ÁFRICAAMÉRICA DO NORTEANÁLISES DE CONJUNTURA

Boko Haram foi classificado como Grupo Terrorista pelos Estados Unidos

Na última semana, os “Estados Unidos da América” (EUA) anunciaram que incluíram o grupo islamita “Boko Haram”, que atua na “República Federal da Nigéria”, na sua lista de organizações terroristas.  O grupo, que desde 2009 vem promovendo uma série de ataques, tem por objetivo derrubar o atual governo nigeriano e instalar um Estado islâmico, já que segundo seus integrantes, a Nigéria está sendo governada por dirigentes sem fé[1].

A Nigéria, que é um país rico em recursos energéticos, sobretudo petróleo, é um dos Estados africanos que mais cresce economicamente nos últimos anos, apesar disso possui uma população extremamente pobre. A parte mais desenvolvida encontra-se ao sul e a leste, onde estão as jazidas de petróleo, enquanto que ao norte e a oeste encontra-se a parte menos desenvolvida e consequentemente mais pobre. É justamente no lado menos desenvolvido onde se organizaram e iniciaram os ataques do grupo “Boko Haram”.

A organização tem sua sede instalada em Maiduguri, no norte-oriental do país, e tem por nome oficial “Jama’atu Ahlis Lidda’awati Sunna wal-Jihad”, que em árabe significa, “Pessoas Comprometidas com a Propagação dos Ensinamentos do Profeta e a Jihad[2]. No entanto, é popularmente conhecido como “Boko Haram”, que pode ser entendido como “Educação Não-Islâmica é Pecado”. Esse grupo tem forte apelo pela aplicação da Sharia, a lei islâmica no sentido mais rígido[3]. De acordo com suas perspectivas, qualquer atividade, seja de caráter política ou social, que esteja de alguma forma associada com a sociedade ocidental, é proibida.

Em 2002, o grupo foi fundado pelo mulçumano “Mohammed Yusuf”, que montou um complexo religioso envolvendo uma mesquita e uma escola islâmica. Muitas famílias pobres da região, tanto da Nigéria quanto de países vizinhos, matricularam seus filhos nessa escola. Contudo, como anteriormente mencionado, o objetivo constitui-se na criação de um Estado islâmico, o que levou a escola a se tornar um centro de recrutamento para jihadistas lutarem contra o governo nigeriano[4].

Em 2009 a organização realizou uma onda de ataques nas delegacias e prédios governamentais em Maiduguri. Ainda naquele ano, o líder “Mohammed Yusuf” foi capturado pelo exército e entregue para a polícia, sendo encontrado morto momentos mais tarde. Este fato provocou uma grande agitação em seus apoiadores e acabou repercutindo numa série de tiroteios em Maiduguri, com centenas de mortos, desde civis a diversos integrantes do Boko Haram.

No entanto, o novo líder “Abubakar Shekau” reorganizou o grupo e, em 2010, articulou uma ofensiva contra a prisão no estado de Bauchi, libertando inúmeros simpatizantes da organização. Desde então, o “Boko Haram” tem executado de forma periódica e contínua uma série de ataques a policiais, políticos e até mesmo clérigos de outras religiões. Nessa lógica, o grupo provocou diversas ações violentas durante a posse de Goodluck Jonathan, “Presidente da Nigéria”, e em seguida contra a sede da ONU em Abuja. Em setembro de 2013, o “Boko Haram” realizou ainda ataques de forma indiscriminada matando mulheres e crianças, em Benisheikh, matando mais de 160 civis[5].

Tais ataques, fizeram a Nigéria ainda em maio declarar situação de emergência nos estados de Borno, Yobe e Adamawa. Por fim, essa onda de violência levantou diversas preocupações em âmbito internacional, sobretudo quanto ao alastramento desses ataques em países vizinhos. Cabe ainda observar que em 2011 o Congresso norte-americano afirmou que o grupo Boko Haramrepresentava a insurgência de possíveis ameaças que vão contra os interesses dosEstados Unidose, além disso, o grupo mantém laços com a Al-Qaeda[6].

Nesse sentido, “Mathieu Gudère”, especialista em terrorismo, afirma que existem inúmeras evidências sobre as relações no Magreb (Oriente) islâmico entre “Boko Haram” e “Al Qaeda”. Gudère ainda aponta quehá provas de vários encontros entre Abdelmalek Droukdal, chefe da Al Qaeda no Magreb Islâmico, e os líderes do Boko Haram. Droukdal prometeu dinheiro, armas e formação aos extremistas nigerianos, e isso foi em 2010[7]. Para Patrick Meehan, republicano da Pensilvânia, existe uma relação crescente entre o grupo nigeriano e a “Al-Qaeda da “Península Arábica[8]. Contudo, existem especulações de que políticos nigerianos também possam estar financiando o grupo.

Desse modo, a designação apontando o “Boko Haram” como grupo terrorista é importante, segundo o Congresso norte-americano, “porque obriga as agências reguladoras a bloquear as transações comerciais e financeiras[9] com o grupo. Compete lembrar, que essa classificação do grupo “Boko Haram” vem no momento no qual os “Estados Unidos” tem intensificado sua presença militar na África. Haja vista que, segundo Bronwyn Bruton, “Vice-Diretora do Centro de Investigação Atlantic Council”, há a percepção geral, entre os analistas de segurança, de que a África será a próxima frente na guerra mundial contra o terrorismo. As pessoas têm a ideia de que a Al-Qaeda quando for expulsa do Iémen vai atravessar o Golfo. Já está na Somália e agora há o medo de que comece a interagir com o grupo Boko Haram[10].

O “Boko Haram” não é o único grupo acusado de cometer atrocidades. O próprio Exército tem sofrido diversas denúncias, até mesmo pela “Anistia Internacional”, de não respeitar os “Direitos Humanos”, na campanha militar para conter e identificar pessoas ligadas ao grupo. Por fim, para alguns analistas, o Governo nigeriano apenas conseguirá reestabelecer a ordem, quando reduzir a pobreza crônica do país e construir um ensino que ganhe apoio dos mulçumanos locais[11].

————————-

Imagem (Fonte):

http://www.dw.de/us-designates-boko-haram-a-terrorist-group/a-17225867

————————-

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.bbc.co.uk/news/world-africa-13809501

[2] Ver:

Idem.

[3] Ver:

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/11/exercito-nigeriano-afirma-ter-matado-20-terroristas-de-boko-haram.html

[4] Ver também:

http://www.bbc.co.uk/news/world-africa-13809501

[5] Ver:

http://www.aljazeera.com/news/africa/2013/11/us-names-boko-haram-as-terror-organisation-20131113155818371998.html

[6] Ver:

http://www.bbc.co.uk/news/world-africa-13809501

[7] Ver:

http://www1.folha.uol.com.br/dw/1026077-radicais-do-boko-haram-querem-impor-estado-islamico-na-nigeria.shtml

[8] Ver:

http://www.aljazeera.com/news/africa/2013/11/us-names-boko-haram-as-terror-organisation-20131113155818371998.html  

[9] Ver:

http://br.reuters.com/article/worldNews/idBRSPE9AB09F20131112

[10] Ver:

http://www.dw.de/mais-bases-norte-americanas-em-%C3%A1frica-para-combater-o-terrorismo/a-16030323

[11] Ver:

http://www.bbc.co.uk/news/world-africa-13809501

ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURA

A ruptura da etapa Morsi na crise egípcia

Conforme vem sendo disseminado na mídia mundial, a comunidade internacional está apreensiva e também confusa acerca das conclusões sobre o movimento no Egito que interrompeu o governo de Mohamed Morsi, evitando inclusive o uso do termo “Golpe de Estado[1], apesar de todos estarem solicitando ora que seja instaurado prontamente um Governo civil, ora que sejam convocadas eleições imediatas para garantir o retorno do “Regime Democrático”, desconsiderando a posse do chefe civil da “Suprema Corte Constitucional”, Adli Mansour, como “Presidente Interino”, com a tarefa de organizar a retomada da Democracia.

O receio é que, considerando a situação como um “Golpe de Estado”, os países do ocidente sejam obrigados a cancelar auxílios e a isolar o Egito, gerando a perda de controle no país que, por sua vez, produziria um caos interno capaz de resultar numa “Guerra Civil”, tanto que este receio foi uma das justificativas para a prisão domiciliar de Morsi, pois, segundo afirmaram os militares, ele estaria insuflando a população a se rebelar contra os militares, algo que resultaria num embate armado de proporções incontroláveis. Os EUA, por exemplo, caso assim considerem, serão obrigados a cancelar qualquer ajudar militar, pois sua legislação proíbe auxílios para países onde ocorrem “Golpes de Estado[1].

Até o momento, o Presidente egípcio foi afastado, a Constituição suspensa e emitidos mais de 300 mandados de prisão a membros do seu Partido (representante da “Irmandade Muçulmana”) que estivera no poder durante o curtoGoverno Morsie já ocorrem embates entre os setores da população, tendo resultado em várias mortes.

Conforme anunciado, o Exército se apresentou e decidiu pelo afastamento do mandatário após identificar a perda da credibilidade do governante perante a população e pelo julgamento de que o Mandatário estava comprometendo a configuração laica do Estado Egípcio que tem nas “Forças Armadas” seu principal fiador.

Observadores internacionais apontam que esta é uma situação perigosa da perspectiva democrática, pois tenta legitimar a quebra de uma situação constitucional, dando a um segmento não político o poder de interpretar a situação social e se sobrepor as demais instituições em função de suas avaliações, somado ainda à capacidade bélica que lhe é inerente.

No entanto, também apontam que há um amplo espaço para interpretações, algo que piora a situação e traz mais riscos para a Democracia, pela possibilidade de se tentar legitimar movimentos armados que rompam com a ordem constitucional.

Mas, lembram em suas avaliações que, após Morsi assumir o poder, o Egito mostrou a complexidade de sua reconstrução, bem como a dificuldade para a instalação de instituições democráticas que poderiam reorganizar a sociedade preservando os direitos de todos os segmentos sociais. Segundo apontam, o Presidente foi eleito com 51,7%[2] dos votos, devido, principalmente, a rápida articulação da “Irmandade Muçulmana” que já estava organizada por todos o país e apresentou o seu candidato.

No entanto, após eleito, este viu-se obrigado a lidar com o a estrutura das “Forças Armadas”, que, mesmo tendo sido a fiadora de Hosni Mubark, afastou-se do antigo líder e, com isso, evitou ser repelida do poder, da mesma forma que preservou sua posição e unidade, apesar de algumas defecções.

Alguns líderes militares foram afastados imediatamente por Morsi, acreditando o Presidente que a substituição da “Velha Guarda” lhe daria controle sobre  instituição, tanto que levou para  aparelho militar chefes mais afinados com a linha islâmica do Irmandade, algo que garantiria o pilar armado de sustentação do seu grupo no poder.  

Durante este período, houve eleições para a montagem de uma “Assembléia Constituinte” amplamente dominada pela Irmandade. Segundo foi disseminado na mídia internacional, isso ocorreu, principalmente, graças à desorganização dos outros amplos setores sociais, bem como as recusas desses setores em participar de etapas do processo constituinte. Ao ver o resultado da Constituinte, eles resolveram então levantar para a sociedade que a Constituição não era legítima, já que desconsiderava os amplos segmentos sociais e estava islamizando o Estado, significando a morte tanto do Estado laico, quanto da Democracia, por impedir a expressão das demais parcelas da sociedade e a preservação dos direitos das minorias.

Ao mesmo tempo em que ocorreram as manifestações dos opositores e Morsi fez a reforma das lideranças militares, este concedeu a si próprio amplos poderes para garantir a implantação da nova Constituição e, diante do crescimento das mobilizações contrárias a ela, decretou que as “Forças Armadas” deveriam proteger as Instituições nacionais e os postos eleitorais até 15 de dezembro do ano passado (2012), quando um Referendo deveria autorizar a sua promulgação.

A situação foi considerada pela população como a imposição de uma “Lei Marcial”, já que Morsi considerava que as mudanças feitas nos postos e lideranças militares estava lhe dando o controle da tropa e, por isso, capacidade de implantar medidas de emergência sobre a sociedade, enfrentando quaisquer contestações, o que acabou se mostrando uma medida que iria se voltar contra ele, pois, se os militares retornaram aos quartéis depois de aprovada a Constituição, detiveram uma autorização legal para se sobrepor a agentes desestabilizadores para “Proteger as Instituições”.

Um exemplo é que novamente foram convocados para controlar embates entre apoiadores do Governo e segmentos da oposição (secularistas, leigos e membros da “Igreja Copta”)  na “Região do Suez” quando houve mais de 50 mortos e os militares, tendo percebido a proliferação da desordem social, advertiram para uma possível crise na estrutura do Estado, com perda da legitimidade do Governo, podendo resultar no que o general Abdul Fattah al-Sisi (o chefe militar que depôs o Presidente) considerou como uma situação capaz de “levar a um colapso do Estado[3].

Neste momento, o General, justificando o afastamento de Morsi, afirmou que o povo clamou por ajuda dos militares e estes “não podiam permanecer em silêncio[2] que haviam despendido “grandes esforços[3] para garantir a ordem, mas Morsi não havia respondido “às demandas das massas[3], por isso, “os participantes do encontro (de vários segmentos sociais com os militares, no dia 3 de julho) concordaram com o caminho traçado para o futuro, que inclui os passos iniciais para alcançar a construção de uma sociedade egípcia coesa e que não exclui ninguém e que põe fim ao estado de tensão e divisão[3],

Além disso, as críticas contra o Governo cresceram no país principalmente devido a crise econômica que vem se desenvolvendo sem que haja um projeto eficaz de restauração da economia, apesar do auxílio do “Banco Mundial”, de, aproximadamente, 4,7 bilhões de dólares que estavam destinados principalmente à segurança social, os quais, até o presente momento, foi informado que não serão suspensos, mas foram pedidos que eleições sejam realizadas o mais breve possível para que ocorra o retorno ao processo democrático. Complementar as essas considerações, críticas rígidas também foram feitas em relação à ausência de propostas claras de restauração da segurança interna, com grande disseminação da violência e perda de controle em algumas regiões.

O presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, declarou: “Pedimos a todos que permaneçam em calma, que dialoguem e que se avance o mais rápido possível para eleições reais. (…). Esperamos poder continuar com nossos programas que proporcionam serviços e apoio essencial para as pessoas mais pobres do Egito [4].

Analista estão demonstrando receio com a situação, vendo-a como perigosa para a região, principalmente pela possibilidade de ser um estímulo para que novos movimentos armados se disseminem pelo “Oriente Médio” e haja uma perda na credibilidade das instituições políticas ao ponto de as populações resolverem organizar-se em grupos armados ou, no caso específico do Egito que haja um processo de desforra, já que Morsi foi eleito por um processo legitimado internacionalmente.

Pior, há o receio de que os muçulmanos desacreditem no processo democrático como forma de ascender ao poder e se dediquem exclusivamente à via armada e revolucionária, estimulando a violência islâmica na região, sendo provável também que ela se dissemine internacionalmente.

Um exemplo já está se dando na Tunísia, onde os opositores doPartido Nidaa Tunes”, do ex-primeiro-ministro Beji Caid Esebsi, solicitaram que o Governo dos islamitas Ennahda fosse demitido e substituído por outro que corporificasse uma ideia de salvação nacional[5].

O porta-voz da “Irmandade Muçulmana para o Reino Unido”, corroborando esta percepção que começa a se disseminar, afirmou: Há um temor em relação ao futuro. (…). Um dos maiores temores (na Irmandade Muçulmana) é de que as pessoas queiram fazer justiça pelas próprias mãos. Milhões votaram por Morsi. Nós pensamos que isso era democracia. Mas agora estamos em uma situação muito perigosa[6].

Esta opinião é compartilhada pela consultoria “Stratfor Global Intelligence”, a qual prevê que “A saída de Morsi levará integrantes dos grupos ultraconservadores salafistas a largar a política tradicional e optar pelo conflito armado. (…). A derrubada de governo islamista moderado no Egito reduz os esforços internacionais para trazer islamistas radicais para a política tradicional no resto do mundo árabe e muçulmano. Em último caso, dentro do contexto do Egito, a saída de Morsi abre um precedente perigoso uma vez que futuros presidentes podem ser removidos pelos militares quando houver forte pressão popular. Isso não contribui para a estabilidade futura do Egito[6].

As opiniões confluem para a conclusão de que a situação ficará mais tensa, pois os membros da Irmandade não aceitam a deposição de seu líder e há probabilidade de que se dediquem ao recurso bélico, além disso, corre-se o risco de que as “Forças Armadas” possam ser identificadas como portadoras de um novo “Regime Autoritário”.

No entanto, há indicações de que elas não desejam prolongar a situação e querem um Governo civil, pois a posse do chefe civil “Suprema Corte Constitucional” se deu para evitar os erros anteriores em que militares assumiram o poder e lhe foi dado a missão de organizar novas eleições, bem como uma nova Constituição, dentro de uma estratégia de resgate da unidade do país.

Os críticos, contudo, levantam dois pontos que tem grande probabilidade de levar ao fracasso desse planejamento: (1) a dificuldade em controlar a crise econômica e (2) a baixa probabilidade de convencer a ampla parcela da população que é simpática ou partidária da “Irmandade Muçulmana” de se inserir nesta nova realidade, acreditando os observadores que ela não aceitará a perda do poder que foi conquistado por processo que recebeu apoio mundial, mesmo que, posteriormente, tenha causado nos analistas internacionais a certeza de que ela estava construindo um regime autoritário utilizando para tanto do respaldo dado pelos defensores da Democracia.  

————————-

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.portugues.rfi.fr/geral/20130704-potencias-evitam-termo-golpe-de-estado-para-situacao-egipcia

[2] Ver:

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/07/130703_golpe_egito_analise_lk.shtml

[3] Ver:

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/07/130704_egito_perguntas_respostas_bg.shtml

[4] Ver:

http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2013/07/04/interna_internacional,417308/banco-mundial-espera-manter-emprestimos-ao-egito-e-pede-eleicoes.shtml

Ver também:

http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/banco-mundial-espera-manter-emprestimos-ao-egito-e-eleicoes

[5] Ver:

http://noticias.terra.com.br/mundo/africa/apos-golpe-no-egito-oposicao-da-tunisia-pede-dissolucao-do-governo,5bf8414baaaaf310VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html

[6] Ver:

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/07/130704_democracia_golpe_egito_gm.shtml

——————

Ver ainda:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-07-05/embaixador-do-egito-nega-golpe-de-estado-no-pais

Ver ainda:

http://www.noticiasbr.com.br/presidente-interino-prestou-juramento-no-egito-112094.html

Ver ainda:

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/07/130704_egito_revolucao_pai.shtml

Ver ainda:

http://portuguese.cri.cn/1721/2013/07/04/1s169126.htm

Ver ainda:

http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=3304723&seccao=M%E9dio%20Oriente

Ver ainda:

http://br.reuters.com/article/worldNews/idBRSPE96302L20130704

 

ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURAÁSIA

Visita do “Presidente de Moçambique” à China

Entre 13 e 19 de maio de 2013, o Chefe do Estado moçambicano, Armando Guebuza, efetuou uma visita oficial à China, a quarta desde que assumiu o poder em 2005. Fez parte dos líderes africanos que estiveram em Pequim na “Terceira Cimeira Sino-Africana”, em 2006; participou da abertura oficial dos “Jogos Olímpicos de Pequim”, em 2008, e, em 2011, fez uma Visita de Estado à China. Este recente deslocamento reveste-se de importância extrema no fortalecimento de laços entre os dois países e respectivos partidos políticos no poder, numa altura em que Moçambique procura mais investimentos estrangeiros, principalmente para a área de infra-estrutura pública.

ÁFRICAAMÉRICA LATINAANÁLISES DE CONJUNTURA

Dilma visita continente africano para “Cúpula América do Sul – África”

A presidente Dilma Rousseff embarcou na quinta-feira, dia 21 de fevereiro, para a capital da “Guiné Equatorial”, Malabo, por ocasião da “3ª Cúpula América do Sul – África (ASA)”, que reuniu 65 países, dos quais 54 africanos e 11 sul-americanos.

O foco do encontro foi fortalecer as relações com o continente africano, especialmente por mecanismos de cooperação Sul-Sul. Além disso, a Presidente destacou a necessidade de reforma dos organismos internacionais, como a “Organização das Nações Unidas” (ONU), o “Banco Mundial” (BM)  e o “Fundo Monetário Internacional” (FMI).

Declarou: “Para o Brasil é urgente a reforma da ONU. Nada justifica que África e América do Sul permaneçam sem representação permanente no Conselho de Segurança. É também urgente a reforma da governança do FMI e do Banco Mundial[1].

ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURA

Comunidade Internacional doará US$ 455 milhões para “Missão de Estabilização no Mali”

Ontem, dia 29 de janeiro de 2013, teve início em “Addis Abeba”, Capital da Etiópia e Sede da “União Africana” (UA), a “Conferência Internacional de Doadores para o Mali”*. O Evento contou com a participação de representantes de aproximadamente 50 países e organizações internacionais, com destaque para os países africanos, a “União Europeia”, Japão e “Estados Unidos”.

O objetivo da Conferência, organizado pela UA, era captar recursos para ajudar a formação da força militar africana no Mali e também reestruturar o exército malinês. Por sua vez, a “Missão Internacional de Assistência ao Mali” (AFISMA, sigla em inglês) deve colaborar nos combates e em seguida substituir o Exército francês que participa desde meados de janeiro da ofensiva contra os grupos insurgentes no país.

A campanha militar no Mali, atualmente liderada pelo Exército da França e apoiada pelas tropas africanas, tem como objetivo recuperar o norte do país, que está sob controle de insurrectos desde junho do ano passado.

ÁFRICAAMÉRICA LATINAANÁLISES DE CONJUNTURA

O novo caminho são as Américas

O mundo no pós-crise financeira internacional (2008) está presenciando uma mudança nas negociações globais. As tradicionais negociações entre as potências europeias com os Estados Unidos e entre as nações em desenvolvimento com os norte-americanos começou a ser invertida, tendo visto a emergência das negociações sul-sul, bem como a maior atenção que vem sendo dada às riquezas da África.

Com a mudança no quadro de prioridades em negociações econômicas, começou também uma corrida para a conquista do continente africano. Hoje, temos as grandes potências europeias e Washington mais atentos aos países africanos por razões de economia, ao invés de priorizarem as motivações geopolíticas, numa situação diferente da que ocorria num passado recente, antes de as atuais potências emergentes como a China, Rússia, Brasil e Índia obterem os seus significativos crescimentos. Porém, dentro das variáveis existentes na economia, a nova crise financeira que se desencadeou na Europa deu mais espaço para uma expansão dos países emergentes no continente africano, principalmente após a África do Sul se juntar ao BRICS (“Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul”) .