ANÁLISES DE CONJUNTURA

Desemprego na Espanha aumenta e os espanhóis já estão entre as principais nacionalidades que buscam emprego no Brasil

Em janeiro de 2012, o número de desempregados na Espanha avançou 4,01% em relação a dezembro de 2011, acumulando seis meses de altas consecutivas, informou o “Ministério de Emprego e Seguridade Social” espanhol, citado pela mídia internacional*. A Espanha continua com a maior taxa de desemprego da “União Europeia”.


 

Figura 1 – Desemprego Registrado na Espanha. Ministério do Emprego.

Em situação alarmante, os espanhóis estão** escondendo qualificações em seus currículos para aumentar suas chances de se empregarem. De acordo com uma pesquisa** das consultoras “Adecco”, “Manpower e dos sindicatos “Comissões Operárias” e “União Geral dos Trabalhadores” (UGT-Espanha), apresentada em janeiro passado, a cada dia, 10% dos desempregados lançam no mercado currículos profissionais ocultando dados.

A pesquisa indica ainda que a maioria dos que escondem dados é de profissionais experientes do setor de serviços que estão a mais de um ano sem emprego e de universitários recém-formados com alto nível de qualificação.

Para o sociólogo Eusébio Megías, a questão é mais complexa porque “a crise modificou muitos conceitos. (…). Um deles é que já não se procura o trabalho maravilhoso. Agora simplesmente o fim é encontrar um trabalho. E o horizonte do mercado já não é a sua própria cidade. Mas qualquer parte do mundo. Tudo está globalizado”**.

Em buscas de alternativas fora do país, os espanhóis passaram a ser uma das principais*** nacionalidades a buscar emprego no Brasil. Cabe ressaltar o material**** reproduzido em vários jornais espanhóis divulgando que estaria sendo negociado um “Memorando de Entendimento” entre os Governos do Brasil e o da Espanha para abrir o mercado de trabalho brasileiro para os espanhóis e cita uma frase do “Ministro do Trabalho”, Carlos Lupi, que teria dito há alguns meses para a “Diretora Geral de Cidadania Espanhola” no exterior, Pilar Pin, que “o Brasil precisa de dois milhões de pessoas altamente qualificadas, e que a Espanha as têm”****.

Com as péssimas expectativas de cenário para a Espanha, a emigração no país continuará aumentando. De acordo com as estimativas, o desemprego seguirá crescendo, inclusive a um ritmo maior. Segundo artigo do jornal “El País”*****, a Espanha seguirá uma fase de estancamento a partir do segundo trimestre de 2013, depois o PIBdecolará”, ligeiramente, com um aumento em torno de 0,1% ou 0,2%, que são inábeis para a criação de emprego.

———————-

Fontes Consultadas:

* Ver: 

http://www.agenciafinanceira.iol.pt/economia/espanha-desemprego-desemprego-espanha-trabalho-crise/1322205-1730.html 

** Ver:

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/02/120202_curriculos_espanha_ai.shtml 

*** Ver:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/mariacristina/1042704-diante-da-crise-espanhois-querem-emprego-no-brasil.shtml 

**** Ver:

http://www.lavanguardia.com/economia/20111027/54236414453/brasil-pide-mano-de-obra-a-espana.html 

***** Ver:

http://economia.elpais.com/economia/2012/02/03/actualidad/1328260149_681357.html 

 
ANÁLISES DE CONJUNTURA

ONU continua sem definição sobre a “Crise Síria”

Até ontem, dia 2 de fevereiro, as negociações no “Conselho de Segurança das Nações Unidas” se encerraram sem apresentar uma conclusão acerca das ações que serão adotadas para a “Crise Política” na Síria. Pelo divulgado, ainda não há conclusões, mas uma proposta de Resolução cujo conteúdo vem sendo divulgado em partes e precisará ser discutido pelos governos dos países que tomarão a decisão.  De acordo com declaração do embaixador britânico Mark Lyall Grant, “Cada um pedirá instruções à sua capital (sobre a frágil proposta até agora acordada), e esperamos estar prontos para votar o mais rápido possível”*.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

“18ª Cúpula da União Africana”: Novas páginas da amizade entre China e África

Neste final de semana (dia 29) foi inaugurada a décima oitava edição do “Fórum da Cúpula da ‘União Africana’ (UA)”, na Etiópia,  com a presença de Jia Qinglin, presidente da “Conferência Consultiva Política do Povo Chinês” e de “Chefes de Estado” representando os países membros da entidade.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

“União Europeia” poderá ter política externa voltada para o BRICS

Com o objetivo de tornar mais eficiente a sua atuação e arquitetura institucional para aumentar a eficácia como ator mundial, o “Comitê de Relações Exteriores do Parlamento Europeu” aprovou*, no dia 27 de janeiro, uma  recomendação para que o Executivo europeu reveja a estratégia para o grupo formado pelo “Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul” (BRICS).

ANÁLISES DE CONJUNTURA

O peso da crise internacional na economia japonesa

Não há como negar que o ano de 2011 foi terrível para o Japão: parte de sua costa foi devastada por um terremoto, seguido de Tsunami; alguns de seus reatores nucleares superaqueceram, abrindo a chance de haver um grande desastre nuclear; o primeiro-ministro Naoto Kan, que estava no cargo há poucos meses, renunciou alegando a própria inabilidade em lidar com a situação; sua moeda disparou perante outras, o que diminuiu as exportações e aumentou as importações; suas indústrias perderam fôlego, por conta da quebra de suprimentos e de mão-de-obra, pois sua população está envelhecida.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

Brasil vai ao “Fórum Econômico Mundial” para atrair mais investimentos

Criado* na Suíça em janeiro de 1971, pelo alemão Klaus Schwab, professor de administração, o “Fórum Econômico Mundial” (FEM) foi concebido como uma organização internacional independente, sem fins lucrativos e, atualmente, opera como um espaço de discussão que reúne líderes mundiais, intelectuais, representantes de organizações não-governamentais (ONGs) e personalidades do mundo empresarial.