ANÁLISES DE CONJUNTURAEUROPA

A cidade de Londres tenta barrar McDonald’s e Coca-Cola nos “Jogos Olímpicos”

Os “Jogos Olímpicos de Londres” começam em pouco menos de uma semana e enquanto a ansiedade dos atletas aumenta o “Comitê Olímpico Internacional” (COI) está tendo que lidar com problemas com a “Assembléia de Londres” (Órgão legislativo municipal). O problema que bateu às portas do COI tem como protagonistas dois dos principais patrocinadores dos Jogos: as empresas americanas Coca-Cola e McDonald’s.

O pedido da “Assembléia de Londres”, proposta pela parlamentar Jenny Jones, do “Partido Verde”, ér proibir ambos patrocinadores de estarem associados aos Jogos, o que é pouco provável de acontecer. Pela proposta, coloca-se a questão de que a intenção dos Jogos é deixar um legado de esportes e vida saudável, não apenas para a população britânica, mas para o mundo todo, e ter como principais patrocinadores empresas consideradas grandes vilãs na questão da obesidade, principalmente a infantil, vai contra o intento das Olimpíadas.

A grande preocupação da “Assembléia de Londres” é pautada por números que realmente impressionam. De acordo com dados do “Reino Unido”, 30% das crianças britânicas estão acima do peso. Nos adultos esse número pula para 60%. Mas, ao bater de frente com esses dois gigantes, os ingleses, mesmo que mal sucedidos, apontaram para uma incoerência que persiste por anos: a Coca-Cola é um dos principais patrocinadores das Olimpíadas desde Amsterdã, em 1928, enquanto o McDonald’s se tornou um parceiro fixo desde os “Jogos de Montreal”, em 1976, e tem contrato assinado com o COI até 2020.