DIPLOMACIA CORPORATIVANOTAS ANALÍTICASTecnologia

Google mobiliza esforços para oferecer redes sem fio em mercados emergentes

De acordo com matéria publicada no “The Wall Street Journal[1], o Google está mobilizando esforços para oferecer redes sem fio e computação acessível aos mercados emergentes, como a África Subsariana e o Sudeste Asiático.

Em busca de ampliar seu alcance, a empresa planeja a introdução das redes sem fio fora das grandes cidades, onde as conexões com fio não são possíveis. Este movimento poderá levar a Internet para mais de um bilhão de pessoas.

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONALTecnologia

O “Programa Nuclear” Iraniano e o “Poder Cibernético” do país

Em 12 de março passado, o “Diretor de Inteligência Nacional” dos “Estados Unidos da América” (EUA), James Clapper, apresentou para a “Comissão do Senado” estadunidense um informe sobre a avaliação das principais ameaças mundiais. Tal documento ressalta o Programa Nuclear Iraniano e a Segurança Cibernética. Para exemplificar, citou a ação de negação de serviço (colocação de sites fora do ar) que sofreram alguns sítios da internet, como alguns Bancos e, em 2012, a maior empresa saudita, a Aramco[1].

AMÉRICA DO NORTENOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONALTecnologia

Área de tecnologia nos EUA se movimenta para apoiar reformas imigratórias

No último dia 10 de abril, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, escreveu um editorial no jornal “Washington Post” a respeito da criação do movimento político “FWD.us” (Forward.Us – em tradução livre, “EmFrente.Nós”).

Reunindo um número significativo de empresas de tecnologia, internet e mídias sociais, este grupo tem como objetivo principal criar mais uma força de pressão dentro dos Estados Unidos para acelerar o processo de reforma do sistema imigratório do país. Além do próprio Zuckerberg, fundadores e CEOs de empresas como Linkedin, Dropbox, Netflix, Groupon e Yahoo! fazem parte do grupo[1].

NOTAS ANALÍTICASTecnologia

“Capacidade Transoceânica das Telecomunicações” será ampliada com novo cabo submarino no Brasil

Na era dos satélites, as telecomunicações ainda dependem muito de um sistema que foi implantado em meados do século 19 e veio se desenvolvendo desde então. Trata-se dos cabos submarinos, que interligam países e continentes e permitem as pessoas se comunicarem por telefone, pela internet, a assistirem televisão ou que as empresas transmitam dados.

No Brasil, esses cabos são de extrema importância, dadas as dimensões do território. Há cabos submarinos por toda a costa brasileira, que conectam regiões do país e também pontos no exterior.

Neste cenário, a empresa “América Móvil”, um dos maiores grupos de telecomunicações do mundo, controladora das empresas Claro, Embratel e NET, anunciou[1] investimentos de 1 bilhão de reais no Brasil para a instalação do “Cabo Submarino AMX-1”, que conectará sete países e 11 pontos de destino, ampliando a capacidade transoceânica que interliga os EUA, “América Central” e o Brasil.

NOTAS ANALÍTICASTecnologia

Governo Iraniano lança serviço semelhante ao Youtube e anuncia o avanço de sua “internet nacional”

No dia 9 de dezembro, o Irã lançou o portal mehr.ir, uma espécie deYouTubemantido pelo Governo do país. De acordo com o presidente da radiotelevisão iraniana (Irib), Lotfollah Siahkali, o objetivo é promover “produtos de valor”* na rede. “A partir de agora, as pessoas podem utilizar o site para postar seus vídeos ou ver as produções da TV iraniana”*, declarou Siahkali durante o anúncio do portal.

Ele solicitou aos usuários que postem vídeos sobre as celebrações da “Ashura”, uma das datas mais importantes do calendário xiita, para que “as pessoas de todo o mundo possam se familiarizar com a cultura iraniana”*. Aparentemente, o portal funciona como o “Youtube”, com vídeos enviados pelos usuários.