ANÁLISES DE CONJUNTURA

LULA APÓIA ARGENTINA NO DEBATE SOBRE AS FALKLANDS. OS INDÍCIOS SÃO DE QUE APENAS DESEJA MOSTRAR A NECESSIDADE DA REFORMA NO CS DA ONU

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, declarou apoio total às solicitações argentinas no novo debate entre a Argentina e o Reino Unido, acerca da exploração de petróleo em águas territoriais das Falklands/Malvinas, por empresa britânica.

O presidente brasileiro assinalou que não existe razão para um país reivindicar soberania sobre um território que fica a mais de 14.000 quilômetros de distância. Em suas palavras: “Qual é a explicação geográfica, política e econômica de a Inglaterra estar na Malvinas? Qual é a explicação de as Nações Unidas nunca terem tomado essa decisão? Não é possível que a Argentina não seja dona (das Malvinas), mas que seja a Inglaterra, a 14 mil quilômetros de distância?”.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

BOLIVARIANISMO COMEÇA A SER QUESTIONADO. AGORA, TAMBÉM NO EQUADOR

A onda esquerdizante que tomou conta da América Latina nos últimos dez anos está sofrendo abalos em quase todos os países que adoraram posturas, regimes, ou governos à esquerda na região, em especial naqueles que se posicionaram como bolivarianos.

Somente a Bolívia tem apresentado resultado positivo com a crescente liderança de seu presidente, Evo Morales, recentemente reeleito, e com o controle do Legislativo por parte do partido do presidente Morales, o Mas (Movimento al Socialismo / Movimento para o Socialismo).

ANÁLISES DE CONJUNTURA

MAIS TENSÃO NOS DIÁLOGOS ENTRE CHINA E EUA PARA O ANO DE 2010

Já foi dito que este ano, as relações entre chineses e norte-americanos, se iniciou com tensões, contradições e divergências nos diálogos diplomáticos. As questões são: qual será o futuro das relações sino-americanas? O presidente dos EUA, Barack Obama, irá conseguir reverter este quadro? Os elementos do cenário nos mostram que a reversão do quadro, com o retorno ao percurso que se construía, não é impossível, mas não será simples para se chegar a uma relação “harmoniosa”.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

AHMADINEJAD FAZ PROPOSTA, MAS COMUNIDADE INTERNACIONAL TEME QUE SEJA APENAS UMA MANOBRA DIVERSIONÁRIA

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad comunicou à comunidade internacional, em especial aos EUA, que aceita remeter o seu urânio para que seja enriquecido em outro país, ao percentual de 20%, de acordo com as normas estabelecidas pela AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica). De acordo com os técnicos da AIEA, este é o índice aceito, pois garante que o enriquecimento está num patamar seguro, não sendo possível usá-lo para fins militares.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

POR UM NOVO PARADIGMA DE COOPERAÇÃO APÓS O TERREMOTO DE 12 DE JANEIRO NO HAITI

O terremoto de 12 de janeiro provocou uma cadeia de solidariedade no mundo para o Haiti, mas, para o pastor Pat Robinson, conhecido por seus impulsos racistas a favor das minorias étnicas dos Estados Unidos, esta foi uma excelente oportunidade para apresentar idéias que discriminam a cultura e a história do país. De acordo com ele, devem-se procurar as causas deste desastre natural no “pacto dos haitianos com o diabo” para conseguir a sua independência.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

UNIÃO EUROPÉIA DEBATE O PRÓXIMO MOVIMENTO ESTRATÉGICO PARA IMPEDIR O DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NUCLEAR IRANIANO

Os “Ministros de Assuntos Exteriores” da União Européia (UE) reuniram-se em Bruxelas, no dia 25 de janeiro, para tratar do próximo movimento do Bloco em relação ao não-cumprimento do Irã às exigências internacionais sobre seu programa nuclear.

No encontro, a França defendeu que a UE deve preparar o processo de sanções contra este país. O secretário de Estado francês para a UE, Pierre Lellouche, declarou após a reunião do Conselho de Ministros que, passados seis anos de negociações, o governo iraniano afirma agora que enriquecerá o urânio em 20%, o que “corresponde a um nível militar“.