AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Crisis humanitaria por masiva llegada de venezolanos a Colombia

Colombia estudiará declarar una emergencia social y económica en departamentos fronterizos con Venezuela, declaro en días recientes el canciller Carlos Holmes Trujillo. Así mismo el Ministro de Relaciones Exteriores ha reiterado atención por parte de la comunidad internacional. De acuerdo con datos suministrados por la ONU, se estima que por lo menos 3 millones de venezolanos han migrado, de ellos cerca de 1 millón reside en Colombia. Otro dato que resulta alarmante para las instituciones colombianas, que no logran suplir necesidades básicas para quienes llegan del vecino país, es el hecho que cerca de 35 mil venezolanos cruzan diariamente la frontera, algunos buscan artículos de primera necesidad y otros abandonan definitivamente Venezuela.

Migrantes Venezolanos atraviesan Los Andes Colombianos

En las últimas semanas han muerto por lo menos 30 venezolanos intentando cruzar a pie Los Andes Colombianos, en algunos puntos las carreras llegan a remontar hasta los 4 mil metros. De acuerdo con la cruz roja, las muertes han estado relacionadas con hipotermia, paros respiratorios y agotamiento físico severo. Según Migración Colombia, mientras en 2015, en los departamentos fronterizos de Santander y Norte de Santander, fueron atendidos en centros médicos 89 ciudadanos del vecino país, en 2016 la cifra fue de 664 personas, para el año siguiente, 2017, se elevó a 5.605 y a mediados de este año (2018), el numero sobrepaso las 12 mil personas atendidas.

Frente a este drama que también se replica en otros países de la región, el dirigente venezolano Dioslado Cabello replico: “No les parece sospechoso que hay fotos en Perú caminando por la orilla de la carretera, en Ecuador caminando por la orilla de la carretera (…) parece que eso fuese luces, cámara, acción”.

La masiva migración de venezolanos genera tensiones en países receptores. Ecuador y Perú exigen pasaporte como una medida preventiva, Brasil ha militarizado la frontera luego de registrarse hechos violentos frente a migrantes por parte de ciudadanos en pequeñas ciudades del estado de Roraima.

———————————————————————————————–

Fuente de las Imágenes:

Imagem 1Migración de venezolanos hacia Colombia en puesto fronterizo de la ciudad de Cúcuta” (Fonte):

https://www.cfr.org/report/venezuelan-refugee-crisis

Imagen 2 “Migrantes Venezolanos atraviesan Los Andes Colombianos” (Fuentes):

https://www.cec.org.co/sistema-informativo/iglesia-colombiana/di%C3%B3cesis-de-c%C3%BAcuta-ayuda-caminantes-venezolanos

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Colômbia é a 5ª marca país mais valorizada da América Latina

A Colômbia ocupa o 5º lugar na América Latina no ranking mundial de marcas país mais valorizadas, de acordo com o relatório Nation Brands 2017 da consultora Brand Finance.  A marca colombiana teve crescimento de 32%, em relação a 2016, e aparece na 40ª posição na classificação mundial de 100 países, com 4 nações latinas à frente: México, Brasil, Argentina e Chile.

A metodologia utilizada pela Brand Finance se assemelha à avaliação feita para marcas de empresas e considera 3 eixos: 1) Investimento em governança, marketing, gestão e desenvolvimento de pessoas; 2) Sociedade (corrupção, segurança, sistema jurídico, imagem, qualidade de vida e ética) e; 3) Bens e Serviços de governança, de marketing e de turismo. No relatório, os Estados Unidos detêm o 1º lugar, como marca mais valiosa por investimentos e resultado; Cingapura (27º lugar na classificação geral) aparece como a mais forte, especialmente pelos investimentos em capacitação de pessoas; e a Islândia (101º lugar geral) aponta como a de maior crescimento (83% em relação a 2016).

Marca Colômbia

Outra empresa, a Future Brand, apresenta estudo similar onde a Colômbia aparece na 10ª posição no relatório Country Brand Report 2017-2018 da América Latina. Conforme consta no documento “A FutureBrand levantou dados quantitativos e qualitativos de 2.500 formadores de opinião e de frequentes viajantes internacionais, a negócios ou a lazer, em 15 países”. O método empregado levanta percepções em duas dimensões: a) experiência com produtos “Made in país”, com viagens de turismo e com aspectos culturais e de patrimônio e b) propósito, relacionado ao sistema de valores, aptidão para os negócios e qualidade de vida.

A marca país se compõe de um conjunto de atributos, capaz de atrair turistas e investidores estrangeiros, e os países investem na divulgação com objetivo de dinamizar a economia e possibilitar o seu desenvolvimento. Um caso emblemático é dos Emirados Árabes Unidos (EAU), outrora conhecido apenas como um dos dez maiores produtores de petróleo e membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). O país passou a investir em obras de infraestrutura e promoção como destino turístico,  tendo como carro-chefe a cidade de Dubai. Há cerca de dez anos, Dubai já recebia a mesma quantidade de turistas que o Brasil (5 milhões anuais) e, em 2016, chegaram a 14,9 milhões de visitantes, mais que o dobro dos 6,6 milhões de turistas que visitaram terras brasileiras no mesmo ano. Seguindo o exemplo, o Qatar, outro pais membro da OPEP, vai sediar a Copa do Mundo de Futebol 2022, de olho nas oportunidades de investimento e alavancagem da indústria do turismo e da economia como um todo.

A análise do Country Brand Report 2017-2018 evidencia que a Colômbia apresenta razoável potencial para negócios e é reconhecida pelo seu patrimônio e cultura, o que gera um potencial de atração turística. A nota mais baixa é no quesito Segurança do item Qualidade de Vida e, na avaliação do Global Peace Index 2018, que mede o nível de segurança e de ausência de conflitos, a Colômbia aparece na 145ª posição, numa classificação de 163 países. Em que pese os esforços e êxitos do país, inclusive reconhecidos pela ONU, estará nas mãos de Ivan Duque, Presidente da República da Colômbia, empossado no último dia 7 de agosto de 2018, dar continuidade ao trabalho de melhoria das condições do país e, por conseguinte, da “Marca Colômbia”.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Colombianas” (FonteImagem do Facebook da Colombia Travel):

https://scontent.fssa17-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/35728608_10156589701856941_6937079426714697728_n.jpg?_nc_cat=0&oh=d78aa3464f1ad203dfc2cc63c0692d2e&oe=5C3ABDE5

Imagem 2 Marca Colômbia” (Fonte):

https://www.facebook.com/marcacolombia/photos/a.10150091644062002/10156632145907002/?type=3&theater

AMÉRICA LATINAÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Representantes latinoamericanos se reúnen con presidenta de Taiwan

La presidenta de Taiwan, Tsai ing-wen, realizó una visita oficial el pasado 14 de agosto al Paraguay. Dentro de la agenda para esos días, se inauguró una universidad local, establecida de manera conjunta entre ambos gobiernos, así mismo la representante Taiwanesa hizo presencia en la ceremonia de investidura del presidente electo Mario Abdo Benítez. El viaje de la presidenta de Taiwán continuo luego hacia Belice, donde fue recibida por una comitiva del gobierno del país centro americano. Lo anterior se enmarca en la pugna diplomática que ha mantenido la isla frente a China, de esta forma Taiwan busca abrir reconocimiento internacional en el mundo frente al poder chino que ha buscado bloquear las relaciones de esta provincia autónoma.

Taiwán, del tamaño de Cataluña, es una isla ubicada al sur de China, con más de 23 millones de habitantes. Tiene como capital Taipei, oficialmente recibe el nombre de República de China, y debe diferenciarse de la República Popular China, la cual considera que forma parte como provincia autónoma.

Presidenta de Taiwan, Tsai ing-wen

La diplomacia para Pekín y Taipei han sido el principal escenario de disputa en los últimos 50 años, luego de perder su asiento ante las Naciones Unidas en 1971. Desde entonces progresivamente la gran mayoría de países del mundo han suspendido las relaciones con la isla para fortalecer los lazos con la China continental. Pero con la actual presidenta Taiwanesa, que ha buscado fortalecer lazos con varios países en detrimento de China, se ha instalado un escenario de disputa entre ambos gobiernos.

En la actualidad, la relación entre China y su considerada provincia autónoma se encuentra congelada, los escenarios de dialogo se han visto opacadas por el aumento de actividad militar de China, para lo cual Taiwán, que cuenta con su propio Ejército, mantiene una actitud defensiva.

Es así como el viaje de la presidenta de Taiwán resulta estratégico, luego que los países visitados hacen parte de un total de 18 naciones con las que mantiene relaciones oficiales, 10 de la cuales se encuentran en Latinoamérica. Para Taiwán mantener estos vínculos resulta perentorio, luego que su no reconocimiento internacional podría generar un aislamiento total.

Es de esta manera como China busca hacer presión para que solo sea reconocida la China continental. En este sentido el año pasado (2017), Panamá de manera oficial rompió relaciones con Taiwán y fortaleció sus relaciones con chinos continentales. Cabe destacar que China en los últimos 12 años, ha prestado más de 150 mil millones de dólares a Bancos de inversión por toda Latinoamérica, además de mega proyectos de infraestructura en diferentes países de la región. 

———————————————————————————————–

Fuentes das Imágenes:

Imagen 1 Isla de Taiwan” (Fuente):

https://es.wikipedia.org/wiki/Isla_de_Taiw%C3%A1n#/media/File:LocationTaiwan.svg

Imagen 2 Presidenta de Taiwan, Tsai ingwen” (Fuente):

https://es.wikipedia.org/wiki/Anexo:Presidentes_de_la_Rep%C3%BAblica_de_China#/media/File:%E8%94%A1%E8%8B%B1%E6%96%87%E5%AE%98%E6%96%B9%E5%85%83%E9%A6%96%E8%82%96%E5%83%8F%E7%85%A7.png

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Forças Armadas do Equador recebem mulheres para serviço voluntário pela primeira vez

No dia 4 de agosto de 2018, centenas de equatorianas maiores de 18 anos compareceram às instalações das Forças Armadas do Equador para se alistarem para o serviço militar pela primeira vez. Neste primeiro momento, o projeto piloto irá acolher 199 cidadãs, para prestação do serviço voluntário por 12 meses, em quartéis localizados na capital, Quito, e nas cidades de Cuenca, Guayaquil e Manta.

Mulher em treinamento no Exército Equatoriano

Por ocasião das comemorações dos 189 anos do Exército Equatoriano, em fevereiro de 2018, o presidente Lenín Moreno anunciou o plano para aumentar a presença feminina nas corporações militares. Segundo informação divulgada pelo Comando Conjunto das Forças Armadas do país andino, as 199 vagas estão assim distribuídas: a) Exército com 150 vagas alocadas  igualmente em Quito, Cuenca e Guayaquil; b) Marinha com 25 em Guayaquil e; c)  Força Aérea com 24 em Manta, na Província de Manabí.

De acordo com a última versão (2016) do Atlas Comparativo da Defesa na América Latina e Caribe  do think tank Red de Seguridad y Defensa de América Latina (Resdal), os quatro países latino-americanos com maiores percentuais de mulheres nas forças armadas são:  República Dominicana (21,76%), Venezuela (21%), Uruguai (18,02%) e Argentina (17,01%). Costa Rica, Haiti e Panamá são analisados separadamente na publicação, por serem países que não possuem Forças Armadas, por determinação constitucional, embora tenham serviços de polícia nacional, vigilância aérea e guarda-costeira. 

Segundo os dados do Atlas, o Equador é o penúltimo no ranking da região em percentual de presença feminina no conjunto das três armas (2,90%), acima apenas da Bolívia (1,95%). No país, as cerca de 1.400 mulheres exercem atividades especializadas, o serviço militar não é obrigatório e o alistamento voluntário era direcionado somente aos homens, razão pela qual o Ministério da Defesa  considerou a mudança como um fato histórico. Com esta medida, a prestação do serviço voluntário temporário abrirá vagas duas vezes no ano, março e agosto, e ampliará gradativamente o número de mulheres. Desta forma, o Governo estará realizando o serviço militar voluntário “no marco do respeito à diversidade e aos direitos” e garantindo que as pessoas “não serão discriminadas”, conforme preconizado nos Artigos 160 e 161 da Constituição da República do Equador.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Equatorianas se apresentam para o serviço militar voluntário” (Fonte):

https://www.defensa.gob.ec/wp-content/uploads/2018/08/WhatsApp-Image-2018-08-04-at-3.31.43-PM-768×512.jpeg

Imagem 2 Mulher em treinamento no Exército Equatoriano” (Fonte):

https://www.defensa.gob.ec/wp-content/uploads/2018/08/MUJER-DEFENSA-35-768×512.jpg

                                                                                             

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

México apoia Michelle Bachelet para novo cargo na ONU

De acordo com a Secretaria de Relações Exteriores (SRE) mexicana, na última quarta-feira (dia 8 de agosto), o Governo saudou a decisão do Secretário-Geral das Nações Unidas de propor à Assembleia Geral da Organização a nomeação de Sua Excelência a Sra. Michelle Bachelet, para assumir o cargo de Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, por um período de quatro anos a partir de setembro próximo.

Michelle Bachelet em debate televisionado

A este respeito, o Governo do México felicitou a Sra. Bachelet por esta nomeação, apoiando a sua imediata ratificação pela Assembleia Geral da ONU. Segundo o governo mexicano, Bachelet não é apenas uma ilustre latino-americana, mas também uma figura fundamental no campo dos direitos humanos e dos direitos das mulheres, que, sem dúvida, fará uma contribuição valiosa como novo Alto Comissário, uma vez ratificado.

Além de ter sido Presidente da República do Chile (entre 2006–2010 e 2014–2018), Bachelet foi a primeira Presidente pró tempore da União de Nações Sul-Americanas, e a primeira encarregada da ONU Mulheres, agência das Nações Unidas para a igualdade de gênero.

O México reconheceu ainda o papel de Sua Excelência Zeid Ra’ad al-Hussein, nacional da Jordânia, que ocupou esta posição nos últimos quatro anos.

Por fim, o Governo mexicano ressaltou a importância do papel do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos e reafirmou seu compromisso de continuar trabalhando em apoio a seu importante mandato.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Bandeiras nacionais, em frente à sede da ONU” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Bandeira

Imagem 2Michelle Bachelet em debate televisionado” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Michelle_Bachelet

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Equador poderá se tornar Estado Associado da Aliança do Pacífico

A Aliança do Pacífico (AP) aceitou o pedido de vinculação do Equador como Estado Associado do grupo. O aceite foi formalizado por meio da Declaração de Puerto Vallarta, assinada pelos Presidentes dos países associados, em 24 de julho de 2018, no encerramento da XIII Cúpula da Aliança do Pacífico, na cidade mexicana que dá nome ao documento.

Membros associados e observadores da Aliança do Pacífico

A Aliança do Pacífico foi criada em junho de 2012, pelo Chile, Colômbia, México e Peru, para ser “um mecanismo de articulação política, econômica, de cooperação e integração que busca encontrar um espaço para impulsionar um maior crescimento e maior competitividade das quatro economias que a integram”. A estrutura de gestão consiste em um colegiado dos Presidentes das quatro Repúblicas, um Conselho de Ministros e a Presidência Pró-Tempore, no momento exercida pela Colômbia. Além destes quatro, conta nos cinco continentes com 55 Estados Observadores, dos quais, cinco estão em processo de análise para se tornarem Associados: Austrália, Canadá, Cingapura, Coreia do Sul e Nova Zelândia.

O Equador foi aceito como membro observador em maio de 2013, durante a gestão de Rafael Correa (2007-2017), entretanto, ele via com restrições a instituição. Em uma palestra na Universidade de Sorbonne, na França, em novembro de 2013, o mandatário argumentou que diferentemente dos arranjos como a Unasul, que buscavam uma real integração dos povos sul-americanos, a Aliança do Pacífico atendia interesses das grandes potências de fazer do continente apenas um grande mercado consumidor. Cerca de um ano depois do ingresso como observador, Correa descartou a possibilidade de vinculação do país como associado do Bloco e afirmou que estariam mais alinhados com a visão econômica do Mercosul, mesmo assim, com a entrada sujeita a um prévio estudo de custos versus benefícios.

O Equador compõe a Comunidade Andina (CAN), juntamente com três dos quatro membros da Aliança – Chile, Colômbia e Peru –, com os quais mantém relações  comerciais, inclusive realizam juntos rodadas de negócios desde 2012. Correa via a CAN com distinção, tanto que nunca desvinculou o país da Comunidade, embora rejeitasse o acesso à AP. Para o atual governo de Lenín Moreno este vínculo comercial pré-existente com três quartos dos integrantes da Aliança, juntamente com a existência de um antigo acordo básico bilateral com o México, justificam a maior aproximação, além de trazer a perspectiva de fortalecer a relação com os outros cinco países que pleiteiam se tornar igualmente associados. 

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 XIII Cúpula da Aliança do Pacífico no México” (Fonte):

https://alianzapacifico.net/cloudcomputing/iadb-org/serverhosted/alianzapacifico/multimedia/archivos/28708364347_004289165d_z.jpg

Imagem 2 Membros associados e observadores da Aliança do Pacífico” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Alian%C3%A7a_do_Pac%C3%ADfico#/media/File:Pacific_Alliance.svg