AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONALPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Foi reconhecida a “Sociedade Nacional da Cruz Vermelha do Sudão do Sul”

Dois anos após o “Sudão do Sul” se tornar um país independente, o “Comitê Internacional da Cruz Vermelha” (CICV) informou em nota[1] que, no dia 19 de junho, reconheceu a “Sociedade Nacional da Cruz Vermelha do Sudão do Sul”, sendo esta a “189ª Sociedade Nacional” integrante do “Movimento Internacional da Cruz Vermelha”.

O diretor de “Direito Internacional e Cooperação do CICV”, Philip Spoerri, declarou que o “reconhecimento da Cruz Vermelha do Sudão do Sul é um marco para o Movimento[1]. Em conformidade com os estatutos do Movimento, a “Cruz Vermelha do Sudão do Sul” desempenha uma série de atividades humanitárias como a gestão de desastres e assistência à saúde. Em tempo de guerra, as “Sociedades Nacionais” ajudam os serviços sanitários do exército.

O CICV é responsável pelo reconhecimento das novas sociedades nacionais com base numa série de condições de reconhecimento (Artigo 4º dos Estatutos do “Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho[2]), para poderem fazer parte do Movimento.

Atualmente o “Movimento Internacional da Cruz Vermelha” é a maior rede humanitária do mundo, sendo composta pelo CICV, a “Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho” e “189 Sociedades Nacionais”. Cada um destes componentes possui sua função e personalidade jurídica própria, mas todos são guiados pelos sete “Princípios Fundamentais” da organização: (1) humanidade, (2) imparcialidade, (3) neutralidade, (4) independência, (5) voluntariado, (6) unidade e (7) universalidade.

————————–

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://www.icrc.org/por/resources/documents/news-release/2013/06-24-south-sudan-red-cross-society.htm

[2] Ver:

http://www.icrc.org/por/resources/documents/misc/icrc-statutes-080503.htm

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Imortalidade será realidade em 20 anos, afirma “Diretor do Google”

A imortalidade não é uma realidade, mas, à medida que a tecnologia evolui, esta possibilidade torna-se mais próxima, declarou[1] o “Diretor de Engenharia do Google”, Ray Kurzweil, no “Congresso Internacional Futuro Global 2045[2] (“Global Future 2045 World Congress”) realizado nos dias 15 e 16 de junho em “Nova York”.

Kurzweil ressalta que provavelmente em menos de 15 anos observaremos um grande avanço na medicina e, obviamente, esse avanço ampliará a expectativa de vida dos seres humanos. O diretor acredita que em breve será possível reprogramar células para se recuperarem de doenças e até mesmo gerar tecido humano em impressoras 3D.

O “Diretor de Engenharia do Google não é o único a esperar que a tecnologia traga a imortalidade para os seres humanos. No mesmo evento, o multimilionário russo Dmitry Itskov* está buscando investidores para financiar a pesquisa para uma tecnologia que pretende tornar possível a vida eterna[3], transferindo a consciência humana de uma forma artificial em avatares (corpos robóticos). O projeto prevê a produção em massa de avatares de baixo custo e aparência humana onde seria possível carregar o conteúdo de um cérebro humano, incluindo todos os detalhes específicos de consciência e de personalidade.

————————————————

* Itskov é o fundador da “Iniciativa de 2045”, uma organização sem fins lucrativos focada na criação de um centro de pesquisa internacional, onde os cientistas vão pesquisar e desenvolver tecnologias para tornar possível a vida eterna.

————————————————

[1] Ver:

http://www.cnbc.com/id/100818858

[2] Ver:

http://gf2045.com/

[3] Ver:

http://www.cnbc.com/id/100559031

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Espanha assina Acordo com a “Organização Panamericana da Saúde”

A “Organização Panamericana da Saúde” (OPS) e o governo da Espanha firmaram[1] um memorando de entendimento de US$ 5,7 milhões para execução de projetos na área da saúde na “América Latina”.

A diretora da OPS, Carissa F. Etienne, declarou[1] que a assinatura do Documento representa um aprofundamento da relação do organismo com a Espanha e a possibilidade de fortalecer a cobertura e o acesso da saúde aos mais vulneráveis da região latino-americana.