AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

ALADI promove concurso latino-americano de curtas-metragens

A Associação Latino-Americana de Integração (ALADI) está realizando o 2º Concurso Latino-Americano de Curtas, cujas inscrições seguem até o dia 30 de novembro de 2019. Os filmes de curta-metragem devem ter como tema “a mulher empreendedora e serem aderentes aos princípios da integração latino-americana.

Podem participar do concurso pessoas maiores de idade, nacionais de qualquer país membro da ALADI. Os vídeos devem ter, no máximo, 30 minutos, e terem sido produzidos entre 1º de janeiro de 2018 e julho de 2019, nos formatos .mov, .avi ou .mp4. Estas e outras informações complementares podem ser vistas no Edital divulgado no site da Associação.

Banner do Concurso de Curtas da ALADI

Criada em 12 de agosto de 1980, por meio do Tratado de Montevidéu, a ALADI  é “o maior grupo latino-americano de integração” e tem como membros os seguintes países: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, México, Panamá, Paraguai, Peru e Venezuela. Ainda segundo o Grupo, o conjunto dos membros representa “20 milhões de quilômetros quadrados e mais de 510 milhões de habitantes”.

A primeira edição do Concurso de Curtas-Metragens ocorreu em 2015, com inscrições também no mês de novembro daquele ano. Participaram mais de 250 filmes e a cerimônia de premiação se deu por ocasião do 34º Festival Cinematográfico Internacional do Uruguai, em abril de 2016. A entrega dos prêmios – 3º para o Brasil, 2º Argentina e 1º México – podem ser vistas em vídeo no YouTube, no canal da ALADI.

A presente edição está sendo organizada pela Embaixada do Equador no Uruguai (sede da entidade), com apoio da Cinemateca Uruguaia. Serão premiados os três melhores curtas-metragens, com prêmios de US$ 700 dólares (3º lugar), US$ 1.500 (2º lugar) e US$ 3.000 para o 1º lugar. Os vencedores receberão passagem, desde seu país de origem, e hospedagem em Montevidéu, para assistirem a cerimônia de premiação.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Sede da ALADI em Montevidéu” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b2/ALADI_Fachada.jpg

Imagem 2 Banner do Concurso de Curtas da ALADI” (Fonte): http://www.aladi.org/sitioaladi/wp-content/uploads/Cine-pt.jpg

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Equador investe para reposicionar café no mercado internacional

Governo do Equador declarou que pretende investir na melhoria de qualidade do café equatoriano para posicioná-lo como produto premium no mercado internacional. A declaração foi feita por Iván Otaneda, titular do Ministério de Produção, Comércio Exterior, Investimentos e Pesca (MPCEIP), em 25 de outubro de 2019, por ocasião do encerramento do Concurso Taza Dorada 2019, em Quito, capital do país.

O Equador é um dos “Top 20” nos rankings de países produtores e de países exportadores da Organização Internacional do Café (ICO, na sigla em inglês). O Ministro afirmou que os produtores devem aumentar a integração entre si e priorizar a qualidade em relação ao volume de produção, visando o posicionamento do Café do Equador como produto de excelência.

Uma das iniciativas do Governo foi a realização do Festival de Café Cuatro Mundos. O Festival reuniu produtores de toda a cadeia produtiva em torno de oficinas, conferências e rodas de diálogo, durante três dias (18, 19 e 20), em outubro de 2019. Por sua vez, o Concurso Taza Dorada é realizado pela Associação Nacional de Exportadores de Café (Anecafé) e os competidores são avaliados por juízes dos Estados Unidos, Ásia e América Central.  

Concurso Taza Dorada

Ministro do MPCEIP ressaltou a importância de aliança entre poder público, academia e setor privado para a oferta de crédito e microcrédito. A estratégia do Governo do Equador, de investir em melhoria de qualidade e diferenciação do café para o mercado internacional, se assemelha à que vem sendo utilizada para o cacau e chocolate, que já foi objeto de matéria no Ceiri News.

———————————————————————————————–

Imagem 1 Planta de café equatoriano” (Fonte): https://scontent.frao1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/11896050_873118529436975_8538882145782882860_n.jpg?_nc_cat=108&_nc_oc=AQnEPjkC-isH5LxexnwNLOdWN-Zitp5PBVNdaHPpvXbeBbo0S3JNxx4w0Iv6SjG_Qj4&_nc_ht=scontent.frao1-1.fna&oh=d13cc9bcac81ae51dec5d1caa6a85fd0&oe=5E57B760

Imagem 2 Concurso Taza Dorada” (Fonte): http://www.produccion.gob.ec/wp-content/uploads/2019/10/photo5015061831131179123-1024×576.jpg

AMÉRICA LATINAÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Roupas de banho artesanais colombianas fazem sucesso na China

Uma marca de trajes de banho femininos da Colômbia está fazendo sucesso na China. Trata-se da Agua Bendita, que reúne o trabalho de mais de 550 artesãs do departamento colombiano de Antioquia.

Criada em 2003, por Catalina Álvarez e Mariana Hinestroza, a Agua Bendita era uma pequena confecção cujos produtos eram vendidos para amigas e parentes. Em 2007, elas apresentaram a coleção na Colombiamoda, famosa feira do setor, e no mesmo ano as peças apareceram na revista Sports Illustrated. Em 2015, com mais de 10 anos após sua criação, a empresa comemorou o fato de terem chegado à China.

Este foi o primeiro país asiático alcançado pela marca, que conta com 50 lojas em 12 países pelo mundo, dentre eles: Aruba, Equador, Estados Unidos, México, Panamá, Paraguai e Venezuela. No processo de internacionalização, a empresa teve o suporte da agência de promoção de exportações ProColombia.

Modelo e marca da Agua Bendita

A Agua Bendita teve que fazer adaptações dos produtos ao tipo físico das chinesas e criou novos modelos. Além disso, adotou um posicionamento de marca voltado a um nicho de mercado formado por consumidores de alto poder aquisitivo, e que valorizam a moda.  Isso fez da filial chinesa a loja líder de vendas da rede no mundo.

Entusiasmada com os resultados, a companhia deseja atingir outros mercados do Oriente, a exemplo do Japão e da Malásia. Para isso, estão buscando investidores que aportem não só capital como conhecimento dos mercados-alvo. Esteban González, CEO da empresa, ressalta que a produção não atingirá escala industrial porque a intenção é manter o estilo artesanal, responsável pelo sucesso internacional da Agua Bendita.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Peças da Agua Bendita” (Fonte): https://scontent.fudi1-2.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/74605524_2850107281708738_7115834604069584896_n.jpg?_nc_cat=110&_nc_oc=AQkkUokN9dGHdR4SMciiVeMJYKBsK4ijATJ7X60XfHHdyxC167C96DNXXamkKUtrmRk&_nc_ht=scontent.fudi1-2.fna&oh=b2c4ca24203825aa5a42b4ae0ef7295b&oe=5E5037E0

Imagem 2 Modelo e marca da Agua Bendita” (Fonte): https://scontent.fudi1-2.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/14720594_1484807084869811_9166014899288160959_n.jpg?_nc_cat=111&_nc_oc=AQk0qXWtdxUSKHirUwZqWtS8aHmI7sYEnmdWKd-l-2MhhE5QmYGBVzrIsZGzK5Im9M8&_nc_ht=scontent.fudi1-2.fna&oh=d190cda9cac35f7f9b5a167f42f8a1b5&oe=5E56EBBA

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia: primeira linha de metrô de Bogotá será construída por consórcio chinês

Um consórcio de empresas liderado por corporações chinesas venceu a concorrência para a construção da primeira linha do metrô de Bogotá, capital da Colômbia. O anúncio foi feito pelo Gerente Geral da empresa Metro de Bogotá, Andrés Escobar, em 17 de outubro de 2019.

O certame foi vencido pelo grupo denominado Apca Transmimetro, composto pelas empresas chinesas China Harbour Engineering Company Limited (Chec) e Xi’Na Rail Transportation Group Limited, com participações de 85% e 15%, respectivamente. Atuarão ainda, como subcontratadas dos chineses, as empresas CRRC Changchun do Brasil Railway Equipamentos e Serviços e a filial espanhola da canadense Bombardier.

Há quem critique o consórcio vencedor, em razão de a CCCC, matriz da Chec, ter sido suspensa por 8 anos, em 2009, pelo Banco Mundial, por motivo de fraude cometida nas Filipinas. A CCCC alega que o ilícito foi de responsabilidade de uma outra empresa à qual estavam associados e que, uma vez que a sanção está finalizada há 2 anos, não há porque serem inabilitados. A Prefeitura de Bogotá, por sua vez, não vê riscos, já que o contrato condiciona os ganhos à execução das obras e ao bom funcionamento do metrô.

A execução do projeto perdurará de 2019 até 2045, compreendendo as fases de pré-construção, construção e mais 20 anos de operação. Estima-se que a construção demandará 6 anos, isto é, terá início em 2020 e conclusão em 2025. Quando pronta, a linha terá 24 quilômetros de extensão, com 16 estações, sendo 10 integradas com o Transmilênio (BRT de Bogotá) e 28 edifícios de acesso. A operação se iniciará com 23 trens de 2.000 passageiros cada e espera-se a movimentação de um milhão de pessoas por dia.

Maquete do Metrô de Bogotá

Existem também questionamentos se o metrô não deveria ser subterrâneo e, segundo especialistas consultados pelo periódico colombiano Semana, apesar de esta modalidade de rede ser mais adequada a Bogotá do que o elevado que será construído, o estágio avançado do projeto faz com que seja mais viável continuá-lo que interrompê-lo. Na ocasião do anúncio dos vencedores da licitação, Enrique Peñalosa, Prefeito de Bogotá, destacou ser aquele um dia histórico e que seria lembrado como um marco para a capital colombiana

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Licitação do Metrô de Bogotá” (Fonte): https://www.flickr.com/photos/metrobogota/48915555698/in/album-72157711384636502/

Imagem 2 Maquete do Metrô de Bogotá” (Fonte): https://www.flickr.com/photos/metrobogota/47839788682/in/album-72157708680868304/

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Medellín sedia Primeira Cúpula da Economia Laranja

A cidade de Medellín, capital do Departamento de Antioquia, na Colômbia, foi o palco da Primeira Cúpula da Economia Laranja, entre os dias 9 e 10 de setembro de 2019. Considerando que a Economia Laranja – ou Economia Criativa – além do componente cultural tem alto valor comercial, os esforços do governo colombiano visam transformá-la em um dos eixos econômicos de crescimento, contribuindo, inclusive, para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Durante os dois dias do evento foram realizados painéis e conferências para ampliar a consciência do que representa a economia laranja como vantagem competitiva para empresas, instituições e empresários, facilitando a transição para um modelo econômico. Os temas abordados foram: Economia Laranja; Propriedade Intelectual; Educação para fomentar o talento e a criatividade; Cinema, Televisão e Animação; Cultura e Arte como geradores de riqueza; Desenho e Economia Digital; Inteligência Artificial e Redes Sociais; Políticas Públicas para a Criatividade e Inovação.

Cidade de Medellín

Um dos objetivos da Cúpula é formar uma rede de influenciadores e disseminadores denominados Embaixadores da Economia Laranja. Para tanto, o Governo Nacional da Colômbia, juntamente com a Prefeitura de Medellín e a Fundação Advanced Leadership abriram vagas para a capacitação de 300 líderes do ecossistema criativo do país. Depois de treinados, os Embaixadores estarão incumbidos de realizar 10 conferências ou diálogos em suas regiões, para atingir, em até 12 meses, o total de 3.000 eventos com cerca de 120 mil participantes.

Em abril de 2019, foi inaugurado em Medellín o primeiro centro da indústria 4.0 da América Latina. Agora, por ocasião da realização da Cúpula que reuniu mais de 55 experts de 17 países, Federico Gutiérrez, Prefeito de Medellín, lembrou que a cidade, que há 20 anos era lembrada pela violência, tornara-se uma referência de arte e de cultura.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Cúpula da Economia Laranja em Medellín” (Fonte): https://pbs.twimg.com/media/EFLWcBPXoAAgGHw?format=jpg&name=small

Imagem 2 Cidade de Medellín” (Fonte): https://www.medellin.gov.co/irj/go/km/docs/galerias/Imagenes/Galer%C3%ADa%20d%C3%ADa%20a%20d%C3%ADa%202019/20190103_MEDELLLINOTRA2.jpg

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Corte equatoriana rejeita pedidos de consulta popular para mineração

A Corte Constitucional (CC) do Equador negou, em 17 de setembro de 2019, dois pedidos distintos de consulta popular sobre a atividade de mineração. Um pedido havia sido encaminhado por Yaku Perez, Prefeito Provincial de Azuay, e o outro por Elías Bermeo, Prefeito do Cantão Camilo Ponce Enriquez, na mesma Província.

No primeiro caso (Yaku Pérez) a consulta indagava se a população estava de acordo com a proibição da mineração na sua localidade, enquanto que no segundo (Bermeo) perguntava se o cidadão estava de acordo com a exploração mineira. Para ambos os casos, a CC, como a Corte é identificada pela mídia equatoriana, argumentou que as perguntas não tinham clarezas necessárias para garantir a liberdade do eleito.

Yaku Pérez, Prefeito da Província de Azuay

A primeira negativa causou mais repercussões e, segundo o periódico El Telégrafo, o Sr. Carlos Sucuzhañay, Presidente da Confederação Quéchua do Equador (Ecuarunari), havia protestado antes da decisão e afirmado que as companhias de mineração não adentrariam nos territórios do seu povo. Para a Telesur TV, a solicitação de Yaku Pérez é fruto da rejeição popular à entrada das multinacionais canadenses e americanas que lideram os projetos locais. Ainda segundo a Telesur, a decisão da CC foi celebrada pelo Vice-Ministro de Minas, Fernando Benalcázar.

Ainda na noite da 17 de setembro, a CC informou que irá analisar as consultas populares caso a caso. Não obstante, Yaku Pérez, que havia liderado uma vigília em frente da sede da Corte desde a manhã, já avisou que irá apelar para uma Consulta Popular em nível nacional, uma Emenda Constitucional ou à realização de uma Assembleia Nacional Constituinte.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Corte Constitucional do Equador” (Fonte): https://www.corteconstitucional.gob.ec/media/k2/items/cache/thumbs/5fd45095a868b007b05013834dba7a95_XL_940x393.jpg

Imagem 2 Yaku Pérez, Prefeito da Província de Azuay” (Fonte): http://www.azuay.gob.ec/prv/wp-content/uploads/2019/09/erere-768×367.jpg