ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China lança plano de transformar Shenzhen em “motor central” de reforma

Na quarta-feira (13 de outubro de 2020), Pequim divulgou um plano para transformar Shenzhen, o centro de alta tecnologia vizinho a Hong Kong, em um “motor central” de reforma que espera impulsionar o crescimento e a inovação na área da Grande Baía, megalópole que abrange nove cidades e duas Regiões Administrativas Especiais (RAE) no sul da China. O plano de desenvolvimento de 2020 a 2025 dá a Shenzhen mais autonomia em áreas como uso do solo, tecnologia e inovação, economia de big data e contratação de profissionais estrangeiros, informa o jornal South China Morning Post.

Cobrindo uma ampla variedade de áreas, de reformas do mercado financeiro ao desenvolvimento de um mercado de dados, o plano também prevê que Shenzhen desempenhe um papel de liderança na área da Grande Baía. O objetivo é conectar as cidades de Hong Kong, Macau, Shenzhen, Guangzhou e outras sete na província de Guangdong, transformando a área em um polo econômico e de negócios, e foi comparada com as áreas da baía de São Francisco, nos Estados Unidos, e de Tóquio, no Japão.

Área da Grande Baía (em verde), que abrange Hong Kong, Macau e a Província de Guangdong

O plano afirma: “Seguindo a orientação de Xi Jinping na construção do socialismo com características chinesas na nova era … [este documento] concede Shenzhen maior autonomia para realizar reformas em novas áreas e setores críticos”. E continua: “[Shenzhen] promoverá a cooperação com Hong Kong em um nível mais alto e fortalecerá seu papel como o motor central no desenvolvimento da área da Grande Baía, e fará um bom trabalho ao estabelecer um exemplo de construção de uma cidade modelo que pode representar um país socialista modernizado e vibrante”.

Guo Wanda, vice-presidente executivo do Instituto de Desenvolvimento da China, um think tank de Shenzhen, observou:“O documento diz que Shenzhen tem sido a porta-bandeira da abertura do país”. E completou: “Shenzhen está em uma posição vantajosa para realizar novas reformas porque tem uma boa base”.

Já Zhang Hongqiao, membro do Congresso Municipal do Povo de Shenzhen, o órgão legislativo local, declarou que a ênfase no desenvolvimento de big data seria boa, permitindo que experimente novas reformas que não haviam sido testadas em outras partes da China. Contudo, Zhang alerta que o documento não oferece alívio imediato para dois dos principais desafios da cidade: alta nos preços dos imóveis e escassez de terras.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Vista aérea de Shenzhen, na Província de Guangdong”(Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Shenzhen_20181222_104911.jpg

Imagem 2Área da Grande Baía (em verde), que abrange Hong Kong, Macau e a Província de Guangdong” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Guangdong-Hong_Kong-Macau_Greater_Bay_Area#/media/File:Geography_of_Guangdong.gif

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia inaugura maior túnel latino-americano

No dia 4 de setembro de 2020, o Presidente da Colômbia, Iván Duque, inaugurou, na cidade de Armenia, capital do Departamento de Quindío, o Túnel de la Linea, com 8,6 km de extensão. O La Línea, parte de um complexo viário que conta com outros 24 túneis e 31 pontes, atravessa a Cordilheira do Andes a 2.400 metros de altitude e é considerado o mais longo da América Latina.

Iván Duque esteve acompanhado da Primeira Dama, María Juliana Ruiz, da vice-presidente Marta Lucía Ramírez e da Ministra do Transporte, Ángela María Orozco, dentre outras autoridades. Logo após o corte da faixa inaugural, o Presidente visitou o Monumento aos Trabalhadores do Túnel de La Línea, erguido a seu pedido para homenagear os mais de 6 mil homens e mulheres – engenheiros, eletricistas, topógrafos, mecânicos, ambientalistas, encanadores etc. – envolvidos na construção.

Segundo uma matéria no YouTube, do periódico colombiano La República, o Túnel permite a interligação o Centro ao Sudoeste da Colômbia, ligando as cidades de Cajamarca (Departamento de Tolima) à cidade de Calarcá (Departamento de Quindío). Ainda conforme o La República, a obra sonhada desde o início do Século XX, somente foi iniciada em 2008, na Presidência de Álvaro Uribe, e deverá estar totalmente concluída em 2021.

A BBC conta essa história de 100 anos em uma extensa reportagem publicada em 8 de setembro de 2020. Os colombianos estão separados pela robusta Cordilheira dos Andes e a sua transposição era um sonho antigo, visando inclusive encurtar a distância até o porto de Buenaventura, no Oceano Pacífico, facilitando a ligação marítima com a Ásia. A partir da primeira tentativa, em 1913, simplificou-se o projeto  e chegou-se a uma rodovia, que está a mais de 3 mil metros acima do nível do mar e onde ocorrem cerca de 200 acidentes por ano.

Já por volta de 2005, ao se retomar a ideia, constatou-se a existência de 8 falhas geológicas complexas que dificultariam a construção do túnel. O La República contabiliza que desde o início, até hoje, o projeto passou por 29 Presidentes da República, 17 Ministros de Transportes e uma pandemia (Covid-19). A BBC menciona ainda “incompetência institucional, possivelmente referindo-se ao que a Agência EFE identifica como “problemas de corrupção.

A Forbes conta uma história um pouco diferente, e mais detalhada, com base em informações obtidas junto ao Instituto Nacional de Vías (Invías): após percorrer a região em 1902,  o engenheiro Luciano Battle apresentou um relatório que veio inspirar uma lei de 1913 que determinou a elaboração do projeto de túnel. Nove anos depois foi ordenada a construção, interrompida em razão da complexidade geológica do local. A ideia, retomada em 1940, foi substituída, em 1950, pela rota rodoviária de superfície hoje existente.

O projeto, de acordo com a Forbes, foi retomado em 1985, com estudos e desenhos de viabilidade de construção do túnel, que tiveram as fases II e III em 1992 e 2000, respectivamente. Finalmente, a licitação para as obras se iniciaram em 2005 e foram concluídas em 2008. Com o sucesso do certame licitatório, em dezembro de 2008, as obras de escavação tiveram início em 2009.

Inauguração do Túnel de la Linea

O túnel viabiliza o trajeto em apenas um sentido, para o retorno continuará sendo adotada a rota anterior. Ángela María Orozco, Ministra dos Transportes, explicou que não era possível construir dois túneis ao mesmo tempo, por razões técnicas, uma vez que das oito falhas geológicas existentes, a Falha de La Soledad é considerada a segunda mais complexa em túneis rodoviários do mundo. Segundo o vídeo do La República, o Túnel de La Línea, com seus quase 9 km de extensão, é o primeiro dos Top 5 da América Latina, sendo que os 2º, o 3º e o 4º também estão na Colômbia, e  o 5º (Túnel Las Raíces) fica no Chile e tem 4,52 km. E o mais longo túnel rodoviário do mundo é o Laerdal na Noruega, como 24,5 km.

O Presidente da Colômbia, Iván Duque, no discurso de inauguração,  comparou que a Ponte Golden Gate (San Francisco, EUA) foi construída durante a Grande Depressão e que o Túnel de la Línea estava sendo inaugurado em um momento de crise, gerado pela pandemia.  Economicamente, ele tem ainda a importância de conectar a capital, Bogotá, com Buenaventura, porto por onde o país distribui mais de 50% das suas exportações.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Inauguração do Túnel de la Linea” (Fonte):

https://idm.presidencia.gov.co/GaleriaFotografica/200904-08-Tunel-de-la-Linea-1280.jpg

Imagem 2 Traçado do Túnel de la Línea” (Fonte):

https://idm.presidencia.gov.co/GaleriaFotografica/200904-Cincuenta-minutos-mas-cerca-del-mar-6-1280.jpg

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Vinícolas sul-americanas premiadas entre as melhores do mundo

A World’s Best Vineyards divulgou a lista dos 50 melhores destinos de turismo de vinho (enoturismo) do mundo em uma premiação realizada online em 13 de julho de 2020. Entre as 10 primeiras classificadas, 4 regiões são de países sul-americanos e o primeiríssimo lugar é da Argentina.

A cerimônia seria realizada no estado americano da Califórnia, no Condado de Sonoma, famoso pela gastronomia e pelas mais de 400 vinícolas, mas não pôde ser presencial em razão da pandemia do coronavírus. A escolha foi feita por meio de uma academia com mais de 500 integrantes, de todas as partes do mundo, entre especialistas em vinho, sommeliers e correspondentes de viagem. Estes integrantes são concentrados em torno de 20 Cátedras Acadêmicas, que representam regiões, incluindo a Cátedra “Restante das Américas, exceto Argentina e Chile”, que é ocupada pela sommelier brasileira Cláudia Melo.

A lista completa conta com 50 vinhedos de 18 países dos cinco continentes, sendo que os mais presentes numericamente são o Chile (8 regiões), a França (7) e a Argentina (5). O Brasil não esteve representado na lista e os vencedores por região foram: Zuccardi Vale de Uco (Argentina) na América do Sul; Domäne Wachau (Áustria) pela Europa; Roberto Mondavi Winery (EUA) pela América do Norte; Rippon (Nova Zelândia) pela Australásia; Delaire Graff Estate (África do Sul) pela África; e Château Mercian Mariko Winery (Japão) pela Ásia.

A vencedora Zuccardi Vale de Uco já havia arrebatado o primeiro lugar em 2019, na primeira edição da premiação em Londres. A Zuccardi está situada na região de Mendoza, junto à Cordilheira dos Andes, e fica aberta para visitação, passeios, degustação de vinhos e refeições no Restaurante Piedra Infinita. Em 2020 obteve novamente o primeiro lugar na premiação que teve a Bodega Garzón (Uruguai) e a R. López de Heredia Viña Tondonia, S.A. (Espanha), em segundo e terceiro lugares, respectivamente.

Instalações da Vinícola argentina Zuccardi

Os organizadores da premiação sabem que, por algum tempo, em razão da pandemia de Covid-19, os apreciadores de vinho e de viagens não poderão se deslocar tão fácil e livremente como antes, mas poderão escolher para onde ir quando o momento crítico passar. Sabendo disso, a Wines of Argentina (WOFA), responsável pela promoção da imagem daquele país como exportador de vinhos, lançou em 5 de agosto de 2020, um plano de negócios e posicionamento, visando sobretudo garantir presença em grandes mercados como a China e EUA, sem descuidar de outros como Japão, Coreia do Sul, Reino Unido, Canadá, América Latina, Brasil e México.

O plano prevê a implementação de ações inovadoras de marketing digital, com a exploração de plataformas de geração e disseminação de conteúdo, educação à distância, organização de eventos, ativação de novos canais voltados ao e-commerce e plataformas de vendas.  Além disso, farão uso de realidade virtual e aumentada, bem como de pesquisas de mercado para entender o novo normal e subsidiar a tomada de decisões.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Vinhedos da Zuccardi” (Fonte):

https://zuccardiwines.com/wp-content/uploads/2020/06/piedra-infinita-1.jpg

Imagem 2 Instalações da Vinícola argentina Zuccardi” (Fonte):

https://zuccardiwines.com/wp-content/uploads/2019/05/turismo-gal4.jpg

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Em meio à pandemia global, exportações chinesas apresentam aumento inesperado no mês de julho

Impulsionado pela crescente demanda no exterior por eletrônicos, suprimentos médicos e outros bens a serem usados em quarentenas em todo o mundo, o crescimento das exportações da China ultrapassou as expectativas para julho (2020), com as vendas para o exterior 7,2% maiores em relação a 2019. Por outro lado, as importações chinesas contraíram 1,4% em relação ao ano anterior (2019), pior do que as previsões dos analistas em termos de dólares, informa o jornal South China Morning Post.

Um grupo de economistas consultados pela empresa de consultoria americana Bloomberg havia previsto que as exportações cairiam 0,7% em dólares americanos, enquanto as importações deveriam aumentar 0,8%. O aumento nas exportações ocorre depois de um mês melhor do que o esperado em junho (2020), quando as exportações demonstraram um crescimento de 0,5%. No entanto, as importações caíram após um crescimento de 2,7% em junho (2020). A balança comercial da China em julho (2020) ficou em 62,3 bilhões de dólares (aproximadamente 338,4 bilhões de reais, segundo a cotação de 7 de agosto de 2020) e superou os 46,2 bilhões de dólares em junho (2020) (aproximadamente 251,2 bilhões de reais, de acordo com a cotação de 7 de agosto de 2020). 

Os analistas apontaram os grandes envios de suprimentos médicos e “equipamentos para trabalho em casa” como razões por trás do aumento nas exportações. Na verdade, como outras economias ao redor do mundo entraram e saíram de quarentenas diversas vezes, os exportadores chineses parecem ter sido os beneficiários. Além disso, a China não experimentou o colapso das exportações devido à queda na demanda nos mercados desenvolvidos que muitos temiam no início da pandemia. O país também pode ter se beneficiado por ter sido a primeira economia industrial a entrar em operação, com seus exportadores preparados para capitalizar a ausência de concorrência estrangeira.      

Ministro da Defesa indonésio, Prabowo Subianto, recebe equipamento médico chinês exportado para a Indonésia (março de 2020)

Louis Kuijs, analista da Ásia-Pacífico na Oxford Economics, observou: “Em julho, a força das exportações foi em grande parte impulsionada por eletrônicos – especialmente ‘equipamentos de processamento automático de dados’, telefones celulares, eletrodomésticos, dispositivos de áudio e vídeo – e produtos de alta tecnologia, com categorias tradicionais como plástico e têxteis também contribuindo bem”.

As exportações chinesas superaram o comércio global e as expectativas deste analista em 20% a 25% no segundo trimestre”, afirmou Tomas Gatley, da consultoria britânica Gavekal Dragonomics, acrescentando que grande parte do crescimento foi devido à fraqueza nas exportações de outros países, bem como demandas relacionadas à COVID-19.

De março a junho de 2020, o comércio da China foi alimentado por grandes vendas de equipamentos médicos e de proteção. Isso continuou a contribuir para o crescimento em julho (2020), com a análise dos dados alfandegários chineses mostrando um aumento de 78% em relação a 2019 nas vendas internacionais de equipamentos médicos.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Exportações chinesas apresentam aumento inesperado no mês de julho” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:YM_Orchid_(ship,_2000)_002.jpg

Imagem 2 Ministro da Defesa indonésio, Prabowo Subianto, recebe equipamento médico chinês exportado para a Indonésia (março de 2020)”(Fonte):

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/79/Serah_terima_peralatan_medis_dari_Republik_Rakyat_Tiongkok_atas_pandemi_COVID-19.jpg

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Apoio ao empreendedorismo de refugiados em meio à COVID-19

Em 30 de janeiro de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que o surto da doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19) constitui uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional. Portanto, configura-se como o mais alto nível de alerta, conforme previsto no Regulamento Sanitário Internacional.

Já em março do corrente ano (2020), a COVID-19 foi caracterizada como uma pandemia. Até o dia 4 de abril (2020), no mundo houve a confirmação de 1.051.635 casos da doença (79.332 novos em relação ao dia anterior) e 56.985 mortes (6.664 novas em relação ao dia anterior). Atente-se que este número não é determinante do real cenário de contaminação, visto que não há testes que permitam cobertura total da população que apresenta sintomas, tampouco para os casos assintomáticos.

Especificamente sobre o contexto brasileiro, 10.278 pessoas apresentaram a COVID-19 e 432 mortes foram contabilizadas até a tarde de sábado (4 de abril de 2020), segundo dados oficiais do Ministério da Saúde. O país declarou que há transmissão comunitária da COVID-19 em todo o território nacional.

De acordo com a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), como forma de enfrentamento à crise econômica e social oriunda da pandemia faz-se necessário ampliar as capacidades nacionais e regionais, principalmente na produção e provisão de bens de primeira necessidade, por meio de impulso ao comércio intra-regional. Estima-se que na área interna as medidas de contenção terão custos de produção (até 67% do PIB regional) e no emprego (até 64% do emprego formal).

No abrigo Pintolândia, em Roraima, crianças indígenas da etnia Warao treinam como lavar as mãos adequadamente, após instruções das equipes do ACNUR e seus parceiros

Para tratar a emergência social são necessárias medidas de proteção de renda para os grupos mais vulneráveis, medidas de proteção do emprego (como os benefícios de desemprego e renda básica de emergência) e medidas de apoio às pequenas e médias empresas (PMEs) e aos trabalhadores autônomos.

A título de ilustração, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) lançou a páginaRefugiados Empreendedores”. A proposta é gerar visibilidade aos negócios de pessoas refugiadas que seguem empreendendo no país e contribuindo para o desenvolvimento de suas comunidades e da economia local.

Além disso, o ACNUR vem realizando sessões informativas com a população abrigada em Roraima (Boa Vista e Pacaraima) e Amazonas (Manaus). Estima-se que pelo menos 10 mil refugiados e migrantes venezuelanos já receberam as informações distribuídas pelo ACNUR e seus parceiros.

Cerca de 15 mil refugiados e migrantes venezuelanos em Pacaraima, Boa Vista, Belém e Manaus já foram beneficiados com a distribuição de aproximadamente 8.300 mil itens de assistência humanitária emergencial, como kits de higiene e limpeza, colchões, mosquiteiros, redes, roupas e fraldas para crianças e idosos. Kits adicionais serão distribuídos nas próximas semanas.

Para mais informações, acesse ao site do ACNUR neste link.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Site acompanhará a história de pessoas refugiadas empreendedoras que estão empenhadas em superar mais um desafio, a pandemia de COVID19.Foto: ACNUR/Benjamin Loyseau” (Fonte):

Imagem 2 No abrigo Pintolândia, em Roraima, crianças indígenas da etnia Warao treinam como lavar as mãos adequadamente, após instruções das equipes do ACNUR e seus parceiros. Foto: ACNUR/Allana Ferreira” (Fonte):

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

O mercado danês em tempos de Coronavírus

Nos últimos meses o mundo experimenta uma forte onda viral provocada pela ascensão do Coronavírus, o qual faz parte de uma série de vírus da mesma categoria. O COVID-19 surgiu na China, porém os cientistas desconhecem sua origem e apenas afirmam que ele não poderia ter sido criado em laboratório, visto que as pesquisas apontam uma evolução natural da estrutura do COVID-19, sem espaço para manipulação humana.

Os chineses já estão em fase de recuperação após os graves impactos e mortes ocorridas, todavia, a situação não é tão otimista para a Europa e demais continentes nos quais o Coronavírus assola. Diversos Estados europeus são afetados, com destaque para a Itália, Espanha e França, os quais possuem quantitativo elevado de mortes e infectados.

Em relação à Dinamarca, o Jornal Copenhague Post informa cerca de 2.201 casos registrados e 65 mortes até o momento. As autoridades danesas* estimam que 10% da população do país poderá ser atingida pelo COVID-19, representando o equivalente a 580.000 pessoas. Os dinamarqueses se esforçam para garantir um atendimento digno aos seus cidadãos, e no respectivo jornal citado acima foi noticiado que cerca de 19.000 pessoas já foram testadas para o vírus, mas o Sundhedsstyrelsen (Conselho Nacional de Saúde Dinamarquês) espera aumentar a capacidade de testes diários para 5.000.

A emergência do Coronavírus trouxe mudanças drásticas no cotidiano da sociedade danesa, a qual foi orientada a permanecer de quarentena com o objetivo de diminuir a propagação do vírus. Diante desse cenário, as pessoas não podem sair para trabalhar e, por causa dessa questão, a vida e a economia do país têm sofrido reveses de diferentes tipos.

Em perfil de rede social, a Primeira-Ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, manifestou empatia e trouxe a seguinte mensagem à população: “Não queremos manter a Dinamarca fechada um dia mais do que necessário […]. Use os pacotes de ajuda historicamente grandes do Folketing. Não demita pessoas. Envie-as para casa. O Estado cobre uma grande parte do salário […]. Quase 33.000 pessoas estão desempregadas desde o início da crise do Corona. Pessoas e famílias que de repente não recebem um salário. Não é fácil”.

Os desafios de preservar a saúde e manter o sustento são imensos e de grande preocupação para a sociedade dinamarquesa, pois são pessoas e famílias que dependem de seus salários para honrarem seus compromissos. As empresas também se ressentem devido as responsabilidades financeiras envolvidas, seja com o pagamento de salários frente a não produção, seja com as despesas gerais de todo empreendedor com aluguéis ou financiamentos.

Ministro das Finanças da Dinamarca – Nicolai Wammen

Em resposta às intempéries geradas pela crise do COVID-19, o Estado dinamarquês liberará cerca de 200 bilhões de DKK (aproximadamente, US$ 29,781,600,000.00, ou R$ 151.773.000.000,00, de acordo com a cotação de 27 de março de 2020) para os Bancos. O objetivo é fornecer auxílio às empresas que precisam de fundos para cobrir perdas financeiras. Em relação à pauta, o Jornal Altinget apresentou a fala do Ministro das Finanças da Dinamarca, Nicolai Wammen, o qual comunicou: “O que estamos fazendo hoje é pegar uma das armas mais pesadas do arsenal e dispará-las para o benefício de empresas e trabalhadores dinamarqueses”.

De forma geral, o Estado apresentou algumas alternativas para ajudar as empresas do país apresentadas também no Jornal Altinget, tais como: a permissão de atraso de salários de forma temporária, com o recebimento pelos funcionários de subsídio complementar; a iniciativa de reembolso ao empregador, a partir do primeiro dia que o funcionário foi infectado por COVID-19, ou permaneceu em quarentena; e a concessão de empréstimos flexíveis para as grandes, médias e pequenas empresas, às quais terão acesso de forma proporcional, ou seja, em conformidade com as respectivas situações.

O Danske Bank (Banco da Dinamarca) criou um programa de crédito para atender seus clientes em tempos de Coronavírus, dentre os quais contempla: empréstimos com pagamentos parcelados e com extensão de prazos; financiamento de hipotecas mediante parcelamentos; adiamento de pagamentos por empresas; e suspensão de juros negativos para empresas (cerca de 90.000) com depósitos menores que 500.000 DKK (próximos de  a US$ 74,454.10, ou R$ 379.431,00, de acordo com a cotação de 27 de março de 2020).

Danske Bank

No tangente a situação, o CEO do Danske Bank, Chris Vogelzang, sinalizou: “Estamos em uma situação extraordinária que tem grandes implicações financeiras para a sociedade, empresas e famílias. Como o maior Banco do país, temos uma responsabilidade significativa por ajudar a minimizar os danos causados pelo COVID-19, e faremos um longo caminho para ajudar nossos clientes nessa situação desafiadora”.

Os analistas apontam a importância do isolamento social frente à expansão do COVID-19, não somente na Dinamarca, mas em todos os Estados afetados, com o propósito de reduzir a curva de infectados e a longo prazo aumentar a possibilidade de saída da quarentena. Em relação à economia danesa, verifica-se o esforço do Estado na preservação da manutenção básica da sociedade, ou seja, a injeção de recursos financeiros, o apoio com a folha de pagamento das empresas, e a flexibilização de empréstimos que muito contribui para a formação do consumo e, por extensão, para fazer a economia se movimentar.

———————————————————————————————–

Nota:

* Danesas: adjetivo pátrio na Dinamarca; referente à dinamarquês ou povo Dane.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Primeira-Ministra da Dinamarca Mette Frederiksen” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/8c/20180615_Folkemodet_Bornholm_Socialdemokratiet_Mette_Frederiksen_1629_%2842770573192%29.jpg

Imagem 2 Ministro das Finanças da Dinamarca Nicolai Wammen”  (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/19/Nicolai_Wammen%2C_pressefoto.jpg

Imagem 3 Danske Bank” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/7e/Danske_Bank_Copenhagen_2018.jpg