EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Relatório aponta que a Finlândia é o país mais feliz para se viver

A Finlândia é um Estado nórdico que adquiriu a independência em 1917, dos soviéticos, e iniciou seu processo de industrialização tardiamente. Apesar das possibilidades negativas, o país, de belas florestas e lagos, superou dificuldades e se tornou uma das maiores economias da Europa. Esses fatores contribuíram para que os finlandeses ascendessem em escala na qualidade de vida, sendo também referência internacional no setor de educação.

Segundo o Relatório Mundial da Felicidade (WHR – World Happiness Report) realizado por um grupo de especialistas independentes da Organização das Nações Unidas (ONU), a Finlândia foi classificada como o país mais feliz do mundo deste ano (2019). E as razões refletem elementos gerais, como a expectativa de vida, o grau de liberdade da população para fazer escolhas, a percepção de corrupção social e a generosidade, que aufeririam aos finlandeses o título simbólico de os mais felizes.

Eles seguem com a honraria do relatório, porém ainda amargam realidades que contradizem a pesquisa contida no WHR, visto que o país possui uma taxa expressiva de suicídios, milhares de pessoas fazem uso de medicamentos antidepressivos, a violência doméstica, sobretudo contra a mulher, é imensa, e a situação da aposentadoria do cidadão não aspira fortes ânimos.

Emoji triste

O jornal Kainnunsanomat trouxe a crítica da filósofa da Faculdade de Economia de Rotterdam, Ilona Suojanen, sobre o relatório da felicidade, a qual vê equívocos nas conclusões, pois, segundo ela, “os fundamentos da pesquisa sobre felicidade são muito ocidentais. Ao mesmo tempo, ela se perguntou o quão sensato é colocar os países do mundo em ordem com base nisso”.

Os analistas concordam com os questionamentos críticos ao WHR e entendem que os mesmos ignoram variáveis importantes, à medida que tentam igualar todas as realidades e observá-las sob uma perspectiva única. Conforme afirmam especialistas, em relação a Finlândia, é notório que existem problemáticas sociais a serem vencidas, as quais não desaparecerão simplesmente pela emissão de um estudo.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Aurora boreal na Lapônia” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/a/ae/Aurora_borealis_over_Lapland_%28Unsplash%29.jpg/1280px-Aurora_borealis_over_Lapland_%28Unsplash%29.jpg

Imagem 2 Emoji triste” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/8/87/Emojione_1F641.svg/600px-Emojione_1F641.svg.png

AMÉRICA LATINAEUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Rússia inaugura centro de treinamento de pilotos de helicóptero na Venezuela

No dia 29 de março (2019), foi inaugurado um novo centro de treinamento de pilotos de helicóptero na Venezuela. A área foi construída com o auxílio da Rosoboronexport, exportadora de armamentos da Rússia que pertence à estatal Rostec, em parceria com a CAVIM, empresa estatal venezuelana do setor militar.

O objetivo do Centro é instruir pilotos venezuelanos no comando dos helicópteros russos da linha Mi, como o Mi-17V-5, o Mi-35M e o Mi-26T. De acordo com a Rosoboronexport, “atualmente, os helicópteros russos fornecidos à Venezuela não só participam de operações contra contrabandistas, mas também realizam com sucesso levantamentos aéreos de incêndios florestais, participam de missões de resgate e evacuação em áreas atingidas por desastres naturais e transportam cargas humanitárias para regiões remotas do país”. Ainda segundo comunicado da empresa exportadora, espera-se a ampliação contínua da cooperação de defesa entre os dois países, agora atentando-se à capacitação de especialistas e na manutenção dos equipamentos.

A inauguração do novo centro de treinamento ocorre em meio ao escalonamento das tensões entre a Venezuela e o seu entorno regional, principalmente com os Estados Unidos (EUA). No dia 23 de março (2019), dois aviões que transportavam militares russos e 35 toneladas de carga pousaram na capital Caracas. Esse acontecimento despertou desconfianças quanto às intenções russas na região e o Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, entrou em contato com o Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, para esclarecer a situação.

Projeção Ortográfica do Mi-24

De acordo com um diplomata russo, na conversa entre os dois líderes foi explicado que esses militares foram enviados com o objetivo de garantir a manutenção de equipamentos fornecidos sob um acordo intergovernamental, ratificado pelo Parlamento venezuelano, em 2001. Embora tenham apresentado essa justificativa, o governo norte-americano segue em alerta. Pompeo declarou que os EUA não relevariam as ações russas na Venezuela e o presidente Trump declarou publicamente que a Rússia tem que sair do país sul-americano.

A partir do posicionamento americano, o ministro da defesa venezuelano Vladimir López declarou que, embora haja reclamações das atividades militares da Federação Russa em seu país, não há um descontentamento igual ou similar ao aumento das atividades militares dos EUA. De acordo com López, “Ninguém diz nada quando tentam violar a soberania da Venezuela”.

A situação política do país sul-americano, portanto, é conturbada, e as relações entre Rússia e EUA seguem inconstantes, com várias discordâncias. Enquanto o governo norte-americano reconhece Juan Guaidó, líder da oposição, como Presidente Interino da Venezuela, os russos seguem apoiando Nicolás Maduro como o líder legítimo do país. Entretanto, de acordo com o cientista político russo Gevorg Mirzayan, seu governo não tem a intenção de salvar Maduro, “os objetivos são mais globais. O programa mínimo é reforçar o prestígio [da Rússia] nos países do Terceiro Mundo. O programa máximo é forçar os EUA a reverem as relações russo-americanas”.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Um Mi24PN russo” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/1/11/Russian_Air_Force_Mil_Mi-24PN_Dvurekov-6.jpg/800px-Russian_Air_Force_Mil_Mi-24PN_Dvurekov-6.jpg

Imagem 2Projeção Ortográfica do Mi24” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/d/d6/Mil_Mi-24_HIND.svg/800px-Mil_Mi-24_HIND.svg.png

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Candidato à Presidência lituana apresenta programa de Política Externa

Nos últimos anos, a Lituânia demonstra interesse em ser um Estado cada vez mais independente e estimula seus cidadãos a escolherem o futuro de sua nação sem considerar as possíveis influências externas. Após a saída da antiga União Soviética, os lituanos, assim como os Estados bálticos da Letônia e Estônia, lutam pela autoafirmação de seus países no cenário internacional, e, para isso, ingressaram na União Europeia (UE) e na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), buscando conquistar espaços políticos.

No momento, a Lituânia está em fase de campanha eleitoral para o cargo de Presidente, com uma disputa acirrada entre 17 candidatos: Vytenis Andriukatis, Petras Auštrevičius, Alfonsas Butė, Raimonda Daunienė, Petras Gražulis, Vitas Gudiškis, Arvydas Juozaitis, Camimier Juraitis, Aušra Maldeikienė, Valentin Mazuron, Mindaugas Puidokas, Naglis Puteikis, Saulius Skvernelis, Toms Simple, Ingrida Šimonytė, Valdemar Tomaševski e Gitana Nausėda.

O candidato Gitana Nausėda, ciente da importância da política externa para o país, apresentou suas propostas no último dia 15 deste mês (março), e enfatiza um maior foco na diplomacia econômica, um diálogo com a Rússia, um olhar mais aberto aos investimentos da China, maior destaque para a OTAN e ter a UE como uma confederação.

A valorização do fator comercial na política externa lituana contribuiria para facilitar o acesso dos empresários daquele país ao mercado internacional, e uma maior parceria com a China seria fundamental para ramificar os negócios, conforme afirma o próprio Nausėda no jornal The Baltic Times: “Sou a favor do desenvolvimento da cooperação econômica com a China, já que não há grandes riscos relacionados ao comércio. Sinto falta do elemento econômico em nossa política externa. Acho difícil entender por que estamos cortando a parte do financiamento para a política externa, fechando representações e posições de adido comercial”.

Gitanas Nausėda

Em matéria de política, o candidato Nausėda entende que a UE deveria ser menos centralizadora, pois os países menores tendem a arcar com grandes responsabilidades, enquanto os países maiores tendem a não se arriscarem muito; em relação a OTAN compreende que a Lituânia deve dar maior ênfase discursiva e financeira ao Bloco, pois o mesmo faz parte de seu apoio externo na área de defesa; e, sobre a Rússia, Nausėda acredita que se não houver problemáticas acerca dos princípios lituanos, o diálogo deve ser mantido, e focalizando a perspectiva econômica e cultural.

O próprio candidato Nausėda tornou a afirmar no jornal The Baltic Times:

A OTAN é o mais importante e praticamente o nosso único escudo que a Lituânia pode usar para deter qualquer inimigo externo. Devemos reforçar a OTAN não apenas através de palavras, mas também através de compromissos”. Em relação a Rússia ele afirma: “Mas estes são nossos países vizinhos e se não renunciarmos aos nossos princípios, podemos tentar falar com eles, talvez partindo da alavanca política mais baixa e, antes de tudo, focalizando a cooperação econômica e cultural”.

Os analistas compreendem que a região do báltico possui uma sensibilidade política que deve ser considerada no tocante a expansão das fronteiras da UE e da OTAN em direção à Rússia, e da afirmação política da Lituânia no plano regional. Todavia, a ascensão de um Presidente lituano capaz de entender as questões centrais que rodeiam a política interna e externa da Lituânia poderia contribuir para maior progresso e menos tensões para as nações locais. 

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Palácio Presidencial da Lituânia” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9c/Wilno_-_Pa%C5%82ac_prezydencki.jpg

Imagem 2 Gitanas Nausėda” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/1/1f/Gitanas_Nauseda.jpg/1024px-Gitanas_Nauseda.jpg

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Grécia e Turquia retomam conversas para resolver antigas pendências

O Ministro das Relações Exteriores da Grécia, Georgios Katrougalos, anunciou que visitaria a Turquia na última quinta-feira (21 de março de 2019). Desde a tentativa de golpe no país islâmico, em 2016, a relação entre gregos e turcos, que sempre foi tensa, se deteriorou. Entretanto, fatos recentes mostram uma reaproximação dos países que são aliados militares da OTAN (Organização do Tratado Atlântico Norte), mas rivais históricos, sobretudo pelas disputas insulares no Mar Mediterrâneo, que duram até hoje.

A situação do Chipre é um exemplo nesse sentido. Trata-se de uma pequena ilha no Mar Mediterrâneo, localizada ao sul da Turquia e a oeste da Síria e do Líbano. Ali existem dois países, sendo um amplamente reconhecido pelas Nações Unidas (ONU), a República do Chipre; e o outro é a República Turca do Chipre do Norte, reconhecido apenas pela Turquia. Desde a década de 1960 existe na ilha uma missão da ONU para o restabelecimento da paz, mas o desentendimento entre Grécia e Turquia sobre esse tema é fundamental para a continuação desta questão.

Mapa do Chipre

Apesar da rivalidade, Katrougalos alegou que também é do interesse da Grécia que a Turquia seja membro da União Europeia. Este é um pleito dos turcos de longa data, mas nunca aceito pela entidade política regional da Europa. Inclusive, este foi um tema bastante aventado durante a crise migratória europeia em 2015, em que a Turquia teceu um acordo com a UE para ajudar a resolver a situação. Apesar deste discurso do Ministro, é pouco provável pensar que a Turquia deva, de fato, entrar na UE, devido à forte resistência dentro do Bloco, principalmente em função da religião islâmica e pela proximidade turca com a Rússia.

Uma possibilidade desta reaproximação reside no encontro que deverá ocorrer em abril (2019) entre representantes de ambos os governos para tratar de disputas limítrofes no Mar Egeu. Desde antes do advento da Convenção das Nações Unidas para o Direito do Mar (CNUDM, 1982), existe um impasse entre os países, uma vez que as ilhas gregas situadas próximas à costa turca limitam a navegação, bem como a explotação de recursos por parte da Turquia em suas águas jurisdicionais. Como esperado, a Grécia é signatária original da Convenção de Montego Bay, como também é conhecida a CNUDM; e a Turquia jamais firmou esse compromisso.

Ilhas gregas no Mar Egeu

Entretanto, na contramão desse processo, Grécia e Israel estão conversando sobre um plano israelense de instalar um radar marinho na Ilha de Creta, localizada ao sul da península grega, justamente para monitorar atividades de navegação na região, envolvendo não só os dois países, mas também a República do Chipre, cuja maioria populacional é de cipriotas gregos. Chamado de “Long Horizon”, este radar alcança um raio de 600 km ao seu redor, auxiliado por veículos aéreos não tripulados (VANTs). Sendo assim, ele tem capacidade não apenas de observar a região de interesse entre as partes, mas também as águas turcas e até mesmo o território do país.

Os entraves políticos de Grécia e Turquia possuem um caráter desestabilizador na região. Apesar de ambos pertencerem à mesma aliança militar que conta também com a participação dos Estados Unidos da América, maior garantidor da OTAN, as tensões são presentes e dificultam avanços nas conversas envolvendo a situação do Chipre, bem como outras políticas relacionadas ao Oriente Médio. Se houver sucesso nos próximos encontros entre os representantes governamentais das duas nações, será possível endereçar resoluções assertivas no que diz respeito ao Chipre. Do contrário, seria apenas mais uma tentativa frustrada de solucionar os problemas da região.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Mapa de Grécia (azul) e Turquia (vermelho)” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Turkey-greece.svg

Imagem 2Mapa do Chipre” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/wiki/File:EEZ_border_between_North_Cyprus_and_Turkey.jpg

Imagem 3Ilhas gregas no Mar Egeu” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Aegean_Sea_with_island_groups_labeled.gif

EURÁSIAEUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Rússia aprova lei contra Fake News

Termo muito conhecido de quem trabalha com jornalismo e afins, as Fake News (traduzindo do inglês, “noticias falsas”) ganharam notoriedade em 2016, quando o então candidato à Presidência dos EUA, Donald Trump, foi acusado de ter utilizado deste recurso em contraponto a diversos meios de comunicação que faziam frente à sua candidatura, e, assim, ajudou a popularizar esse conceito em todo o globo como meio utilizado para definir boatos, rumores ou notícias imprecisas que são publicadas principalmente por meios digitais como a Internet, onde a velocidade de propagação permite potencializar seu impacto sobre a opinião pública.

Duma – Assembleia dos Deputados da Rússia

Atualmente, vista como uma “arma” de desinformação em massa, que possivelmente poderia desestruturar a credibilidade de indivíduos, órgãos públicos e privados e até mesmo de governos, as Fake News estão começando a ser tratadas como crime passível de punição. Foi assim que a Duma (a Câmara Baixa, que corresponderia à Câmara dos Deputados do Brasil) aprovou, em 7 de março de 2019, projetos de lei contra essa pratica, e que, posteriormente, em 13 de março, também foram aprovados pelo Soviete da Federação (a Câmara Alta russa, que corresponderia, guardadas as diferenças específicas, ao Senado no Brasil), aguardando, agora, a assinatura do presidente Vladimir Putin.

As medidas se aplicarão a quem “fizer publicações online indecentes que demonstrem desrespeito pela sociedade, o país, os símbolos oficiais de Estado, a Constituição e as autoridades”, e definem a notícia falsa como: “não verificar qualquer informação apresentada como fato que ameaça a vida, saúde ou propriedade de alguém, ameaça a ordem pública, interfira ou comprometa infraestruturas, transporte e serviços sociais, sistema bancário, comunicações e outros setores econômicos”.

Os projetos também dão àqueles que publicarem tais informações a liberdade para corrigí-las ou removê-las e, caso não o façam, serão direcionadas punições pelos respectivos órgãos fiscalizadores que aplicarão, além do possível bloqueio da notícia, multas escalonadas para pessoas físicas que oscilarão entre US$ 460 e US$ 6,1 mil*,  e, para pessoas jurídicas, entre US$ 3,06 mil e US$ 23 mil**, enquanto a penalidade para funcionários com cargos de responsabilidade ficará entre US$ 920 e US$ 13,8 mil***. Em caso de reincidência, os infratores poderão ser multados em até o dobro do valor estipulado da multa ou mesmo serem detidos pelo prazo de 15 dias.

Diagrama sobre como identificar notícias falsas da IFLA, em português

O Conselho de Direitos Humanos da Rússia pediu previamente ao Soviete da Federação (o Senado) que revise tais projetos, ao considerar que nenhum corresponde aos critérios que estabelecem os direitos e as liberdades referendadas na Constituição russa. O órgão também destacou o excesso das limitações à liberdade de expressão e considerou que as normativas deixam a porta aberta à sua interpretação arbitrária. Sergei Boyarsky, Chefe Adjunto do Comitê da Duma para Políticas de Informação, disse que “não há nenhuma conversa sobre a censura, e que não haverá proibição à crítica de funcionários ou à expressão de visões e opiniões que diferem da linha oficial”. Já os críticos reiteram que a legislação proposta faz parte dos esforços do Kremlin para reprimir as manifestações contrárias ao governo de Vladimir Putin e apertar o controle sobre a opinião pública.

Além da Rússia, outros países estão implantando leis severas sobre a divulgação premeditada de notícias falsas,como foi o caso da Malásia, que promulgou, em 2 de abril de 2018, Projeto de Lei Anti-Notícias Falsas que estabelece multas equivalentes a até US$ 123 mil (em torno de 468,95 mil reais, também conforme a cotação de 15 de março de 2019) e penas de até 6 anos de prisão.

———————————————————————————————–

Notas:

* Tomando como base a cotação do dia 16 de março de 2019, aproximadamente 1.754 reais e 23.260 reais, respectivamente.

** Conforme a mesma cotação, aproximadamente 11.670 reais e 87.670 reais, respectivamente

*** Também de acordo com esta cotação, próximos de 3.508 reais e 52.614 reais, respectivamente.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Fake News” (Fonte): https://netzpolitik.org/2017/heute-podiumsdiskussion-zu-fake-news-und-luegenpresse/

Imagem 3 Duma Assembleia dos Deputados da Rússia” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/02/ФракцияЕРВЗалеПленарныхЗаседанийГД.JPG

Imagem 2 Diagrama sobre como identificar notícias falsas da IFLA, em português” (Fonte): https://pt.wikipedia.org/wiki/Not%C3%ADcia_falsa#/media/File:Como_identificar_not%C3%ADcias_falsas_(How_To_Spot_Fake_News).jpg

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Eleição Presidencial na Ucrânia: quem são os principais candidatos

A eleição presidencial na Ucrânia será realizada neste mês, em 31 de março (2019). Caso nenhum candidato atinja maioria simples (mais de 50% dos votos), um segundo pleito ocorrerá em 21 de abril. Os eleitores decidirão entre 44 candidatos, mas seis são os mais cotados para vencer, de acordo com os institutos de pesquisa.

Petro Poroshenko, atual presidente ucraniano também é um dos candidatos nesta eleição

Petro Poroshenko, o atual presidente em exercício na Ucrânia, bilionário e candidato pelo partido “Solidariedade”, fundado em 2001, que é uma dissidência do Partido Social-Democrata. Mais conhecido por decretar a Lei Marcial no país no ano passado (2018), após o conflito com a Rússia no Estreito de Kerch, Poroshenko não é visto como eficiente em propor reformas ao país.

Yulia Tymoshenko, ex-Primeira Ministra lidera a União Pan-Ucraniana “Pátria”, um partido de direita liberal-conservador, criado em 1999.

Volodymyr Zelenskyy,este pode ser o coringa do pleito. Famoso roteirista e humorista, pode ter apoio de “oligarcas” para ser eleito devido a sua grande popularidade. Seu partido, o “Servo do Povo” é prova disso, herdeiro do “Partido da Mudança Decisiva”, leva o nome de um programa televisivo humorístico.

Yuriy Boyko,político pró-Rússia, ex-Ministro de Combustível e Energia e aliado da Ucrânia de língua russa a leste. É acusado por Poroshenko de tentar cancelar a eleição. Como o partido que o apoia ainda não teve seu registro homologado, o “Plataforma de Oposição – Para a Vida”, ele se apresentou como candidato autônomo.

Anatoliy Hritsenko,ex-Ministro da Defesa, é membro independente do Parlamento e concorre pelo partido “Posição Civil”. Tem a imagem de honestidade com uma propaganda de “mão forte”.

Oleh Lyashko,do “Partido Radical”, um influente legislador e jornalista que quer pena de morte para terroristas, traidores e corruptos.

A situação ucraniana é de grande fragilidade econômica. Para se ter uma ideia, o acordo feito como o Fundo Monetário Internacional (FMI) para sanar suas contas públicas terá efeito duro já este ano (2019), pois 70% de seu Produto Interno Bruto (PIB) já está comprometido com a dívida governamental, sobrando pouca margem para investimentos necessários para a retomada do crescimento.

No contexto ucraniano, discutir “os rumos do país” significa intensificar os laços com a Rússia ou com o Ocidente Europeu, isto é, a União Europeia. Neste sentido, centrar o debate nacional na questão administrativa e republicana, isto é, no problema da corrupção, soa mais “neutro”, menos polarizado, mais consensual. De qualquer forma, nenhum dos candidatos até o momento parece superar os 30% das intenções de voto, o que reflete a tradicional fragmentação regional e política do país. O sentido de união nacional ainda é uma incógnita maior do que o debate puramente econômico para a Ucrânia.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Bandeira da Ucrânia ” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?search=ukraine+flag&title=Special%3ASearch&go=Go#/media/File:Flag_of_UPR_(22-03-19).PNG

Imagem 2 Petro Poroshenko, atual presidente ucraniano também é um dos candidatos nesta eleição” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/w/index.php?search=Poroshenko&title=Special%3ASearch&go=Go#/media/File:Poroshenko_2010_(cropped).jpg