www.nytimes.com/2015/05/15/world/africa/burundi-godefroid-niyombare-pierre-nkurunziza.html?ref=africa

[3] Ver Banco Mundial”:

http://data.worldbank.org/indicator/NY.GDP.MKTP.KD.ZG?page=1

[4] VerThe Guardian”:

http://www.theguardian.com/world/2015/may/16/burundi-media-suffers-backlash-after-failed-coup-attempt

About author

Economista pela ESALQ-USP, é atualmente mestrando em Sociologia pelo Programa de Pós- Graduação do IFCH-UFRGS. Foi pesquisador do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM). Atualmente desenvolve pesquisas na área de Sociologia Econômica, Economia Política e Sociologia do Desenvolvimento. Escreve no CEIRI Newspaper sobre economia e política africana, como foco em Angola, Etiópia e Moçambique
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!