AMÉRICA DO NORTEÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Intervir ou não intervir: a difícil decisão de Barack Obama no conflito sírio

Barack ObamaOs recentes bombardeios aéreos efetuados por Israel, em Damasco, no domingo passado, criaram uma sensação de urgência em Washington sobre uma possível intervenção norte-americana mais efetiva no conflito, em que pese a prudência do presidente Barack Obama, ao que tudo indica, por pretender esgotar as vias diplomáticas antes de ordenar qualquer ação[1].

Por outro lado, o risco de uma proliferação de armas químicas na Síria, dadas as dúvidas não só sobre a natureza da oposição, bem como se  o regime de Bashar al Assad não fará seu uso como último ato de sobrevivência, apenas contribui para aumentar a incerteza e a preocupação geral sobre as consequências desse conflito. Especialistas indicam que a Administração norte-americana se encontra em  processo de decidir o passo seguinte e a cada dia vislumbra uma ação de caráter militar[1].

AMÉRICA DO NORTENOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Representantes de Israel nas negociações com a Palestina vão aos EUA se reunir com John Kerry

Nesta quinta feira, a “Ministra da Justiça israelense”, Tzipi Livni, e o enviado especial do primeiro ministro de Israel, Isaac Molho, chegaram a Washington para uma rápida visita. Livni e Molho foram aos Estados Unidos para se reunir com o Secretário de Estado norte-americano, John Kerry. Os representantes de Israel nas negociações com a Palestina realizaram a viagem com o objetivo de enfocar os esforços pretendidos pelos EUA no processo de paz no Oriente Médio. 

AMÉRICA DO NORTENOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Segundo John Kerry, a possibilidade de um acordo de paz entre Israel e Palestina está se esgotando

O Secretário de Estado norte-americano, John Kerry, terminou sua visita a Israel e à Cisjordânia na semana passada, dia 9 de Abril. Antes de sua partida conseguiu uma conquista: a promessa do Primeiro Ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em auxiliar no avanço de projetos econômicos palestinos na Cisjordânia. O objetivo seria aumentar a possibilidade de um “Acordo de Paz”.

No entanto, na última quarta-feira, Kerry ressaltou a dificuldade que enfrentará no caminho para uma possível paz no Oriente Médio. O “Secretário de Estado dos EUA” afirmou que será necessária paciência em detalhes que envolvam qualquer plano de dois Estados e disse que os governos de Israel e da Palestina possuem no máximo dois anos para resolver a questão.

AMÉRICA DO NORTENOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONALTecnologia

Área de tecnologia nos EUA se movimenta para apoiar reformas imigratórias

No último dia 10 de abril, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, escreveu um editorial no jornal “Washington Post” a respeito da criação do movimento político “FWD.us” (Forward.Us – em tradução livre, “EmFrente.Nós”).

Reunindo um número significativo de empresas de tecnologia, internet e mídias sociais, este grupo tem como objetivo principal criar mais uma força de pressão dentro dos Estados Unidos para acelerar o processo de reforma do sistema imigratório do país. Além do próprio Zuckerberg, fundadores e CEOs de empresas como Linkedin, Dropbox, Netflix, Groupon e Yahoo! fazem parte do grupo[1].