NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Manual internacional para combater a resistência de bactérias a antibióticos

A “resistência antimicrobiana”* tem como principais causas a automedicação e o uso indevido de antibióticos e outros medicamentos. Nesse sentido, caracteriza-se o fenômeno pelo desenvolvimento de superbactérias em que os medicamentos se tornam limitados no combate das doenças.

Outros fatores associados ao agravamento da referida resistência em âmbito mundial são: programas de prevenção e controle de infecção inexistentes ou insuficientes; baixa qualidade de medicamentos; vigilância inadequada e regulação insuficiente quanto ao uso de antimicrobianos. Estima-se que, a cada ano, 700.000 pessoas morram em decorrência de cepas resistentes de bactérias causadoras de infecções comuns** presentes em casos como HIV, tuberculose e malária.

Profissionais de saúde. Foto: ANVISA

Para enfrentar essa situação, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou, em 2015, o Plano de Ação Global em Resistência a Antimicrobianos. Neste documento, sintetiza-se a abordagem de uma “Saúde Única” (One Health) por orientar o envolvimento multissetorial para o enfrentamento ao problema global.

As frentes de atuação deste plano são: conscientizar a sociedade e os profissionais sobre o uso adequado de antimicrobianos; promover melhores condições de saneamento básico; incentivar a descoberta de vacinas, novos antimicrobianos ou alternativas terapêuticas; e desenvolver pesquisas para melhor entender esses micro-organismos e sua distribuição no país.

Além do risco de aumento da mortalidade em função da ineficácia medicamentosa, os impactos indiretos relacionam-se, especialmente, às perdas econômicas por conta da queda de produtividade global. Estima-se, desta forma, um prejuízo de 100 trilhões de dólares (387 trilhões de reais) até 2050.

Na América Latina, as intervenções de manejo antimicrobiano foram coordenadas pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e por outras organizações dedicadas à temática, por meio da obrigatoriedade de apresentação de prescrições médicas. Após a implantação desse regulamento no Chile (1999), na Colômbia (2005), no Brasil*** e no México (2010), não foram detectados aumentos nas admissões clínicas relacionadas a infecções bacterianas, o que aponta para a eficácia da medida.

Recentemente, a OPAS lançou um Manual**** com orientações práticas sobre a prescrição e uso desses medicamentos voltado para autoridades, gestores e profissionais de saúde. Assim, reforça as iniciativas regionais para combater este problema sanitário.

———————————————————————————————–

Nota:

* Expressão de acordo com o Manual da OMS e com dados da ANVISA. A referida resistência é justamente aos agentes que combatem os micróbios.

** As “cepas resistentes de bactérias causadoras de infecções comuns” consta na aba “Profissionais de Saúde” da ANVISA e, certamente, refere-se as bactérias comuns que acompanham estas doenças, uma vez que, por exemplo, o HIV se trata de um retrovírus, pertencente ao gênero Lentivirus.

*** Folheto do Ministério da Saúde brasileiro sobre uso consciente de antibióticos pode ser lido neste link.

**** OPAS: Manual para combater a resistência de bactérias a antibióticos (em inglês) pode ser conferido na íntegra.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Consumo excessivo e inadequado de antibióticos aumenta a resistência de bactérias a esses medicamentos. Foto: PEXELS” (Fonte):

https://nacoesunidas.org/opas-lanca-manual-para-combater-resistencia-de-bacterias-a-antibioticos/

Imagem 2 Profissionais de saúde. Foto: ANVISA” (Fonte):

http://portal.anvisa.gov.br/antibioticos/profissionais

                                                                             

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Paraguai, Brasil e Suriname são reconhecidos como “Campeões contra a Malária”

Ao longo dos últimos dez anos, a Organização Pan-Americana da Saúde e seus parceiros têm reconhecido e premiado iniciativas de prevenção à malária na região. Assim, 27 projetos já foram identificados como importantes mecanismos de cooperação para o enfrentamento ao Mosquito Anopheles, transmissor da doença, que segue endêmica em 20 países, principalmente na sub-região amazônica.

Atendimentos in loco para prevenção à Malária

A malária não é contagiosa, portanto, é necessária a ação de seu vetor para a transmissão. Os sintomas comuns desta enfermidade são: febre alta, calafrios, tremores, sudorese e dor de cabeça que podem ocorrer de forma cíclica; já a malária grave pode levar a óbito.

Em 2018, os “Campeões contra a Malária nas Américas” são Paraguai, Brasil e Suriname. Destes três, apenas o primeiro adquiriu o reconhecimento da Organização Mundial da Saúde (OMS) de eliminação total da doença – em 45 anos.

Além disso, a Argentina e outros seis países (Belize, Costa Rica, Equador, El Salvador, México e Suriname) reduziram a incidência de casos autóctones, apresentando potencial para certificação de erradicação até 2020, segundo a OMS.  

Em síntese, os programas vencedores deste ano (2018) possuem como característica a integração de esforços em nível municipal, estadual e nacional, como demonstrado a seguir:

– O Governo do Suriname, desde 2017, tem implantado ações para eliminar a malária até 2020. Nesse sentido, introduziu um modelo sólido em saúde centrado nas pessoas, especialmente em mineiros, migrantes e comunidades indígenas. A iniciativa criou capacidades em nível local e melhorou o diagnóstico, tratamento e controle de vetores. Também integrou os serviços de saúde e buscou soluções operativas e tecnológicas.

– O Governo brasileiro se destacou em dois programas: 1) Programa de Controle da Malária do município de Machadinho D’Oeste (RO), que obteve um maior acesso ao diagnóstico e ao tratamento, a partir do uso de mosquiteiros. Assim, houve uma redução de 44% nos casos da doença entre 2016 e 2017. 2) Programa de Controle no Alto Rio Solimões (AM), por seus esforços ao controlar a incidência de malária em áreas indígenas. Houve uma redução expressiva de 70% do número de casos confirmados, desde 2015, em uma área de difícil acesso que abriga mais de 70 mil pessoas distribuídas entre 13 comunidades à beira de rios.

– O Programa Nacional de Controle da Malária, no Paraguai, tem oferecido acesso universal ao diagnóstico e tratamento da doença. A responsabilidade dessa iniciativa é do Serviço Nacional de Erradicação da Malária, órgão do Ministério da Saúde Pública e Bem-Estar Social, que está distribuído em 19 áreas operativas que correspondem às divisões geopolíticas do país.  Como resultado, não há registros de casos autóctones de malária desde 2011.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Campeões contra a Malária”. Foto: OPAS” (Fonte):

https://www.flickr.com/photos/pahowho/albums/72157702983961054/with/44771572215/

Imagem 2 Atendimentos in loco para prevenção à Malária. Foto: OPAS” (Fonte):

https://www.flickr.com/photos/pahowho/45635357142/in/album-72157702983961054/

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Confirmados nas Américas 8.091 casos de Sarampo

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) confirma o crescimento de casos de Sarampo nas Américas em 22%. Com os dados fechados no último dia 24 de outubro, os números apresentados no relatório epidemiológico salientam a necessidade de atividades de resposta na região.

Ao todo, onze países das Américas notificaram 8.091 casos confirmados da doença em 2018: Antígua e Barbuda (1), Argentina (14), Brasil (2.192, incluindo 12 mortes), Canadá (25), Colômbia (129), Equador (19), Estados Unidos (142), Guatemala (1), México (5), Peru (38) e Venezuela (5.525, incluindo 73 óbitos).

Criança com mancha na pele característica do sarampo, quatro dias após o início dos sintomas

Desde a atualização epidemiológica publicada em 21 de setembro de 2018 foram notificados 1.462 novos casos de sarampo e 13 mortes adicionais em sete países da região: Argentina (03); Brasil (457 e 02 mortes); Canadá (03); Colômbia (44); Estados Unidos (18); Peru (17) e Venezuela (920 e 11 mortes). Especificamente no Brasil, o sarampo foi identificado em sete estados (Pará, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Sergipe) e, recentemente, no Distrito Federal, sendo que na maior parte desses locais o genótipo do vírus (D8) é idêntico à linhagem identificada na Venezuela entre 2017 e 2018.

O sarampo é uma doença grave causada por um vírus que pode ser transmitido por tosse e espirros, contato pessoal próximo ou contato direto com secreções nasais ou da garganta. Este vírus permanece ativo e contagioso no ar ou em superfícies infectadas por até duas horas.

Também, pode ser disseminado entre quatro a seis dias antes do aparecimento de erupções cutâneas (vermelhidão na pele) ou ainda durante os quatro dias após este sinal patológico.

Destacam-se como sintomas febre, nariz escorrendo, olhos vermelhos e tosse. Já as complicações mais graves são descritas como cegueira, encefalite (infecção acompanhada de edema cerebral), diarreia severa (que pode provocar desidratação), infecções no ouvido ou infecções respiratórias graves, como pneumonia.

Em relação ao controle da propagação dessa enfermidade nas Américas, a OPAS recomenda aos países que mantenham a cobertura vacinal em ao menos 95%. Além disso, orienta que, durante surtos, seja estabelecido um fluxo adequado de pacientes para salas de isolamento, assim como a vacinação dos profissionais de saúde.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Campanha de vacinação contra o sarampo no Paraguai. Foto: OPAS” (Fonte):

https://nacoesunidas.org/opas-sobe-para-8-mil-numero-de-casos-confirmados-de-sarampo-nas-americas/

Imagem 2 Criança com mancha na pele característica do sarampo, quatro dias após o início dos sintomas” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Sarampo

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Moçambique investiga a transmissão da malária

A malária é uma doença parasitária transmitida pelo mosquito da espécie Plasmodium e é uma das principais preocupações dos agentes de saúde pública de Moçambique, tendo em vista que no primeiro trimestre de 2018 cerca de três milhões de moçambicanos foram afetados. A maioria dos casos de malária são em crianças, como evidencia a Organização Médicos sem Fronteiras, e, dentre as mortes, 70% são de crianças com menos de 5 anos de idade.

Segundo o Chefe do Programa Nacional de Luta contra a malária, Baltazar Candrinho, é durante os meses de dezembro e abril que são registrados mais casos de malária. Tal fenômeno ocorre em virtude do período das chuvas, que cria o ambiente necessário para a proliferação do mosquito transmissor da doença. Igualmente, o saneamento básico ineficiente e o acúmulo de lixo comprometem o combate efetivo.

Mapa do continente africano, região subsaariana em verde

Moçambique desenvolve medidas sanitárias e de controle da população de mosquitos por meio de distribuição de mosquiteiros à população, pulverizações e o fornecimento de testes rápidos para detecção. Em outubro de 2018, o Governo moçambicano anunciou uma nova medida na província de Nampula, que possui o maior índice de infecção, pois, de cada 10 pessoas, seis possuem malária. O projeto elaborado pelo Ministério da Saúde tem como objetivo instalar laboratório para estudar o comportamento do mosquito transmissor, visando criar novas medidas mais eficientes com base nos estudos realizados.

No âmbito regional, a área mais afetada pela malária é a região subsaariana, para tanto, a Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral criou a iniciativa Elimination 8 (E8), que engloba a atuação de oito países da Comunidade que são acometidos pela doença e buscam a sua erradicação. Os Estados que compõem a iniciativa são África do Sul, Angola, Botsuana, Moçambique, Namíbia, Reino de Eswatini (anteriormente Suazilândia), Zâmbia e Zimbabué.

De acordo com o Embaixador namibiano da E8, Richard Kamwi, a malária afeta 75% da economia subsaariana e atinge 1,3% do seu potencial de crescimento econômico. Neste sentido, sua erradicação impactaria na melhoria de outros setores sociais.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Bandeira de Moçambique” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Mo%C3%A7ambique#/media/File:Flag_of_Mozambique.svg

Imagem 2Mapa do continente africano, região subsaariana em verde” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81frica_subsariana#/media/File:Sub-Saharan-Africa.png

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Dia Mundial do Coração e as ações das Organizações Internacionais

O Dia Mundial do Coração (WHD, sigla em inglês), campanha organizada pela Federação Mundial do Coração, com apoio da Organização das Nações Unidas (ONU), pretende inspirar as pessoas a adotarem hábitos de vida mais saudáveis. Comemorada no dia 29 de setembro, a data marca um momento para conscientizar e disseminar os meios de combater a maior causa de mortes prematuras.

Global Hearts Initiative

No contexto desta campanha, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que as doenças cardiovasculares (DCV) tiram a vida de 17,9 milhões de pessoas todos os anos, contabilizando 31% de todas as mortes globais. O desencadeamento dessas doenças – que se manifestam principalmente como ataques cardíacos e derrames – se dá principalmente pelo uso do tabaco, pela dieta pouco saudável, inatividade física e o uso nocivo do álcool.

Por meio da Global Hearts Initiative (GHI), lançada em setembro de 2016, a OMS apoia governos em todo o mundo para aumentar os esforços de prevenção e controle das doenças cardiovasculares, por meio de três pacotes técnicos: controle do tabagismo, redução de sal e o fortalecimento da gestão das DCV na atenção primária à saúde. 

A GHI foi lançada inicialmente em Barbados, Benin, Colômbia, Etiópia, Filipinas, Índia, Jordânia, Nepal, Nigéria, República Islâmica do Irã, Sri Lanka, Tailândia, Tajiquistão e Uganda, e está aberta a todos os países que desejem participar.

Por sua vez, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) está trabalhando com os países membros para apoiar a capacitação para um modelo de prevenção interdisciplinar na atenção primária à saúde, considerando a gestão da hipertensão e diabetes como pontos importantes no modelo.

No Brasil, o Hospital Sírio-Libanês mantém, desde 2016, um hotsite para promover o movimento “Cuide do seu coração”, disseminando informações sobre alimentação saudável, exercícios físicos, receitas saudáveis, prevenção, doenças e sintomas, e um simulador de risco para verificar como anda a saúde do seu coração.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 “Dia Mundial do Coração” (Fonte):

https://blog.securenow.in/wp-content/uploads/2016/09/habits-to-keep-your-heart-healthy.png

Imagem 2 “Global Hearts Initiative” (Fonte):

http://www.who.int/cardiovascular_diseases/Global-hearts-initiative.jpg?ua=1

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Medidas de prevenção do Ebola em Cabo Verde

Cabo Verde manterá o plano de combate ao vírus Ebola, em decorrência do crescimento de ocorrências na República Democrática do Congo (RDC). As medidas do Governo cabo-verdiano com o seu Ministério da Saúde foram elaboradas em 2014 e seguem as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Este protocolo surgiu no contexto da epidemia que atingiu a região ocidental do continente africano, a citar países como a Guiné-Conacri*, Libéria e Serra Leoa.

Logo do Médicos Sem Fronteiras

Além da ampliação do diálogo regional sobre a doença e as determinações Internacionais de triagem nas regiões de fronteira, as ações também compreendem o Plano contingencial de controle nas áreas portuárias; a manutenção de estoque de equipamentos médicos; o treinamento para situações que exijam isolamento.

O Ebola é uma doença viral, que possui como hospedeiro principal morcegos frutívoros, com alta taxa de fatalidade (de 25% a 90% dos casos), segundo dados da Organização Médicos Sem Fronteiras. Igualmente, existe o risco de transmissão, que ocorre por meio do contato com sangue e secreções de uma pessoa infectada.

Mapa da República Democrática do Congo. Área em vermelho: Primeiras ocorrências de Ebola em 2014

Outros fatores que dificultam o tratamento são a complexidade no diagnóstico dos sintomas, as sequelas neurológicas e reumáticas nos sobreviventes e a inexistência de vacina contra o vírus. Cabe destacar que no surto ocorrido em 2014 foram registradas 28.700 pessoas diagnosticadas e 11.300 óbitos.

Os novos surtos de Ebola na República Democrática do Congo foram registrados em zonas urbanas e vitimaram 29 pessoas no início do mês de agosto (2018), segundo o anúncio oficial do Ministério da Saúde Congolês. A região que apresentou os últimos casos é situada ao norte, junto à fronteira com Ruanda e Uganda, o que preocupa quanto à disseminação do vírus aos países vizinhos. Na perspectiva do Diretor do Programa Nacional de Luta contra a Malária de Cabo Verde, Antônio Moreira, apesar da distância aproximada de 5.500 quilômetros da RDC, o arquipélago cabo-verdiano está preparado para atender possíveis casos, consonante as recomendações da OMS.

———————————————————————————————–

Nota:

* Guiné-Conacri é o nome usado para distingui-la da vizinha Guiné-Bissau. Seu nome oficial é República da Guiné.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Mapa da região ocidental africana” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Comunidade_Econ%C3%B3mica_dos_Estados_da_%C3%81frica_Ocidental#/media/File:Ecowas_map.svg

Imagem 2Logo do Médicos Sem Fronteiras” (Fonte):

https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRmE6cD-r554zlcNOXG21v5-iHglfUZ900b2kSynYffdV7k4_9t

Imagem 3Mapa da República Democrática do Congo. Área em vermelho: Primeiras ocorrências de Ebola em 2014” (Fonte)

https://es.wikipedia.org/wiki/Brote_de_%C3%A9bola_en_la_Rep%C3%BAblica_Democr%C3%A1tica_del_Congo_de_2014#/media/File:DRC_Ebola_Map.png