ANÁLISES DE CONJUNTURA

SEGMENTOS DA SOCIEDADE COMEÇAM A SE MANIFESTAR CONTRA A VINDA DE AHMADINEJAD AO BRASIL

Segmentos da sociedade brasileira começam a se manifestar contra a vinda do presidente do Irã (Mahmoud Ahmadinejad) ao Brasil, prevista para o dia 23 novembro de 2009.

No dia 20 de outubro (terça-feira), um representante da comunidade judaica, o Grão-Rabino Asquenazi,  Yona Metzger, fez uma reunião com o presidente do Senado, Senador José Saney, e solicitou que a visita fosse revista e adiada.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

A QUESTÃO QUE ESTÁ SEGURANDO AS NEGOCIAÇÕES EM HONDURAS

Dia 19 de outubro, segunda-feira passada, foi mais uma data limite estabelecida por Manuel Zelaya, ex-presidente de Honduras, afastado do seu cargo em 28 de junho, por acusações de crimes político e comuns, para por fim à Crise que se abate sobre Honduras.

Novamente, a data não foi cumprida e os representantes de Zelaya declararam que não aceitariam os termos propostos por Roberto Micheletti, atual Presidente da República, ocupando o cargo, interinamente, até as eleições gerais que devem ocorrer em 29 de novembro de 2009.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

AFEGANISTÃO: CAMPO EXPERIMENTAL PARA UMA NOVA COOPERAÇÃO

Quando John F. Kennedy constituiu a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), em 1961, estabeleceu em sua concepção critérios relacionados à moral, economia, política e segurança. Em suas palavras:

Deixar agora de cumprir essas obrigações [de cooperação e desenvolvimento] seria um desastre, e, em longo prazo executar, mais caro. A pobreza generalizada eleva o caos a um colapso das atuais estruturas políticas e sociais que, inevitavelmente, convidam ao avanço do totalitarismo em cada área frágil e instável. Desta forma, nossa própria segurança seria ameaçada e estaria em perigo a nossa prosperidade. O programa de assistência aos países subdesenvolvidos deve continuar porque o interesse da nação e da causa da liberdade política assim o exige”.*

ANÁLISES DE CONJUNTURA

NEGATIVA DE BAN KI-MOON SOBRE O ANÚNCIO DO RELATÓRIO DE HONDURAS MOSTRA QUE HÁ DIVERGÊNCIAS NA ALTA CÚPULA DA ONU

O Secretário Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) Ban Ki-Moon negou que a Organização esteja acatando a legalidade do afastamento do ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya. A declaração foi feita algumas horas após o anúncio na imprensa hondurenha e na imprensa internacional de que circulava na alta cúpula da ONU um parecer realizado pelo Departamento de Assuntos Políticos da Organização das Nações Unidas (ONU), a respeito das razões do afastamento de Zelaya com o seguinte teor: “foi constitucional e de acordo com as leis do país”.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

ONU RECONHECE QUE AFASTAMENTO DE ZELAYA FOI LEGAL

Começa a ser anunciado na imprensa internacional que um estudo do Departamento de Assuntos Políticos da Organização das Nações Unidas (ONU) a respeito das razões do afastamento do ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya, “foi constitucional e de acordo com as leis do país”.

Este estudo, que se tornou conhecido pelos altos funcionários da ONU, ontem, dia 13 de outubro, reproduz a conclusão de outro estudo realizado pelo Congresso do EUA, que está acompanhando o andamento da crise política no país, iniciada no dia 28 de junho.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

A PRESIDÊNCIA ESPANHOLA NO CONSELHO EUROPEU EM 2010 E O TRATADO DE LISBOA

No primeiro semestre de2010, aEspanha assumirá pela quarta vez a Presidência do Conselho Europeu, devendo iniciar a aplicação do Tratado de Lisboa e liderando o que analistas europeus chamam de “uma nova Europa”.

A presidência espanhola emerge no momento ideal para a aplicação do Tratado, pois ele será impulsionado por este país que é declaradamente pró-europeu, é encabeçado por um governo europeísta e, atualmente, conta com um amplo consenso para iniciar a execução desta tarefa.