NOTAS ANALÍTICAS

Venezuela aumenta preços de alimentos em até 147%

Segundo Hugo Chávez, numa tentativa de encorajar a produção local de alimento e reduzir as importações, seu governo adota o procedimento do aumento de preços tabelados de vários alimentos. Esse salto elevará ainda mais a inflação venezuelana que já é a mais alta da América Latina. Nos cinco primeiros meses deste ano, a inflação teve um acúmulo de 8,9%.

O governo venezuelano impõe controles de preços em muitos alimentos da cesta básica desde 2003 para combater a inflação, por conseqüência os produtores perderam margens de lucro e provocou desabastecimentos esporádicos de alimentos.

NOTAS ANALÍTICAS

Senegal pede mais cooperação da Europa

Em entrevista a jornalistas na Comissão Européia, em Bruxelas, o presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, afirma que a Europa está perdendo competitividade no continente africano e pediu para que os países europeus aumentem a ajuda ao continente, caso contrário irão se voltar aos países emergentes como Brasil, China e Índia para conseguir ajuda econômica.

“A África quer cooperar com a Europa, mas se a Europa se fechar em relação à África, nós temos Índia, China e Brasil nos oferecendo as mesmas coisas a preços mais baixos e com condições de crédito extraordinárias, isto também faz parte da realidade econômica”, disse.

NOTAS ANALÍTICAS

BID e BM investem na Bolívia

A imprensa boliviana (La Razon) está divulgando que o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e o BM (Banco Mundial) destinaram U$ 104 milhões, para um conjunto de projetos centralizados na atividade agrícola. Apesar dos problemas internos dos questionamentos aos quais à Bolívia tem sido submetida na sociedade internacional, as Agências de Desenvolvimento mantém a política de investimentos no país.

NOTAS ANALÍTICAS

Bahia é o primeiro Estado Brasileiro a receber empréstimo do BID na modalidade Projeto de Apoio a Reformas de Políticas

Foi assinado hoje, com o governo da Bahia, o primeiro empréstimo na modalidade de Projeto de Apoio a Reformas de Políticas do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no Brasil. O objetivo é a execução do Programa de Consolidação de Equilíbrio Fiscal para o Desenvolvimento do Estado da Bahia (Proconfis) e conta com um montante de US$ 409 milhões.

 

O secretário da Fazenda da Bahia, Carlos Martins, explicou que, no início da negociação com o BID, o foco do governo de seu Estado estava na reorganização de sua dívida pública, pois com a situação fiscal do Estado mais “confortável”, o empréstimo ajudará a “fortalecer os investimentos em infra-estrutura”.