NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Renúncia do primeiro-ministro palestino possibilita reconciliação entre o Hamas e o “Al Fatah” com vistas a uma Palestina unida

Rechaçado pelo grupo Hamas (“Movimento Islâmico de Resistência”), que governa a “Faixa de Gaza”, e cada vez mais distante do “Al Fatah” (“Movimento de Libertação Nacional da Palestina”), grupo que governa a Cisjordânia, Salam Fayyad…

Read more
AMÉRICA DO NORTENOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONALTecnologia

Área de tecnologia nos EUA se movimenta para apoiar reformas imigratórias

No último dia 10 de abril, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, escreveu um editorial no jornal “Washington Post” a respeito da criação do movimento político “FWD.us” (Forward.Us – em tradução livre, “EmFrente.Nós”).

Reunindo um número significativo de empresas de tecnologia, internet e mídias sociais, este grupo tem como objetivo principal criar mais uma força de pressão dentro dos Estados Unidos para acelerar o processo de reforma do sistema imigratório do país. Além do próprio Zuckerberg, fundadores e CEOs de empresas como Linkedin, Dropbox, Netflix, Groupon e Yahoo! fazem parte do grupo[1].

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Egito suspende vôos comerciais vindos do Irã

Na última segunda feira, 8 de abril, o Egito suspendeu a chegada de qualquer vôo comercial direto do Irã. A decisão foi tomada após protestos por parte de muçulmanos Sunitas”, que tentaram invadir a casa de um diplomata iraniano no Cairo. Cerca de 100 membros de grupos “Salafistas” protestaram contra a retomada de negociações entre os governos egípcio e iraniano, quebradas há 34 anos.

Em 2012, Egito e Irã voltaram às conversações. Os dois países não se relacionavam diretamente desde aRevolução Iraniana, em 1979, quando o governo egípcio providenciou asilo ao “Shah Reza Pahlevi”, que havia sido deposto, e, em 1980, Teerãquebrou todos os laços com  Cairo, um ano após a Revolução no Irã e a assinatura do acordo de paz entre Egito e Israel.

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Voltam a ocorrer tensões armadas entre Israel e Gaza

Depois de aproximadamente quatro meses do cessar-fogo que teve início em novembro do ano passado, voltaram a ocorrer tensões armadas entre Israel e Gaza. O confronto teve início após um prisioneiro palestino falecer de câncer no esôfago em um hospital israelense na cidade de “Be’er Sheva”. Maysara Abu Hamdiya, que morreu na última terça-feira aos 64 anos, era um general aposentado da “Autoridade Palestina”.

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Israel e Irã: quando a diplomacia cede espaço ao desejo de poder

As relações diplomáticas e comerciais entre Israel e o Irã cessaram com a Revolução Iraniana, em 1979, altura em que findou a monarquia pró-ocidental de Mohammad Reza Pahlavi e teve início a República Islâmica, sob a liderança do aiatolá Ruhollah Khomeini. Desde então, Israel foi declarado, por Ruhollah Khomeini, como o “inimigo do Islã”.

As hostilidades entre Israel e o Irã se mantiveram e, atualmente, retomaram o antagonismo explícito numa clara disputa direta pela manutenção do status atual de poder ou sua expansão para garantir a segurança, implicando em algumas situações na projeção de poder de ambas as partes no Oriente Médio. Por outro lado, é necessário sublinhar que Israel tem se mantido como principal potência bélica regional ao longo de muitos anos.

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Uruguai e Chile são os países menos corruptos da América Latina

Publicado no final do ano, o “Índice de Percepção de Corrupção 2012” elaborado pela ONG “Transparency International” aponta o Uruguai e o Chile (20) como os países menos corruptos da América Latina, ficando no ranking mundial diante de Estados como França (22), Áustria (25) e “Emirados Árabes Unidos” (27).

A lista mundial é liderada conjuntamente pela Dinamarca, Finlândia e Nova Zelândia (1), seguidas de Suécia (4), Singapura (5) e Suíça (6). Dos países estudados, os mais corruptos do mundo, de acordo com o Índice, são o Afeganistão, a Coréia do Norte e a Somália (174).

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Visita de Dilma a Argentina busca afianzar alianzas y resolver conflictos comerciales

Invitada “Unión Industrial Argentina (UIA), la semana pasada Dilma Rousseff fue recibida por Cristina Fernández, y se reunieron acompañadas de sus “Ministros de Industria”, el brasileño Fernando Pimentel y la argentina Débora Giorgi.

De acuerdo al diario español “El País”, la visita de la presidenta Rousseff tuvo como principal objetivo la solución a reiterados conflictos comerciales que afectan las relaciones bilaterales con Argentina, y ejemplifica en las recientes declaraciones de Guido Mantega, Ministro de Hacienda brasileño: “Tenemos problemas con algunos socios comerciales, por ejemplo, la Argentina. Ellos trabaron nuestro comercio bilateral, que es un comercio importante, y eso está reduciendo principalmente la exportación de manufacturados*.