AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Colombia elegirá presidente en segunda vuelta

En el domingo 27 de marzo se llevó a cabo en Colombia la elección para presidente. Con una población aproximada de 50 millones de habitantes, se encuentran habilitados para votar 36.227.267 de personas, de los cuales 19.636.714 acudieron a las urnas (53%), a pesar de que casi la mitad de la población no voto, es la mayor votación registrada en la historia del país (abstenerse de votar es considerado legal). De acuerdo con datos oficiales, hubo un aumento del 12% en el número de personas que ejercieron su derecho al sufragio en comparación con las elecciones pasadas.

De acuerdo con la ley de este país, un candidato para ser elegido presidente por un periodo de cuatro años debe obtener la mitad más uno de los votos válidos, de lo contrario se realiza una segunda vuelta con los dos candidatos que obtuvieron la mayor votación.  Es así como tres candidatos que pertenecen a partidos políticos no tradicionales puntearon en las urnas. A continuación, se presentan algunos datos de los dos candidatos que disputan llegar a la Casa de Nariño* después del 17 de junio, cuando se realice la segunda vuelta, y también respectivamente se presentan aspectos del perfil del tercer candidato, quien por un estrecho margen no disputará la contienda electoral.  

Distribución en el mapa de los candidatos más votados

Iván Duque con el 39,14% (7.569.693 de votos), elegido por el expresidente Álvaro Uribe Vélez como su sucesor, recoge todo su electorado y de acuerdo con diversas vallas publicitarias busca que “Colombia no sea otra Venezuela” o enfrentar el llamado “castrochavismo”, neologismo que resulta de la combinación de las palabras castrismo y chavismo, haciendo referencia a ideologías de izquierda o de tipo comunista.  Para este candidato los acuerdos de paz realizados con la guerrilla de las FARC deben ser revisados y alterados. Es respaldado, entre otros, por el partido político conservador, un amplio sector de iglesias cristianas y de acuerdo con algunas encuestas divulgadas por medios de comunicación su electorado se centra en Medellín (segunda ciudad más importante del país), Antioquia y el eje cafetero. Teniendo una mayor favorabilidad con personas entre los 45 a 54 años. Su padrino político, actual senador Álvaro Uribe Vélez, tiene 28 procesos en la corte suprema de justicia, algunos casos son acusaciones de asesinatos de defensores de derechos humanos, vínculo con grupos armados ilegales, asesinato de testigos, saboteos informáticos, entre otros, lo que aún está bajo investigación y necesita ser probado.

Gustavo Petro alcanzando el 25,7% (4.851.254), quien se presenta como una opción de izquierda, fue exguerrillero del M-19, este grupo con una ideología de tipo social demócrata tuvo como fundadores estudiantes universitarios y surgió a raíz de un fraude electoral el 19 de abril de 1970, que dio como ganador a Misael Pastrana Borrero (Partido Conservador) sobre el general Gustavo Rojas Pinilla. Petro respalda de forma plena los acuerdos de paz firmados con las FARC y reconoce la necesidad de finalizar el proceso de paz con la guerrilla del ELN. Es acusado por el manejo de Bogotá durante su administración y aplaudido por otros por lo mismo, tiene una fuerte base electoral en Bogotá y en la costa caribe colombiana, con una disposición de votación en la población entre los 18 a 24 años. En los debates electorales ha predominado en el desarrollo en temas como educación, conflicto, reducción de la pobreza y uso de energías renovables.

Finalmente, Sergio Fajardo quien a pesar de no pasar a la segunda vuelta resulta importante por su alta votación, electorado que debe elegir entre los dos primeros candidatos, obtuvo el 23,73% (4.589.696). Reunía la llamada coalición Colombia de la que hacían parte partidos como el Polo Democrático y el movimiento compromiso ciudadano. Es conocido por su trabajo como docente universitario, talante que ha utilizado para convocar su electorado. Considera que la polarización política resulta nociva, se ha apartado de la confrontación entre Álvaro Uribe y el actual presidente Juan Manuel Santos. Tiene como baluarte la lucha contra la corrupción y el fomento de la educación, según algunos analistas políticos este candidato tiene una característica de “outsider” (un candidato político que emerge fuera del sistema tradicional político)

De ahora en adelante comienza una carrera por quien logre sumar la mayor cantidad de apoyos políticos, esto se hace por medio de coaliciones o alianzas, que, de acuerdo con los perfiles de los candidatos, se hará principalmente por la identificación con el programa de gobierno, banderas políticas entre un candidato de derecha (Iván Duque) o de izquierda (Gustavo Petro), por el destino de los acuerdos de paz y por el apoyo de gamonales políticos. Cabe resaltar que sin importar quien asuma la Presidencia, Colombia tendrá por primera vez en su historia una vicepresidenta mujer, Marta Lucía Ramírez (Partido conservador) o Angela María Robledo (Movimiento Colombia Humana). Mujeres que cuentan con importantes trayectorias políticas y académicas.

Consecuentemente, en el plano internacional el nuevo presidente de Colombia deberá asumir dos temas de gran importancia: la migración venezolana generada por la crisis en el vecino país y las relaciones con Estados Unidos, afectadas por el fenómeno del narcotráfico, esto debido al significativo aumento de los cultivos de coca, que ya han alcanzado cifras históricas. Estos temas que estarán incluidos en la agenda del nuevo presidente afectan directamente la economía del país y trastocan el desarrollo del proceso de paz con las FARC.

———————————————————————————————–

Nota:

* La Casa de Nariño, o Palacio de Nariño, es la residencia oficial del presidente de Colombia. Se localiza en Bogotá y es la sede del Gobierno colombiano.

———————————————————————————————–

Fuentes das Imágenes:

Imagem 1Candidatos a la Presidencia da Colombia” (Fonte):

http://www.elmundo.es/internacional/2018/05/25/5b084a82ca474103218b474e.html

Imagem 2Distribución en el mapa de los candidatos más votados” (Fonte):

https://www.semana.com/elecciones-presidenciales-2018/noticias/resultados-elecciones-primera-vuelta-vs-busquedas-de-google-569164

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Equador e Honduras disputam a Presidência da Assembleia Geral da ONU

No último dia 4 de maio (2018), Equador e Honduras defenderam na ONU suas candidaturas à Presidência da Assembleia Geral do órgão, para a 73ª Sessão que corresponde ao período 2018-2019.

Embaixadora Mary Elizabeth Flores na ONU

María Fernanda Espinosa (Equador) e Mary Elizabeth Flores (Honduras) foram ouvidas e inquiridas, por mais de duas horas, perante os membros que votarão na eleição marcada para ocorrer no próximo dia 5 de junho. A chanceler Espinosa, candidata equatoriana, prometeu trabalhar pela paz, com base no diálogo e na busca de consensos. Flores, que é Embaixadora de Honduras na ONU, também mencionou a busca da paz, com respeito à diversidade e priorizou as crianças e sua importância para a estratégia de desenvolvimento das Nações Unidas.

A Assembleia Geral da ONU (AGNU) é um dos seis órgãos principais da organização multilateral, onde se discute os temas que dizem respeito a todos os habitantes do mundo e é o único onde cada um dos 193 países-membros tem direito a voto. A primeira Sessão foi realizada em 1946 e presidida por Paul-Henri Spaak, da Bélgica. Desde então, foram realizadas 72 sessões ordinárias, presididas por representantes de diversos países dos cinco continentes, sendo que a atual Sessão está sob a batuta de Miroslav Lajčák, da Eslováquia.

A América Latina fora selecionada para presidir a AGNU na Sessão vindoura e, segundo o jornal El Heraldo, a candidatura de Honduras vem sendo construída há cerca de seis anos e obteve apoio de diversos países da região, inclusive, Brasil e Colômbia  teriam assumido publicamente a decisão de votar no país centro-americano. 

Chanceler Maria Espinosa na ONU

Em fevereiro deste ano (2018), para surpresa de alguns, o Equador  apresentou sua candidata, sob alegação de que não houve consenso entre os países latino-americanos em torno da candidatura hondurenha e que, dessa forma, os votantes, que são todos os países-membros, precisavam ter uma alternativa.

A decisão desagradou ao Governo de Honduras que solicitou ao Governo do Equador que retirasse sua candidatura, argumentando que houve quebra de um acordo de cavalheiros celebrado em 2015. O Equador  respondeu que iria manter sua posição, atitude que, além do mal-estar diplomático, gerou a necessidade da realização da sessão para apreciação das apresentações das concorrentes. 

Honduras nunca presidiu a Assembleia Geral da ONU, o Equador já esteve à frente da 28ª Sessão Ordinária (1973) e da 6ª Sessão Especial (1974). A 73ª Sessão da AGNU tem seu início marcado para o dia 18 de setembro de 2018 e, qualquer que seja a decisão dos 193 votantes, em junho, a única certeza é que o órgão terá uma mulher como Presidente, pela quarta vez, e uma latino-americana, pela primeira vez.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Plenário da Assembleia Geral da ONU” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Assembleia_Geral_das_Na%C3%A7%C3%B5es_Unidas#/media/File:UN_General_Assembly_(panoramic).jpg

Imagem 2 Embaixadora Mary Elizabeth Flores na ONU” (Fonte):

https://www.unmultimedia.org/photo/detail.jsp?id=550/550365&key=4&query=Mary%20elizabeth%20flores&lang=&sf=

Imagem 3 Chanceler Maria Espinosa na ONU” (Fonte):

https://www.unmultimedia.org/photo/detail.jsp?id=760/760291&key=1&query=espinosa&lang=&sf=date

AMÉRICA LATINAÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

China ganha novos parceiros diplomáticos na América Latina

A América Latina foi área de forte influência dos Estados Unidos por muito tempo. Desde o século XIX, os norte-americanos exerceram forte presença na região, por meio da cultura, do comércio e de investimentos. No século XXI, contudo, a China desponta como ator relevante no subcontinente. O fluxo de capitais chineses para países latino-americanos aumentou significativamente nos últimos 10 anos. Além disso, os laços comerciais também foram aprofundados. Isso implicou o crescente interesse dos países da região em aproximar-se dos chineses. A maior aceitação da política de uma só China* é sinal dessa aproximação.

A política da China única significa a afirmação de que Taiwan é parte inseparável do território chinês. O governo estabelece, no preâmbulo de sua Constituição, que “Taiwan é parte inseparável da República Popular da China. É sublime dever de todo o povo chinês, incluindo nossos compatriotas de Taiwan, lograr a grande tarefa de reunificar a pátria-mãe”. Essa posição implica que, para manter relações com a China, não é possível ter relações com Taiwan.

Na América Central, os taiwaneses encontram muitos de seus aliados. Atualmente, 10 dos 19 países que mantêm relações com a ilha estão na América Latina e no Caribe. Isso ocorre, em parte, devido à histórica presença dos Estados Unidos na região e desconfianças em relação aos chineses. Esse cenário, contudo, está mudando. O crescente interesse chinês na América Latina e a disposição dos asiáticos de financiar grandes projetos de infraestrutura estão aproximando os Estados da região do país oriental.

Nesse contexto, a força diplomática de Taiwan, já restrita, é cada vez mais reduzida. Em 2007, a Costa Rica rompeu relações com a ilha e as estabeleceu com a China. Em 2017, o Panamá fez o mesmo. No dia 1o de maio de 2018, a lista aumentou, por meio do anúncio da República Dominicana de que só existe uma China no mundo e que Taiwan é parte inalienável do território chinês. Esse último movimento refletiu o progressivo aumento do comércio de Pequim com os dominicanos, que chegou a U$ 2 bilhões anuais, o que faz do país o segundo maior parceiro comercial dos chineses na América Central.

Veículos multifunção de alta mobilidade

O governo de Taiwan reagiu por meio de críticas a Pequim. Observando os interesses crescentes dos chineses pela República Dominicana desde 2016, o governo insular assinou memorando de entendimentos sobre cooperação e doou 50 veículos automóveis multifunção de alta mobilidade**. Mesmo assim, isso não foi suficiente para evitar o rompimento das relações diplomáticas.

Um oficial taiwanês afirmou que “a República Dominicana escolheu uma forma altamente insensível de acabar com nossa amizade de 77 anos, dando-nos um aviso apenas uma hora antes, como fez o Panamá”. Além disso, Taiwan acusa a China de usar a diplomacia do dólar*** para aproximar-se de países centro-americanos. Essa acusação tem por base o pacote de acordos de investimento de U$ 3,1 bilhões que os chineses prometeram aos dominicanos.

Os rompimentos com Taiwan são exemplos da força crescente da China na América Latina. Os países da região percebem que a amizade dos chineses pode ser importante para o desenvolvimento, em especial na atual conjuntura, em que os Estados Unidos buscam priorizar a política doméstica e reduzem auxílios financeiros ao exterior. O crescente êxito chinês no subcontinente também contribui para isolar Taiwan, que vê sua posição cada vez mais comprometida na arena geopolítica global. 

———————————————————————————————–

Notas:

* A política de uma só China surgiu após a Revolução Chinesa, movimento que instaurou o regime comunista no país. O Kuomintang, partido capitalista, foi para o exílio na ilha de Taiwan e declarou a independência do país. Essa declaração nunca foi aceita pelo Governo chinês.

** Veículos utilitários militares de boa resistência e tempo de uso elevado.

*** Estratégia de aproximar-se de um país por meio de empréstimos, comércio e investimentos. O termo é usado pejorativamente para comparar a ação chinesa à atuação do presidente norte-americano William Taft, no começo do século XX. Ele buscou aliados na América Latina por meio de empréstimos. O termo não é muito agradável para governos latino-americanos, já que remete a um período de forte presença estrangeira em que a soberania local ficou relativamente limitada.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Propaganda enfatizando a política de uma só China” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/One-China_policy

Imagem 2 Veículos multifunção de alta mobilidade” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/HMMWV

———————————————————————————————–

Demais Fontes Consultadas

[1] Ver:

https://en.wikipedia.org/wiki/One-China_policy

[2] Ver:

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/05/01/internacional/1525154024_187618.html

[3] Ver:

https://thediplomat.com/2018/05/the-dominican-republic-abandons-taipei-for-beijing/

[4] Ver:

http://www.taipeitimes.com/News/taiwan/archives/2018/05/02/2003692363

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Venezuela e Panamá reatam relações diplomáticas e comerciais

O Governo da República do Panamá e o Governo da República Bolivariana da Venezuela emitiram comunicado anunciando o reatamento das relações diplomáticas. O documento, datado de 26 de abril, comunica o retorno dos respectivos embaixadores acreditados a seus postos, o restabelecimento da conectividade aérea e a retomada de diálogo para tratar de itens da agenda de interesse comum.

O prenúncio da crise entre os dois países se situa em outubro de 2017, quando o Panamá passou a exigir visto de entrada para cidadãos venezuelanos, em razão do grande afluxo motivado pela crise na Venezuela. Caracas revidou a medida, passando a exigir vistos para a admissão de panamenhos.

Presidente Maduro em pronunciamento na Expo Venezuela Potencia 2018

O agravamento da tensão nas relações se deu em março deste ano (2018) quando o Governo do país centro-americano publicou uma lista de venezuelanos, dentre eles o presidente Nicolás Maduro, que representavam risco de lavagem de dinheiro. A retaliação veio com a suspensão de laços comerciais, por 90 dias, que impedia empresas panamenhas de operar no país, incluindo-se a Copa Airlines, uma das poucas empresas aéreas estrangeiras ainda operando na Venezuela. O Panamá aplicou o princípio da reciprocidade para suspender, também por 90 dias, as atividades de empresas aéreas venezuelanas no seu território.

No movimento seguinte, o Governo do Panamá retirou o seu Embaixador de Caracas e solicitou ao Governo venezuelano que fizesse o mesmo, chamando de volta seu Embaixador na Cidade do Panamá. A retomada de conversações entre Nicolás Maduro, Presidente da República Bolivariana da Venezuela, e Juan Carlos Varela, Presidente da República do Panamá, foi intermediada por Danilo Medina, Presidente da República Dominicana.

No dia 26 de abril, em pronunciamento na abertura do evento Expo Venezuela Potencia 2018, o presidente Maduro referiu-se à sua conversa com o Chefe do Executivo panamenho, quando acertaram os termos do acordo de reaproximação. Ele ainda ressaltou a amizade entre os dois desde a época que foram chanceleres nos respectivos países e agradeceu ao Presidente da República Dominicana: “quiero agradecer publicamente al presidente Danilo Medina por su intermediación diplomática y haber ayudado a pasar la página entre Panamá  y Venezuela” (“Quero agradecer publicamente ao presidente Danilo Medina por sua intermediação diplomática e haver ajudado a virar a página entre Panamá e Venezuela” – Tradução Livre).

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Presidente Varela e Maduro em encontro bilateral em 2016” (Fonte):

http://minci.gob.ve/wp-content/uploads/2016/06/FB_4492.jpg

Imagem 2 Presidente Maduro em pronunciamento na Expo Venezuela Potencia 2018” (Fonte):

https://pbs.twimg.com/media/DbwgD5EW4AEgvRi.jpg:large

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Para primeira visita oficial, presidente Piñera vai a Argentina

Curta e efetiva. É assim que pode ser rotulada a primeira visita de Estado que o Presidente do Chile, Sebastián Piñera, fez ao seu homólogo argentino, Mauricio Macri. Amigos de longa data, desde quando ambos eram dirigentes de clubes de futebol, os dois se reencontraram na noite do dia 25 de abril (2018). Desta vez, Macri, na condição de Presidente da Argentina, recebeu Piñera, quem recentemente iniciou seu segundo mandato presidencial à frente da República do Chile.

Presidente Sebastián Piñera é recebido pelo chanceler Jorge Faurie

O Presidente chileno chegou ao país austral acompanhado de sua esposa, Cecilia Morel, e de uma comitiva, encabeçada pelo seu Ministro das Relações Exteriores, Roberto Ampuero, e integrada por alguns empresários e senadores chilenos. Logo após serem recebidos pelo chanceler argentino Jorge Faurie, o presidente Piñera e sua esposa jantaram junto a Macri e sua esposa, Juliana Awada, na residência oficial do Presidente argentino.

No dia 26 de abril (2018), quinta-feira passada, começaram as atividades da agenda da visita oficial. Pela manhã, o mandatário chileno, junto com os empresários de sua comitiva, se reuniu com autoridades argentinas no marco de um encontro intitulado “Argentina – Chile, uma aliança estratégica para a criação de valor”. Espera-se que, dentre os temas abordados em tal reunião, o da cooperação econômica entre os dois Estados, no sentido de investimentos bilaterais, tenha recebido destaque. Segundo dados da Câmara Argentina de Comércio (CAC), a balança comercial entre ambos países cresceu 21% no ano de 2017.

Após a reunião matutina, Piñera rumou para a Casa Rosada, onde encontrou com Macri e seu gabinete para dar início ao que se espera ser um período longo e próspero de cooperação. Após mais de uma hora e meia de reunião, os presidentes fizeram uma declaração conjunta, dentro do palácio de governo, aos meios de imprensa. Nos poucos mais de quinze minutos de pronunciamento, sem direito a perguntas, os Chefes de Estado enfatizaram o quão especial é a relação entre Argentina e Chile; agradeceram um ao outro pela visita; e destacaram, em linhas gerais, os temas e acordos que foram tratados e assinados.

Dentre os vários compromissos assinados figuram diversos Memorandos de Entendimento (MoE) relativos a temas como: complementação econômica (comércio e energia); cadeias globais de valor; cooperação em cibersegurança; indústrias criativas; dentre outros. Vale destacar o de complementação econômica, o qual os líderes se comprometeram a enviar para seus respectivos Congressos Nacionais. Uma vez aprovada, a complementação pode marcar o primeiro passo de uma empreitada que, segundo Sebastián Piñera, busca unir o Mercosul com a Aliança do Pacífico.

Presidentes Piñera e Macri junto a Vargas Llosa durante ato na Fundación Libertad

Já pela noite, no último compromisso da sua agenda, o mandatário chileno e o presidente Macri participaram de um jantar de gala na “Fundación Libertad”, onde foram entrevistados pelo Prêmio Nobel de Literatura, Mario Vargas Llosa. A sessão de perguntas e respostas incluiu temas como educação, segurança, populismo e a situação na Venezuela.

Na manhã do dia 27 (abril 2018), o presidente Piñera e sua comitiva deixaram a República Argentina e partiram em direção ao Brasil, onde o presidente Michel Temer recebeu um possível novo aliado dentro da região.

No que concerne à visita oficial à Argentina, pode-se falar em sucesso quase total, dado o curso das negociações com Mauricio Macri. Como ponto negativo, deve-se mencionar a não designação de um embaixador chileno para exercer função na Argentina. Um pequeno detalhe que não parece ter abalado o cenário positivo da visita.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Presidentes Macri e Piñera se cumprimentam dentro da Casa Rosada” (Fonte):

https://minrel.gob.cl/comunicado-conjunto-de-la-visita-oficial-a-la-republica-argentina-del/minrel/2018-04-27/180358.html

Imagem 2Presidente Sebastián Piñera é recebido pela chanceler Jorge Faurie” (Fonte):

https://prensa.presidencia.cl/fotografia.aspx?id=73623

Imagem 3 Presidentes Piñera e Macri junto a Vargas Llosa durante ato na Fundación Libertad” (Fonte):

https://prensa.presidencia.cl/fotografia.aspx?id=73665

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Julgamento do maior traficante mexicano pode requisitar até mil jurados

Segundo o Jornal Reuters, o Juiz federal americano que está encarregado do processo de Joaquín Guzmán, “El Chapo”, conhecido como o maior traficante do México, disse na última terça-feira (dia 17 de abril) durante a audiência que planeja convocar entre 800 e 1.000 jurados para deporem em seu julgamento.

Selo do Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Oriental de Nova York

O juiz distrital Brian Cogan, do Brooklyn, declarou que os possíveis jurados chegariam ao Tribunal no final de julho e início de agosto para receber questionários e se prepararem para o julgamento planejado para setembro deste ano (2018).

A quantidade incomum de jurados reflete a complexidade do caso e a dificuldade esperada para se escolher os indivíduos que vão avaliar e decidir o destino de Guzmán, que ganhou notoriedade internacional como líder do Cartel de Sinaloa no México.

Ele é acusado de administrar uma enorme operação de tráfico de cocaína, heroína e metanfetamina, alimentando uma guerra de drogas ao longo de uma década no México, na qual mais de 100.000 pessoas morreram. Os promotores advertiram que os jurados podem temer por sua segurança, por isso Cogan ordenou em fevereiro que suas identidades já fossem mantidas em segredo.

Estados dominados pelo Cartel de Sinaloa (em roxo)

Guzman, de 61 anos, está detido em regime de isolamento desde que foi extraditado para os Estados Unidos, em janeiro de 2017, um ano após ter sido preso pelas autoridades mexicanas. Sua esposa, Emma Coronel Aispuro, conversou com repórteres nos Estados Unidos sobre o caso pela primeira vez após a audiência de terça-feira passada, dia 17 de abril, dizendo que não tinha permissão para visitar Guzman e que se preocupava com sua saúde.

Os advogados de Guzman disseram em documentos judiciais que sua saúde mental e física se deteriorou durante o tempo em confinamento solitário. Além disso, o seu advogado Eduardo Balarezo, pediu ao juiz Cogan que limitasse a quantidade de novas evidências que pudessem ser trazidas ao caso pelos promotores antes do julgamento, pois os mesmos não conseguiram entregar as evidências necessárias. “Segundo eles, Guzman é investigado desde os anos 1980. Em algum momento eles devem provar isso”, disse Balarezo.

Cogan mostrou também estar preocupado com o fato de os promotores não terem cumprido com os prazos judiciais para a produção de provas. Ele ordenou que entregassem a maioria das provas restantes até 18 de maio. Por fim, o Juiz considerou uma moção apresentada por Balarezo para proibir o governo de apresentar provas de pagamento aos advogados de Guzman como evidência da “riqueza inexplicada” dele. Isso porque haveria um conflito com o direito do acusado à representação legal e, se as provas fossem permitidas, elas poderiam impedir que os atuais advogados de Guzman permanecessem no caso.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1El Chapo em 19 de janeiro de 2017, sob custódia com agentes da DEA” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Joaqu%C3%ADn_Guzm%C3%A1n

Imagem 2Selo do Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Oriental de Nova York” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/United_States_District_Court_for_the_Eastern_District_of_New_York

Imagem 3Estados dominados pelo Cartel de Sinaloa (em roxo)” (Fonte):

https://es.wikipedia.org/wiki/C%C3%A1rtel_de_Sinaloa