ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

A Dinamarca e o Fórum Econômico Mundial: a promoção da economia circular

A economia mundial esteve incluída em diversos modelos produtivos que revolucionaram a forma de produção de bens e impulsionaram a qualidade de vida para milhões de pessoas. O fordismo* é uma das maiores referências de desenvolvimento industrial, pois inaugurou a linha de montagem no processo de massificação dos produtos, todavia, trouxe consequências, como o aumento da poluição, por exemplo.

Economia circular

Diante das preocupações atuais sobre a necessidade de inserir métodos produtivos eficazes e que respeitem o meio ambiente, uma nova tendência começa a surgir no horizonte. A economia circular é uma das apostas que a Dinamarca vem buscado fazer em parceria com o Fórum Econômico Mundial (FEM), com o objetivo de promover uma economia mais sustentável.

O princípio da economia circular visa minimizar o desperdício e a dependência de recursos não renováveis. Ou seja, as atividades empresariais entendidas como negativas seriam compensadas mediante o uso de energia verde e da reciclagem. Em termos práticos, o crescimento da economia teria concentração nos benefícios sociais trazidos pela interação setorial.

Os dinamarqueses e o Fórum firmaram um acordo de colaboração que permite ao setor público e privado cooperarem criando ciclos produtivos mais verdes, por meio da Plataforma para Acelerar a Economia Circular (PACE). O jornal Copenhaguen Post trouxe a fala da Coordenadora da PACE, Antoina Gwael, sobre o assunto: “A transição para uma economia circular requer liderança e cooperação público-privada”.

Na mesma mídia, a Ministra da Cooperação para o Desenvolvimento da Dinamarca, Ulla Tørnæs, afirmou: “Com este acordo, ganhamos acesso a redes e conhecimento que fortalecerão nossos esforços para promover uma economia circular aqui e nos países em desenvolvimento”.

Os analistas observam com atenção as vantagens que este conceito de economia pode trazer para o bem-estar social, sobretudo com os incentivos na absorção de mão de obra qualificada e dinamismo intersetorial. Todavia, alertam que essa tendência precisa de um grande esforço de negociação para alinhar os interesses distintos.

———————————————————————————————–

Nota:

* Fordismo é um modelo de produção criado por Henry Ford, em 1914, utilizando do sistema de linhas produtivas para acelerar produção e massificar o mercado automobilístico nos Estados Unidos.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Copenhague, capital da Dinamarca” (Fonte):

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/dc/Gammel_Strand_%28Copenhagen%29.jpg

Imagem 2 Economia circular” (Fonte):

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/8b/%C3%89conomie_circulaire.jpg

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China e Japão assinam mais de cinquenta (50) acordos de cooperação bilateral

O Primeiro-Ministro do Japão, Shinzo Abe, realizou uma visita oficial à República Popular da China na sexta feira, dia 26 de outubro (2018). Nesta ocasião foram assinados mais de cinquenta acordos bilaterais. As áreas afetadas incluem: construção de infraestrutura; inovação tecnológica; cooperação no caso de desastres naturais; sistema financeiro e desenvolvimento sustentável.

Bandeiras da China e do Japão

Um dos acordos assinados é especialmente digno de nota, visto que estabelece diretrizes para a cooperação marítima entre a China e o Japão no caso de acidentes em águas internacionais. As relações bilaterais destes países vêm apresentando fricções desde que a China começou a efetuar uma política de criação de ilhas artificiais no Mar localizado ao Sul do seu território, afetando demandas territoriais pela parte do Japão. Este acordo vinha sendo negociado desde o ano de 2011 e o Japão já possui uma cooperação desta natureza com a Coréia do Sul e com os Estados Unidos.

Em uma conjuntura na qual a China enfrenta disputas comerciais com os Estados Unidos (EUA), o aprofundamento da coordenação com o Japão, a terceira maior economia do mundo e a segunda maior da Ásia, certamente é um movimento estratégico de grande relevância. Pela perspectiva japonesa, a aproximação pode servir igualmente como uma forma de balancear as suas recentes tensões com os Estados Unidos, que anunciaram a possibilidade de elevar para 25% as tarifas comerciais, afetando a indústria automobilística japonesa.

Esta foi a primeira visita de Estado oficial realizada por Shinzo Abe à China desde o ano de 2012, ainda que o mandatário tenha estado neste país na ocasião de eventos de cunho multilateral. Por fim, a aproximação entre tais atores, ainda que possa ter sido conduzida por razões pragmáticas, indica um gesto sinalizando rumo a maior coordenação em nível regional. Nesta ocasião, ambos os líderes se pronunciaram como sendo a favor do livre comércio entre as nações e pelo fortalecimento da Organização Mundial do Comércio (OMC). 

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Mandatários da China e do Japão, Xi Jinping e Shinzo Abe, respectivamente” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Shinzō_Abe_and_Xi_Jinping_(November_2017).jpg

Imagem 2 Bandeiras da China e do Japão” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:China_Japan_450x300px.png#/media/File:China_Japan_450x300px.png

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Mexicanos rejeitam o novo aeroporto da Cidade do México

Em um referendo promovido pelo presidente eleito Andres Manuel Lopez Obrador, os mexicanos votaram pela retirada de um novo aeroporto de 13 bilhões de dólares da capital mexicana. Cerca de um milhão de pessoas, apenas 1% do eleitorado mexicano, participou do plebiscito realizado durante quatro dias, informou a Fundação Arturo Rosenblueth, organização sem fins lucrativos que supervisionou a contagem, após a votação ter terminado no último domingo (dia 28 de outubro). Quase 70% votaram contra o empreendimento.

Maquete do novo aeroporto

Chamada de “consulta pública”, a votação não foi vinculante, mas o esquerdista López Obrador, que havia convocado o referendo e desaprovava o novo aeroporto, prometeu respeitar o resultado. O peso mexicano enfraqueceu cerca de 2% em relação ao dólar após o resultado ser anunciado, tornando-se, de longe, o maior perdedor entre as principais moedas em relação ao dólar.

Ainda assim, Gustavo de Hoyos, chefe da confederação de empregadores Coparmex, instou Lopez Obrador a concluir o projeto Texcoco, uma das principais obras públicas do ex-presidente Enrique Peña Nieto, do Partido Revolucionário Institucional (PRI). O seu cancelamento custaria cerca de 120 bilhões de pesos (aproximadamente, 22,2 bilhões de reais, de acordo com a cotação do dia 30 de outubro de 2018), informou o Grupo Aeroportuário da Cidade do México (GACM), que está conduzindo o projeto desde o início deste ano (2018).

A votação pública foi organizada pelo Movimento Regeneração Nacional (MORENA), de López Obrador, sem a autoridade eleitoral nacional INE. Os partidos de oposição dizem que a consulta não seguiu as regras apropriadas. Vários meios de comunicação locais informaram casos de pessoas que conseguiram votar mais de uma vez e destacaram falhas nos softwares usados para registrar os cartões de identificação dos eleitores. No Twitter, o partido de oposição acusou o novo governo de manipular os votos.

Javier Lozano, ex-ministro do Trabalho e apoiado pelo derrotado na eleição presidencial, descreveu a votação para cancelar o aeroporto como “uma notícia terrível”. “Parecemos uma república de bananas para o mundo”, disse ele em uma discussão televisionada sobre a decisão.

Para a atual administração este referendo foi fundamental para redesenhar os laços comerciais do governo do PRI, cuja credibilidade foi prejudicada por alegações de corrupção e conflitos de interesse. “Os mercados têm o nosso respeito, mas essa decisão foi tomada pelo povo”, disse Marti Batres, líder do Senado e membro sênior do partido MORENA.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Marcha contra o novo aeroporto” (Fonte):

https://es.wikipedia.org/wiki/Nuevo_Aeropuerto_Internacional_de_la_Ciudad_de_M%C3%A9xico

Imagem 2Maquete do novo aeroporto” (Fonte):

https://es.wikipedia.org/wiki/Nuevo_Aeropuerto_Internacional_de_la_Ciudad_de_M%C3%A9xico

ÁFRICAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Controle sobre garimpo ilegal em Angola suscita intensa migração de congolenses

Nasce no sudoeste africano um novo movimento migratório de extrema relevância. Trata-se de um intenso fluxo de congolenses que, vindos das províncias angolanas de Lunda Norte e Sul, regressam à República Democrática do Congo (RDC). Na verdade, verifica-se neste fenômeno o processo inverso àquele encontrado ao longo dos últimos anos, quando o mesmo grupo de pessoas migraram a Angola devido aos conflitos na província congolesa de Kasai.

Segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), desde o começo de outubro deste ano (2018), pouco mais de 200 mil congolenses fugiram das províncias ao norte e nordeste de Angola. O principal fator explicativo para tamanho descolamento repentino é de natureza econômica e política: desde o final de setembro, o Governo angolano tem levado a cabo a “Operação Transparência”, a qual visa pôr fim aos garimpos ilegais de diamantes no país.

Tais centros de mineração contam com uma intensa presença da mão de obra congolesa. Pautados em operações ilegais em termos jurídicos, estes garimpos foram os principais alvos da investigação liderada pelo Governo, levando à interdição e encerramento das atividades de extração aí desenvolvidas. Com efeito, centenas de milhares de trabalhadores congolenses foram atirados ao desemprego, estimulando o retorno destas pessoas à sua nação de origem.

Entretanto, fontes locais afirmam que o encerramento das atividades de garimpo ilegal foi efetivado com intensa violência por parte das forças policiais angolanas. “Nós escutamos sobre casos de brutalidade, sobre pessoas sendo mortas, sobre pessoas sendo feridas e seus pertences sendo saqueados por aqueles que as expulsaram. Com certeza nós não estamos contentes com essa situação e os responsáveis por todas essas mortes deverão responder”, declarou o porta-voz do Governo congolês, Lambert Mende.

Há uma intensa preocupação por parte da RDC com o movimento migratório, tendo em vista que a entrada maciça e repentina de migrantes desempregados pode desestabilizar o país. Com as eleições gerais que estão por vir ao final deste ano (2018), as perspectivas são de que a crise migratória afete consideravelmente os resultados da urna, bem como a legitimidade do regime democrático mediante iminente turbulência social e econômica.

Do outro lado da fronteira, o Governo angolano claramente ruma na direção de suprimir as explorações ilegais de diamantes, a fim de auferir o monopólio total de exploração do minério. Considerado a segunda mercadoria de exportação do país, posicionada somente atrás do petróleo, os diamantes ocupam papel central no planejamento econômico do presidente João Lourenço, cujo plano de governo consiste em efetivar parcerias internacionais para expandir a exploração e as vendas externas da commodity. No ano passado, por exemplo, a empresa estatal angolana Endiama firmou um acordo com a companhia russa Alrosa – a maior do mundo no setor de diamantes – para a intensificação da exploração no campo de Luaxe.

Neste sentido, o uso da força policial nos campos ilegais de mineração também encontra a sua razão de ser no intento estatal de monopolizar a cadeia produtiva dos diamantes, apropriando-se economicamente de todas as receitas e royalties que a comercialização dessa commodity no cenário internacional pode propiciar. Em contrapartida, se por um lado a soberania do Estado angolano sobre os recursos naturais presentes em seu território legitima a atuação contra os sítios ilegais de garimpo, do outro o movimento migratório que este suscita faz questionar a validade da medida para o desenvolvimento econômico e social sustentável na região.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Controle sobre garimpos ilegais de diamantes gera intenso processo migratório de congolenses” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Diamonds.jpg

ÁFRICAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Moçambique e empresas estrangeiras selam acordos para a exploração de petróleo

O Governo moçambicano selou, na semana passada, um acordo com as empresas petrolíferas Exxon Mobil e Rosneft para estimular a exploração de petróleo no país. A parceria prevê investimentos entre 700 e 900 milhões dólares para a abertura de dez poços de extração, sendo oito deles no mar (offshore) e dois no continente (onshore).

O acordo faz parte de um importante planejamento estratégico que o governo de Filipe Nyusi tem traçado para o país: desenvolver-se através da exportação de combustíveis fósseis. Autoridades e formuladores de políticas públicas esperam que Moçambique seja o quarto maior exportador de gás natural na próxima década, bem como um dos principais produtores de petróleo em todo o continente. Atualmente, a principal commodity de exportação é o alumínio bruto, o qual, em 2016, representou 19% das vendas externas do país. Paralelamente, no mesmo ano, o petróleo atingiu somente 4,5% de representatividade sobre o total de exportações.

Exxon Mobil, junto com a companhia russa Rosneft, irão investir entre 700 e 900 milhões para a produção de petróleo em Moçambique

Com a retomada nos preços internacionais dos hidrocarbonetos, o petróleo e seus derivados voltam a aparecer como interessante mercadoria de exportação para os países do Globo Sul – nos quais, em alguns destes, há plena abundância dessas commodities. Especificamente no caso de Moçambique, a intensificação no nível de produção desta mercadoria soa como atraente estratégia para a resolução de seu endividamento público, o qual afeta diretamente na captação de recursos entre investidores estrangeiros para a efetivação das políticas sociais de desenvolvimento nacional.

Na mesma direção, no final deste mês (outubro de 2018), o Governo irá dar continuidade junto à empresa sul-africana Sasol e à companhia italiana Eni na discussão de novos direcionamentos para a exploração de gás natural. Ambas as empresas já possuem contratos em andamento para a produção da commodity, cuja data estimada de exportação está marcada para o ano de 2022. Além disso, o anúncio por parte da empresa estadunidense Andarko sobre o futuro andamento da exploração dos campos de gás também é aguardado pelas autoridades moçambicanas nos próximos meses.

Neste sentido, inúmeras corporações produtoras de hidrocarbonetos orbitam o Governo de Moçambique em busca de selar acordos para a exploração, à medida que o país oferta uma série de campos de petróleo e de gás natural. Da mesma maneira, as autoridades públicas buscam parcerias estratégicas com estes atores, pois representam canais para o expressivo incremento na fonte de rendimentos às contas estatais, as quais estão severamente deterioradas. No entanto, muito se pode perguntar até que ponto as futuras receitas com a exportação de petróleo serão economicamente sustentáveis, tendo em vista que uma série de nações africanas se encontram em recessão devido ao choque nos preços internacionais desta commodity ao longo dos últimos quatro anos.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Petróleo é visto pelas autoridades moçambicanas como caminho para resolução da crise fiscal” (Fonte):

http://www.oilreviewafrica.com/exploration/exploration/eni-to-drill-new-wells-in-africa-for-more-oil-and-gas

Imagem 2Exxon Mobil, junto com a companhia russa Rosneft, irão investir entre 700 e 900 milhões para a produção de petróleo em Moçambique” (Fonte):

https://corporate.exxonmobil.com/en/company/worldwide-operations/locations/brazil#About

                                                                                             

América do NorteECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

México diz que novo acordo comercial dos EUA não inibe outras relações econômicas

O Ministro das Relações Exteriores do México, Luis Videgaray, disse ao Conselheiro de Estado da China, Wang Yi, em um telefonema no último sábado (dia 13 de outubro), que o novo acordo comercial do México com os Estados Unidos e o Canadá não impedirá as relações econômicas com outros países, informação que já constava em um comunicado da Secretaria de Relações Exteriores mexicana (SRE).

Porto de Lázaro Cárdenas

O pacto estabelecido para substituir o Acordo de Livre Comércio da América do Norte destaca que, se um dos parceiros aderir a um acordo de livre comércio com um país “não mercantil”, como a China, por exemplo, os outros podem renunciar em seis meses e formar seu próprio acordo bilateral.

O mecanismo apoiaria os esforços do Presidente dos EUA, Donald Trump, de isolar economicamente os chineses em meio a uma crescente guerra tarifária entre as duas potências e dar a Washington um veto efetivo sobre qualquer acerto comercial com a China feito pelo Canadá ou pelo México.

Videgaray não detalhou se o México buscaria tal tratativa, mas disse que o novo pacto, chamado de Acordo EUA-México-Canadá (USMCA), não bloquearia acordos bilaterais com países não incluídos nele.

Shanghai, centro financeiro chinês

O Ministro mexicano enfatizou que “nenhuma de suas condições constitui um obstáculo para as relações bilaterais ou trocas econômicas que o México, como um Estado soberano, mantém com outras nações”.

No dia seguinte, em um comunicado divulgado no site do Ministério das Relações Exteriores da China, no domingo (dia 14 de outubro), Wang chamou a China e o México de “parceiros estratégicos globais” e observou que ambos apoiaram, entenderam e confiaram consistentemente um no outro nas principais questões.

Qualquer acordo de livre comércio bilateral e multilateral não deve ser dirigido contra terceiros, nem restringir direitos e interesses legítimos de outros membros, e, além disso, não deve ser excludente. China e México são países emergentes e devem apoiar o multilateralismo e o sistema de livre comércio”, disse o comunicado chinês.

Contudo, apesar desse dispositivo para excluir parcerias econômicas entre os membros do USMCA e terceiros dar força aos norte-americanos, o Secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, chamou a disposição no acordo com o México e o Canadá de uma “pílula venenosa” que poderia ser replicada.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Zócalo, principal praça na Cidade do México” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Historic_center_of_Mexico_City

Imagem 2Porto de Lázaro Cárdenas” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Porto_de_L%C3%A1zaro_C%C3%A1rdenas

Imagem 3Shanghai, centro financeiro chinês” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Economy_of_China