ANÁLISES DE CONJUNTURA

AS RELAÇÕES DE TAIWAN COM HAITI: COOPERAÇÃO PARA A RECONSTRUÇÃO DO PAÍS

Após o desastre ocorrido no Haiti em janeiro, causando o agravamento de sua já frágil situação sócio-econômica e em sua infra-estrutura, diversos países se propuseram cooperar na reconstrução da ilha caribenha. Dentre esses países, Taiwan destaca-se com um forte compromisso de colaboração e amizade com os haitianos.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

ESTADOS UNIDOS E CHINA, ACUSAÇÕES E TENSÕES NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A China iniciou o “ano do tigre” com os contatos sino-americanos em vias de ruptura e com acusações, despertando a atenção de acadêmicos e economistas sobre o futuro das relações entre a “Casa Branca” e o “Dragão Chinês”.

O ano de 2010 começou com a insatisfação de Beijing para com os EUA após este anunciar a venda de armamentos para a ilha de Formosa. Ficou mais tenso depois do anúncio da “Google” de que deixaria de operar na China, devido ao ataque de “Hackers” e também pelo controle e censura chinesa sobre o acesso às informações via internet. Não bastando estes acontecimentos, ainda ocorreu o encontro entre o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o líder espiritual do Tibet, Dalai Lama, no final do mês de fevereiro.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES SINO-BRASILEIRAS NO CENÁRIO INTERNACIONAL E PARA O BRIC

Atualmente, a China caminha para ser uma superpotência Global. É uma potência militar, está se tornando uma potência comercial e econômica, é um dos cinco membros permanentes do “Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas” (ONU) e suas ações tem peso para influenciar a economia de muitos países.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

AS AUSÊNCIAS DA ALTA REPRESENTANTE DA POLÍTICA EXTERNA EUROPÉIA GERAM DESCONTENTAMENTO NOS LÍDERES EUROPEUS E FALTA DE CREDIBILIDADE INTERNACIONAL

Três meses depois de Ashton ter assumido o novo cargo, os elogios são praticamente inexistentes e as críticas por todos os lados.  As prioridades da “Alta Representante da Política Externa” européia, Catherine Ashton, continuam gerando um descontentamento crescente entre os governos dos vinte e sete países do Bloco.

Ontem, dia 4 de março, Ashton anunciou que “não vê necessidade” de ir à Cúpula entre a União Européia e o Marrocos, que será realizada neste final de semana, gerando críticas em diversos setores da Comunidade Européia, principalmente porque a Alta Representante começa a ser conhecida por suas ausências nos encontros que são importantes para o Bloco.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

NO INÍCIO DAS VISITAS PELA REGIÃO, HILLARY CLINTON SE PRONTIFICA A MEDIAR O CONTENCIOSO DAS FALKLANDS/MALVINAS. É O PRIMEIRO RECADO PARA O BRASIL

A Secretária de Estado do governo dos EUA, Hillary Clinton, fez elogios à postura da Argentina em relação ao problema iraniano. Aproveitou o momento e colocou-se à disposição para mediar o atual contencioso entre argentinos e britânicos, em relação às ilhas Falklands/Malvinas.

Analistas ainda especulam sobre as razões deste pequeno percurso pelo continente, afirmando que não há plano específico e definido para configurar a nova política externa dos EUA na região. Os objetivos, contudo, são mais amplos que os de estabelecerem, reafirmarem ou recuperarem relações com os países que estão sendo visitados.

ANÁLISES DE CONJUNTURA

HAITI: A DIPLOMACIA BRASILEIRA, ENTRE O FRACASSO E A ORTODOXIA IDEOLÓGICA

A senhora Myrlande é médica e mãe de três filhos. Nunca pensava em deixar o seu país, o Haiti. Porém, depois da última visita do presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, na quinta-feira, 25 de fevereiro, mudou de idéia.

Numa declaração, a profissional haitiana disse: “se a comunidade internacional adotar a posição de Lula para canalizar as ajudas através do governo corrupto de René Preval, deixarei este país definitivamente com minha família”. (Fonte: http://www.reseaucitadelle.blogspot.com/).