COOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICASORGANIZAÇÃO INTERNACIONALPOLÍTICA INTERNACIONAL

“O Mundo do Trabalho 2013”: a desigualdade ainda ameaça

A “Organização Internacional do Trabalho” (OIT) divulgou na última segunda-feira, 3 de junho, seu relatório “O Mundo do Trabalho 2013: Reparando o Tecido Econômico e Social”, no qual traz um panorama do atual mercado de trabalho, bem como prognósticos para os próximos anos.

Segundo o estudo, enquanto países em desenvolvimento estão atingindo melhores níveis em índices de desigualdade de renda e taxas de emprego, as economias avançadas tem registrado maior desigualdade com maiores percentuais de desemprego, especialmente nos últimos 2 anos[1].

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Protestos na Turquia: da causa ambiental ao anti-autoritarismo

Na terça-feira passada (28 de maio) teve início um protesto pacífico no “Parque Gezi” (em Istambul), contra os planos de redesenvolvimento do local, os quais visam não apenas melhorar o tráfego no entorno da “Praça Taksim”, mas também construir um shopping sobre o Parque, destruindo uma das poucas áreas verdes restantes no centro de Istambul[1] [2] [3].

No entanto, na sexta-feira (dia 31), os confrontos se intensificaram entre os manifestantes e a polícia, que usou gás lacrimogênio e canhões de água, sendo criticada pelo uso de força excessiva[4]. Os protestos, iniciados em torno de uma causa específica, transformaram-se em uma agitação de abrangência nacional contra o Governo, com mais de 1.700 pessoas presas (embora muitas já liberadas) em mais de 67 cidades[2].

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Visita do secretário geral da “Organização de Cooperação Islâmica” (OCI) reforça laços políticos com o Suriname

O secretário geral da “Organização de Cooperação Islâmica”, Ekmeleddin Ihsanoglu, realizou uma visita de dois dias à Paramaribo, no Suriname. O objetivo de sua primeira viagem ao país sul-americano foi o de estreitar os laços…

Read more
AMÉRICA DO NORTEAMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

“Diplomacia Presidencial” americana e a retomada do contato com a “América Latina”

Na última semana, entre os dias 29 e 31 de maio, o Brasil recebeu, no Rio de Janeiro e em Brasília, a visita do Vice-Presidente dos Estados Unidos, Joseph Robinette “Joe” Biden, Jr. Em uma visita de três dias, na qual teve contato direto com áreas do desenvolvimento tecnológico da “Companhia Brasileira de Petróleo” – Petrobrás e da iniciativa privada, em um encontro com empresários, Joe Biden pôde tratar de temas relevantes para a agenda próxima dos programas de política externa americano e brasileiro[1].

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Hamas expulso do Líbano pelo Hezbollah

Na quinta-feira passada, 30 de maio, o grupo libanês shiita, Hezbollah, ordenou que membros do Hamas, organização islâmica palestina, se retirem do Líbano imediatamente. A ordem teria sido resultado do apoio do Hamas a grupos da oposição ao governo de Bashar al-Assad, na Síria[1].

Segundo fontes, o braço militar do HamasBrigadas Ezzedine al-Qassam – estaria treinando grupos do Exército Livre da Síria em Damasco. Tal decisão poderia ser um indício de que o Hamas estaria cortando de vez a aliança e patrocínio sírios e aceitando investimento do Qatar[2].

ÁFRICAAMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

O perdão brasileiro das dívidas africanas

Thomas Traumann, o porta-voz da Presidência brasileira, anunciou no dia 25 de maio de 2013, em Addis Abeba, sede da União Africana, a remissão de dívidas de 12 países africanos, totalizando o montante de US$900 milhões. Dentre os mais beneficiados, destacam-se a “República Democrática do Congo”, cujo débito representava a quantia de US$352 milhões, seguido pela Tanzânia, que se liberou de desembolsar US$237 milhões. Dentre outros, também foram agraciados pela medida brasileira: “Guiné-Bissau”, “São Tomé e Príncipe”, “Costa do Marfim”, Gabão e Guiné-Conacri.

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Visando processo de paz, Jonh Kerry apresenta plano de investimentos sem precedentes para Palestina

O Secretário de Estado dos Estados Unidos da América (EUA), John Kerry, apresentou no domingo passado, no “Fórum Econômico Mundial”, na Jordânia, um plano de investimentos de cerca de três bilhões de dólares para a Cisjordânia, visando que o futuro Estado palestino assente as bases de sua economia e possa caminhar sozinho. John Kerry tem agido insistentemente para que israelenses e palestinos voltem à mesa de negociações, as quais estão paralisadas desde 2010[1].

O principal ponto da proposta da autoridade norte-americana é que o plano econômico oferece ao futuro Estado palestino a possibilidade de independência energética, com a provável aquiescência do primeiro ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Kerry aponta com a oportunidade dos palestinos explorarem reservas de gás natural, na “Faixa de Gaza”; de potássio, no “Mar Morto” e ainda solicitaria a autorização de Israel para a construção de uma planta elétrica de 600 megawatts[1] [2].