AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

ONU alerta sobre masivos desplazamientos en Colombia

En el país Latinoamericano se vive un incremento en el número de desplazados internos por cuenta del conflicto armado. El aumento de hechos violentos luego de la firma de los acuerdos de paz de La Habana* ha dejado miles de comunidades en medio de la confrontación. Las disputas enfrentan el grupo guerrillero ELN, bandas criminales -bacrim- y disidencias de las FARC**, quienes buscan hacerse con el control territorial. Departamentos como Nariño, Norte de Santander, Antioquia y Boyacá, están entre los más afectados.

Desplazamiento masivo en Colombia

Según ACNUR -agencia de la ONU para los refugiados- Colombia figura como el país con más desplazados internos en el mundo. Es así como en el 2017 se calcula que por lo menos 91.421 personas fueron desplazadas de manera forzosa, de esta alarmante cifra no se tiene registro de ningún retorno y, por el contrario, durante el trascurso del 2018 viene en un progresivo aumento.

En los últimos días OCHA -oficina de la ONU para la coordinación de asuntos humanitarios- alerto por el desplazamiento masivo en el departamento de Nariño. Se reportó que 462 personas, quienes habitaban el municipio de Roberto Payan, se desplazaron hacia los cascos urbanos de municipios cercanos. Familias enteras llegaron a los albergues dispuestos por organismos nacionales, sin embargo, ante la magnitud de la grave situación la ayuda suministrada no logra suplir las necesidades básicas de las personas que llegan apenas con los enseres que pueden cargar.

Los enfrentamientos entre grupos armados ilegales se dan por la disputa en el control del negocio del narcotráfico. La frontera con Venezuela y la región pacifica han sido las más afectadas.

Durante los diálogos de paz entra las FARC y el gobierno nacional se registraron los menores reportes en desplazamientos forzados, sin embargo, con la salida del grupo guerrillero de los territorios, se han librado confrontaciones armadas de alta intensidad. Se espera de esta manera que la implementación de los acuerdos de paz logré llevar la presencia del Estado a estos territorios, los cuales históricamente han estado en medio del conflicto armado. Es así como la presencia del Estado en estos territorios no solo debe estar representada en la fuerza pública, sino además en instituciones de salud, educación y servicios. Cabe anotar que muchas de estas áreas en disputa cuentan con importantes yacimientos de recursos minerales, son potenciales destinos turísticos y lugares de relativa importancia para la investigación científica.

———————————————————————————————–

Notas de pie de página:

Los acuerdos o diálogos de paz de La Habana son el resultado de negociaciones entre el gobierno de Colombia y las FARC, sintetizados en seis puntos (1. Lucha contra la pobreza rural; 2. Participación política; 3. Cese el fuego y entrega de armas; 4. Lucha contra las drogas ilícitas; 5. Reparación para las víctimas y justicia transicional; 6. Garantías de cumplimiento del acuerdo), a partir de los cuales se “pretenden contribuir a las transformaciones necesarias para sentar las bases de una paz estable y duradera

** Grupo guerrillero Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia – FARC. En la actualidad Fuerza Alternativa Revolucionaria del Común – FARC, este último, partido político que nació como producto de los acuerdos de La Habana

———————————————————————————————–

Fuentes das Imágenes:

Imagen 1 Colombia, el país con mayor número de desplazados internos en el mundo” (Fuentes):

https://es.wikipedia.org/wiki/Desplazamiento_forzado_en_Colombia

Imagen 2 Desplazamiento masivo en Colombia” (Fuente):

https://tierracolombiana.wikispaces.com/Desplazamiento+en+Colombia

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Oleada de violencia en Nicaragua

De acuerdo con el informe final entregado por la Comisión Interamericana de Derechos Humanos-CIDH*, se ha confirmado que, en Nicaragua, desde el inicio de las protestas, 264 personas han perdido sus vidas y por lo menos 1.800 más han resultado heridas. Esto por cuenta de la crisis sociopolítica que vive este país centroamericano. El documento fue conocido en la intervención realizada por el brasileño Paulo Abrão, secretario ejecutivo de la CIDH, ante el consejo permanente de la organización de Estados Americanos (OEA).

Localización de Nicarágua

Otras organizaciones humanitarias denuncian el fallecimiento de por lo menos 351 personas en los últimos tres meses. Antes estas cifras, el gobierno nacional, encabezado por el presidente Daniel Ortega**, se ha referido sobre el interés de grupos extranjeros en la desestabilización del país.

La escalada de violencia inicio a mediados del mes de abril, cuando protestas populares manifestaban en las calles de las principales ciudades desacuerdos en la reforma del seguro social, la cual crea una nueva cotización para los jubilados. Estas medidas pretendían ser ejecutadas con el fin de sanear las finanzas del gasto público, cuyo déficit viene aumentando en los últimos 6 años.

La preocupación internacional ha aumentado en las últimas semanas, después que grupos parapoliciales atacarán sectores campesinos y otros protestantes que han bloqueado vías o han manifestado en contra del gobierno. De Igual forma se han presentado denuncias por violaciones sexuales, torturas y daños a establecimientos públicos.

El gobierno del país centroamericano ha adelantado mesas de dialogo con el fin de disminuir la violencia, otros sectores sociales exigen elecciones anticipadas o la dimisión del actual primer mandatario.  

———————————————————————————————–

Notas de pie de página:

La CIDH es un órgano principal y autónomo de la Organización de los Estados Americanos (OEA), cuyo mandato surge de la Carta de la OEA y de la Convención Americana sobre Derechos Humanos. La Comisión Interamericana tiene el mandato de promover la observancia y la defensa de los derechos humanos en la región y actúa como órgano consultivo de la OEA en la materia. La CIDH está integrada por siete miembros independientes que son elegidos por la Asamblea General de la OEA a título personal, y no representan sus países de origen o residencia.

** Daniel Ortega, fue presidente por primera vez entre 1979 y 1990. Ha sido uno de los líderes del Frente Sandinista de Liberación Nacional, hizo parte de la Revolución Sandinista que derroto la dictadura militar de la familia Somoza (1934 – 1979). Presidente de Nicaragua desde el año 2007.

———————————————————————————————–

Fuentes das Imágenes:

Imagen 1 Protestas en Nicaragua” (Fuentes):

https://es.wikipedia.org/wiki/Protestas_en_Nicaragua_de_2018#/media/File:Protestas_en_Nicaragua_de_2018.png

Imagen 2 Localización de Nicaragua” (Fuente):

https://es.wikipedia.org/wiki/Protestas_en_Nicaragua_de_2018#/media/File:Protestas_en_Nicaragua_de_2018.png

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Presidente do Equador pede devolução de edifício onde funciona sede da Unasul

O presidente Lenín Moreno, do Equador, declarou que vai solicitar a devolução do edifício que serve de sede à União de Nações Sul-Americanas (Unasul). O anúncio aconteceu na cidade de Latacunga, em 6 de julho de 2018, quando o mandatário assinou um Decreto criando a Secretaria de Educação Intercultural Bilingue e informou que a Universidade Indígena poderá ter como sede o imóvel ocupado pela Organização.

A Unasul, que comemorou em 23 de maio de 2018 os dez anos da assinatura em Brasília do seu Tratado Constitutivo, ocupa uma construção que, de acordo com a CNN, foi doada à instituição em 2014 pelo então presidente Rafael Correa. O edifício custou cerca de 40 milhões de dólares aos cofres do Governo equatoriano e leva o nome de Nestor Kirchner, ex-Presidente da Argentina e primeiro Secretário-Geral da Organização, de 4 de maio de 2010 até 27 de outubro do mesmo ano, data do seu falecimento.

Marca de 10 anos da Unasul

Uma crise está instalada na Unasul desde que seis países-membros (Argentina, Brasil, Chile, Colombia, Paraguai e Peru) informaram à Presidência Pró-Tempore, ora em mãos da Bolívia, a saída temporária da instituição até perceberem resultados concretos que garantam o seu funcionamento adequado. Restaram como participantes Bolívia, Equador, Guiana, Suriname, Uruguai e Venezuela.

Na ocasião da ruptura, o jornal El Universo, do Equador, noticiou que o Chanceler do Chile queixou-se de que o organismo estaria parado há mais de um ano e meio, não ajuda na integração regional e não é capaz de resolver os problemas, funcionando por veto. Ainda segundo o periódico, o Chanceler da Bolívia teria responsabilizado a Argentina, que acabara de transferir a Presidência Pró-Tempore, por ter deixado pendências, dentre elas a escolha do novo Secretário-Geral.

Lenín Moreno justificou a solicitação de devolução do prédio dizendo que a Unasul não está cumprindo seu papel e que metade dos integrantes já se retiraram. Rafael Correa, que antecedeu Moreno na Presidência do Equador e hoje vive na Bélgica, manifestou-se contrário à medida e parafraseou o atual mandatário para dizer que se a devolução do edifício está sendo pedida porque a Unasul não funciona, então, pela mesma lógica, o Governo do Equador deveria ser devolvido ao povo. Correa também questionou se o movimento indígena seria cúmplice da destruição da entidade de integração, no que foi rechaçado pelo Presidente da Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie), que defendeu a decisão de Moreno.

Segundo o jornal El Comercio, a escritura de doação do imóvel, que seria de 2016 e não de 2014, como informa a CNN, prevê 3 situações para a devolução: 1) decisão unânime de todos os Estados-membros de transferir a sede para outro país; 2) decisão consensual dos doze integrantes de extinguir o Tratado Constitutivo, por conseguinte, a Unasul; 3) o Equador denunciar o Tratado, ou seja, retirar-se da entidade, decisão esta que deve ser aprovada pelo Congresso daquele país.

Em princípio, não estaria prevista, portanto, a forma anunciada pelo Chefe do Executivo do Equador que, ao afirmar que a Unasul deveria ser alocada em outro espaço, gerou interpretações diversas, alguns entendendo que o Governo equatoriano ofereceria outro espaço, outros achando que o Organismo seria convidado a abandonar o país. Moreno, apesar das críticas, manifestou-se a favor da integração, já a Unasul não fez qualquer pronunciamento, certamente aguardando a formalização para melhor compreender o que de fato será pedido e proposto.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Edíficiosede da Unasul, em Quito, Equador” (Fonte):

https://scontent.fssa17-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/544929_1528274250746728_3313924531770334689_n.png?_nc_cat=0&oh=123c210fc02a25da53857209f5ca3d4c&oe=5BCED53B

Imagem 2 Marca de 10 anos da Unasul” (Fonte):

https://scontent.fssa17-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/18010801_1898216140419202_8819412412876535338_n.png?_nc_cat=0&oh=aa059d844c5fc08071da5f7d7b2c498a&oe=5BD1C846

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Equador recebe visita de veleiros de marinhas de sete nações amigas

Entre os dias 28 de junho e 2 de julho de 2018, o Equador recebeu a visita de sete veleiros de forças navais de sete nações amigas. Os navios que aportaram na cidade de Guayaquil foram: Libertad (Argentina); Cisne Branco (Brasil); Esmeralda (Chile); Gloria (Colômbia); Cuauhtémoc (México);  Unión (Peru); Simón Bolívar (Venezuela). Além deles, o veleiro Guayas da Armada do Equador também integrou a visita.

Navio-escola Guayas da Armada do Equador

O motivo é um encontro internacional de grandes veleiros, cuja primeira edição aconteceu no ano de 2010 com o nome de Velas SudAmerica. Em 2012, por ocasião da XXV Conferência Naval Interamericana, realizada em Cancun, no México, decidiu-se repetir o evento a cada quatro anos com o nome de Velas LatinoAmerica. Em 2014, a Argentina esteve responsável pela organização e em 2018 a tarefa coube ao Chile, em razão do Bicentenário da Independência, dentre outros marcos históricos daquele país. Este ano (2018) participam 10 navios-escola de 9 nações latino-americanas, a saber: Argentina (2 navios); Brasil; Chile; Colômbia; Equador; México, Peru, Uruguai, Venezuela.  Um navio de Portugal (Sagres) e um da Espanha (Juan Sebastián de Elcano) completam o grupo, totalizando uma dúzia de barcos, todos a vela.

O roteiro começou em 25 de março de 2018, no Rio de Janeiro (Brasil), e quando se encerrar em Vera Cruz (México), no dia 2 de setembro, as naus terão completado mais de 12 mil milhas marítimas (cerca de 19 mil km) nos mares da América Latina e Caribe. Serão visitadas 17 cidades portuárias de 11 países, nesta sequência: Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, Peru, Equador, Panamá, Curaçao, Colômbia, República Dominicana e México.

Marinhas de diversos Estados possuem veleiros que são utilizados como navios-escola para treinamento dos marinheiros em navegação com e sem instrumentos. Eventos como o Vela LatinoAmerica permitem o exercício prático em condições diversas, o intercâmbio profissional entre os tripulantes e o contato com as populações das cidades do roteiro, uma vez que as embarcações são abertas à visitação pública. Por esta última atividade de relacionamento e projeção de imagem, estes barcos são freqüentemente referidos como “embaixadores” pelas respectivas marinhas.

Aproveitando a visita, a cidade equatoriana de Guayaquil, em conjunto com a Armada do Equador, promoveu o evento Guayaquil a Toda Vela 2018, com uma vasta programação que incluiu desfile náutico, visitas a bordo, recepção para Comandantes, festa para marinheiros visitantes e público em geral, festival cultural e náutico e desfile de tripulantes. O Guayaquil a Toda Vela foi lançado em 28 de maio de 2018, portanto um mês antes da chegada das naus participantes do Velas LatinoAmerica 2018. As autoridades municipais vislumbraram na visita uma oportunidade de divulgar a cidade de Guayaquil, estimular o aumento do fluxo turístico e a dinamização da economia.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Veleiros do Velas LatinoAmerica 2018 em Guayaquil, Equador” (Fonte):

http://www.velaslatinoamerica2018.cl/img/noticias/31a.jpg

Imagem 2 ”Navio-escola Guayas da Armada do Equador ” (Fonte):

http://www.velaslatinoamerica2018.cl/img/guayas.jpg

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Comunidade Andina das Nações executa projeto para eliminar roaming entre países membros

O Secretário-Geral da Comunidade Andina de Nações (CAN), Walker San Miguel, apresentou estudos visando a redução de custos de roaming entre os países membros do bloco. A apresentação foi feita em 13 de junho de 2018, na cidade de La Paz, capital da Bolívia, durante o evento denominado Economia Digital na Comunidade Andina.

O projeto irá beneficiar cidadãos andinos que se desloquem entre as nações da Comunidade (Bolívia, Colômbia, Equador e Peru) portando celulares registrados nas suas cidades de origem. A medida reveste-se de grande importância se considerarmos  que a CAN vem gradativamente adotando medidas para facilitar a circulação  intrarregional de pessoas e garantir direitos a trabalhadores migrantes na região, tais como: aceitação do documento de identidade nacional para turistas nativos dos países do Bloco (2001); criação do Passaporte Andino (2001) e adoção de padrão único de nomenclatura e segurança (2002);  adoção do Instrumento Andino de Migração Laboral (2003), seguidos do Instrumento Andino de Seguridade Social (2004) e do Instrumento Andino de Seguridade e Saúde no Trabalho (2004). O tráfego aéreo entre os quatro países foi superior a 5 milhões de passageiros em 2017, um aumento de 14,4% em relação a 2016, que atesta o  incremento no fluxo.

A proposta definitiva deverá ser apreciada por organismos deliberativos da CAN ainda em julho de 2018 para aprovação e implementação. Um dos órgãos internos que deverá apreciar a proposta é o Comitê Andino de Autoridades de Telecomunicações (CAATEL), que já vem adotando uma série de ações para promover a integração das telecomunicações na região. O CAATEL é formado por representantes das entidades encarregadas das políticas nacionais da área nos seus respectivos países.

Sistema Andino de Integração (SAI)

A iniciativa da CAN conta com o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina  (CAF), em regime de cooperação, uma vez que ambas as instituições são  integrantes do chamado Sistema Andino de Integração (SAI), que visa articular o trabalho das partes com objetivo de facilitar e aprofundar a integração dos países da Região dos Andes. O Secretário-Geral acredita que poderão reduzir a tarifa de roaming a zero  e informa que o sucesso dessa empreitada tornará os andinos pioneiros no continente, uma vez que, segundo ele mesmo, apenas a União Europeia conseguiu tal feito e, mesmo assim, após dez anos de negociações.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Evento de Economia Digital na Comunidade Andina” (Fonte): http://www.comunidadandina.org/StaticFiles/2018614112923DSC_0232.JPG

Imagem 2 Sistema Andino de Integração (SAI)” (Fonte): http://www.comunidadandina.org/StaticFiles/201508281536SAI.png

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Novo governante mexicano planeja acabar com as importações de combustível

Conforme estão nas declarações feitas na mídia, o Presidente eleito do México, Andrés Manuel Lopez Obrador, afirmou no último sábado (dia 7 de julho) que tentará acabar com as maciças importações mexicanas de combustível, quase todas dos Estados Unidos, durante os três primeiros anos de seu mandato, além de aumentar a capacidade de refino no país. “O objetivo é que deixemos de comprar gasolina estrangeira até o meio do meu mandato de seis anos”, declarou López Obrador, repetindo uma posição que ele estabeleceu durante a campanha. E complementou: “Vamos reavivar imediatamente nossa atividade de petróleo, exploração e perfuração de poços, para termos petróleo bruto”.

Instalação petrolífera

Na campanha eleitoral, ele apresentou seu plano de afastar o México da gasolina estrangeira como meio de aumentar a produção interna de petróleo bruto e de valor agregado, e não por se tratar de uma questão comercial com os Estados Unidos.

Reiterou neste sábado seu objetivo de construir uma grande refinaria de petróleo, ou duas refinarias de médio porte durante sua administração, que começa em 1º de dezembro próximo. Até agora, julho de 2018, o México importou uma média de 590.000 barris por dia de gasolina e outros 232.000 de diesel, já que a produção nas refinarias domésticas do país diminuiu constantemente.

As importações estrangeiras de gasolina cresceram quase dois terços, enquanto as importações de diesel mais do que dobraram desde 2013, o primeiro ano do mandato do presidente Enrique Peña Nieto, segundo dados da companhia nacional de petróleo Pemex. Enquanto isso, as seis refinarias de petróleo no México, de propriedade da mesma Pemex e operadas por ela, estão produzindo muito abaixo de sua capacidade, com uma média de 220.000 barris de gasolina até este momento de 2018.

Refinaria

Obrador também criticou fortemente a revisão constitucional de energia de 2013, que acabou com o monopólio da empresa e permitiu que as principais corporações internacionais de petróleo operassem campos por conta própria pela primeira vez em décadas. A revisão foi projetada para reverter 14 anos de produção de petróleo e já resultou em leilões competitivos que concederam mais de 100 contratos de exploração e produção para petrolíferas como a Royal Dutch Shell e a ExxonMobil. Conforme declarou: “O mais importante é resolver o problema da queda da produção de petróleo bruto. Estamos extraindo muito pouco óleo”.

Pelos dados divulgados, durante os primeiros cinco meses deste ano (2018), a produção de óleo cru mexicano ficou em média em torno de 1,9 milhão de barris, uma queda drástica em comparação com a produção de pico de quase 3,4 milhões em 2004, e 2,5 milhões em 2013.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Plataforma marinha de extração do petróleo da PEMEX no Golfo do México” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Petr%C3%B3leo

Imagem 2Instalação petrolífera” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Petr%C3%B3leo

Imagem 3Refinaria” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Petr%C3%B3leo