ANÁLISES DE CONJUNTURA

RESULTADOS DA CÚPULA DO G-20, EM PITTSBURGH

Entre os dias 24 e 25 de setembro, foi realizada, em Pittsburgh, EUA, a Cúpula do G-20, composto pelos membros do G-7 + 1 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Itália e Japão, acrescido da Rússia), 11 países emergentes (Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, China, Coréia do Sul, Índia, Indonésia, México, África do Sul e Turquia) e a União Européia (UE) que é representada pelo país que ocupa a presidência rotativa, atualmente, a Suécia.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

HONDURAS E O DISCURSO DE LULA NA ONU

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, foi aplaudido, quando, discursando, “exigiu” que Manuel Zelaya, presidente afastado de Honduras, reocupasse o seu cargo no governo.

A situação que se criou está indo ao encontro dos reais interesses da política externa brasileira, que elegeu como meta dar ao Brasil projeção mundial, tornando-o um player global. Para tanto, um dos instrumentos essenciais será a sua introdução como membro permanente no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas).

ANÁLISES DE CONJUNTURA

POSTURA BRASILEIRA EM RELAÇÃO À HONDURAS PODE GERAR ESCALADA DE VIOLÊNCIA

Os jornais do mundo anunciaram ontem, dia 21 de setembro, que o presidente afastado de Honduras, Manuel Zelaya, estava na embaixada brasileira, em Tegucigalpa.

Após a confirmação da presença do ex-presidente, manifestantes deslocaram-se para as portas da embaixada do Brasil vindos do prédio da ONU (Organização das Nações Unidas), lugar onde se considerava como o mais lógico para abrigar o ex-presidente, caso retornasse ao país.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

ESPECIAL PROJETO FX-2 – SARKOZY ENTENDEU O ESTILO LULA

As parcerias entre França e Brasil se estendem ao longo da história e não surpreende que ambos os países tenham firmado acordo bilionário para aquisição de equipamentos militares.

A título de exemplo, podem ser citadas duas parcerias que ocorreram no início do século XX, uma também de caráter militar e outra de caráter cultural-educacional. A primeira foi a Missão Francesa de instrução e organização do Exército Brasileiro, que começou em 1919 e trouxe em seu bojo um modelo de organização militar que foi implantado e renovou, por determinado período, a concepção sobre uma força de terra no Brasil.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

O BRASIL PREFERE NEGOCIAR, A RETALIAR OS EUA, MANTENDO A TRADIÇÃO DE SUA POLITICA EXTERNA

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorin, declarou à imprensa de Brasília, ontem (2 de setembro), que, mesmo com a autorização para retaliar os EUA dada pela OMC (Organização Mundial do Comércio), não haverá razão para tal, se a norma da Organização for cumprida.

Um dos traços da tradição diplomática brasileira sempre foi à reconhecida e elogiada capacidade de negociação. Também a busca de mediação para quaisquer problemas de política externa que exigissem ação do Itamaraty, por meio de seu corpo de profissionais, apesar dos desvios cometidos ao longo dos últimos vinte anos, quando se preferiu a prática da diplomacia presidencial, responsabilidade sobre a qual a instituição está isenta.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

CAMPANHA ELEITORAL EM HONDURAS INICIA COM CONFIANÇA DE QUE RESULTADO NÃO SERÁ CONTESTADO

A campanha eleitoral em Honduras iniciou na segunda-feira, dia 31 de agosto, com ampla movimentação, apesar das declarações feitas por líderes da América Latina, chefes de organizações internacionais e dos anúncios na mídia internacional.

Na pesquisa apresentada sobre a tendência eleitoral, o domínio tradicional dos dois principais partidos, o Liberal (PL) e o Partido Nacional (PN), esta sendo mantido, pois o candidato do PL, Elvin Santos, tem 37% do eleitorado e Porfírio Lobo, do PN, 42%. O restante distribui-se entre outros partidos menores e candidatos independentes.  A somatória dos dois aproxima-se do índice disponibilizado por estudos sobre o que chamam de bipartidarismo hondurenho, uma vez que ambas as agremiações partidárias sempre controlam, aproximadamente, 95% do eleitorado.