NOTAS ANALÍTICASSociedade Internacional

Acadêmicos americanos pedem que Pequim liberte o canadense Michael Kovrig

Um grupo de 15 presidentes de think tanks e institutos de pesquisa dos Estados Unidos lançaram um comunicado conjunto na segunda-feira (11 de março) pedindo a soltura imediata do ex-diplomata canadense, Michael Kovrig, que está detido na China sob a acusação de roubo de segredos de Estado. Entre os que assinaram o comunicado estão John Allen, presidente da Brookings Institution; William Burns, presidente da Carnegie Endowment for International Peace; Josette Sheeran, presidente da Asia Society; e Orville Schell, um sinólogo veterano – informa o jornal South China Morning Post. Kovrig, conselheiro sênior da organização não-governamental International Crisis Group (ICG), e outro canadense, o consultor Michael Spavor, foram levados sob custódia pelas autoridades chinesas no início de dezembro do ano passado (2018).

Os canadenses foram presos logo após a detenção, no Canadá, de Sabrina Meng Wanzhou, diretora financeira da companhia de telecomunicações Huawei, a pedido de Washington, sob a acusação de ter mentido para Bancos americanos, de forma a fazê-los processar transações que violam as sanções dos Estados Unidos e da Organização das Nações Unidas (ONU) ao Irã. Ela enfrenta diversas acusações e cada uma das quais possui uma pena máxima de 30 anos de prisão. Atualmente, Wanzhou está em prisão domiciliar em Vancouver, esperando sua extradição para os Estados Unidos, após pagar uma fiança de 10,6 milhões de dólares em dezembro de 2018. A empresária chinesa se declara inocente das acusações.  

A diretora financeira da Huawei, Sabrina Meng Wanzhou, na Rússia, em 2014

O porta-voz do Ministério de Negócios Estrangeiros da China, Lu Kang, afirmou, no dia 2 de março, que os Estados Unidos e o Canadá estão “abusando de seu tratado de extradição bilateral para aplicar medidas coercitivas contra cidadãos chineses, em violação de seus direitos e interesses legítimos”, classificando o caso como um “severo incidente político”. Pequim também “protestou solenemente” às autoridades canadenses para que libertem Wanzhou e solicitou que os Estados Unidos retirem os pedidos de prisão e de extradição. O elevado interesse da China por Wanzhou deriva do fato de seu pai ser Ren Zhengfei, o fundador e presidente da Huawei, uma empresa crucial para a estratégia chinesa de aquisição de tecnologia avançada no exterior.

Sede da Huawei no Canadá

A Huawei, em 2018, ultrapassou a Apple para se tornar a segunda maior fabricante de smartphones do mundo, atrás apenas da Samsung. Suspeita-se que a companhia seja instrumento de espionagem do Partido Comunista Chinês, graças ao Artigo 7 da Lei de Inteligência Nacional da China que afirma: “Todas as organizações e cidadãos devem apoiar, auxiliar e colaborar com o trabalho de inteligência nacional e proteger os segredos do trabalho de inteligência nacional que lhes são confiados”. Tal artigo pode levar a essas considerações, mas não indica diretamente que esta exigência implique em que todos os cidadãos e empresas são agentes de espionagem, nem que façam tal atividade, acrescentando-se que considerações sobre colaboração dos cidadãos de um país aos interesses do Estado a que pertence estão implícitas nas exigências de segurança nacional dos demais Estados do Mundo. De acordo com o diretor do Federal Bureau of Investigation (FBI), Christopher Wray, os celulares da Huawei podem ser usados para “modificar maliciosamente ou roubar informações”. No início de 2018, o Pentágono baniu os aparelhos da companhia de todas as bases militares americanas ao redor do mundo.

Contudo, a Huawei também possui a liderança global na tecnologia 5G. Conforme vem sendo disseminado na mídia, Pequim trata a empresa como uma “campeã nacional” e continua a desenvolvê-la por meio de concessão de juros baixos e acesso privilegiado ao mercado doméstico chinês, que é altamente protegido. O governo da China tem apoiado a companhia na tarefa de instalar os cabos da tecnologia 5G para as redes telefônicas de diversos países do mundo.

Nesse sentido, interpreta-se que, para as autoridades norte-americanas, qualquer sistema de rede instalado pela Huawei, em tese, pode ser utilizado pelos serviços de inteligência da China para espionagem cibernética e obtenção de tecnologia por meios virtuais. A Huawei já conseguiu mais de 25 contratos comerciais de 5G, mas o temor é tão elevado que os Estados Unidos, a Austrália e a Nova Zelândia recusaram a participação da empresa na construção de redes de 5G em seus territórios. Dada a importância da Huawei para os chineses, parece pouco provável que os canadenses sejam libertados até que Washington ceda aos desejos da China, que está cada vez mais assertiva na corrida tecnológica internacional.   

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 O exdiplomata canadense Michael Kovrig” (Fonte): https://www.linkedin.com/in/kovrig/

Imagem 2 A diretora financeira da Huawei, Sabrina Meng Wanzhou, na Rússia, em 2014” (Fonte): https://es.wikipedia.org/wiki/Meng_Wanzhou#/media/File:Meng_Wanzhou_at_Russia_Calling!_Investment_Forum.jpg

Imagem 3 Sede da Huawei no Canadá” (Fonte): https://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Huawei_buildings#/media/File:HuaweiCanada10.jpg

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONALSociedade Internacional

Asesinatos a líderes sociales en Colombia pone en discusión la paz

-No están matando… No hay ningún motivo para que una persona sea asesinada por razones ideológicas o políticas”, afirmaba un ciudadano el pasado sábado 7 de julio durante una manifestación llevada a cabo en la ciudad de Bogotá. “La guerra se ha recrudecido, mientras duraron los diálogos* [entre las FARC y el gobierno de Colombia] la gente estuvo tranquila, podíamos trabajar y vivir en nuestros territorios, pero ahora volvieron lo armados y la muerte”, señaló una madre cabeza de familia, quien tuvo que salir desplazada del municipio de Payan, ubicado en la región pacifico, departamento de Nariño; el relato fue entregado en la ciudad de Pasto, capital del departamento al sur Colombia; estos hechos de desplazamiento se viene presentando por cuenta de la disputa entre grupos armados ilegales que buscan el control territorial de zonas relacionadas al narcotráfico o la explotación de mineros como oro.

En Colombia, desde 2016 hasta julio 10 del 2018, de acuerdo con La Defensoría del Pueblo**, por lo menos 322 líderes sociales, defensores de derechos humanos y defensores ambientales han sido asesinados. De esta cifra en lo que ha corrido del 2018 ya se registran 123. En promedio, un líder social es asesinado cada día. El 80% de los casos corresponde a líderes sociales que pertenecían a organizaciones campesinas, étnicas y juntas de acción comunal. 13% se relaciona con la sustitución de cultivos de coca; esto quiere decir, campesinos que lideraban en sus territorios la sustitución de cultivos ilegales por otro tipo actividades productivas. Así mismo otro dato revelador tiene que ver con que el 83% de los asesinatos se relacionan con conflictos por la tierra, el territorio y recursos naturales; esto es importante en un país como Colombia donde, de acuerdo con el índice de Gini, que mide la desigualdad social, ubica a este país como uno de los más desiguales en el mundo.

Mapa de territorios de líderes sociales asesinados en Colombia

En este contexto el pasado fin de semana (7 y 8 de julio), miles de ciudadanos Colombianos se reunieron en diferentes puntos emblemáticos de ciudades en todo el mundo, así en lugares como Berlín, Madrid, Bruselas, Nueva York, Buenos Aires, San Pablo, Sídney, entre otras, se pidió al gobierno de este país Latinoamericano garantizar la seguridad de defensores de derechos humanos, líderes sociales y miembros de la oposición política, quienes han sido asesinados y amenazados en los últimos meses; esto después de las negociaciones con las FARC*** y la posibilidad de pacificar los territorios que históricamente han estado en medio del conflicto armado.

En la jornada conocida como “Velatón”, se calcula participaron más de 50 ciudades en el mundo, sin embargo, la mayor concentración pacífica a favor de la paz se vivió en la capital colombiana. Allí miles de ciudadanos se congregaron en la Plaza de Bolívar, lugar emblemático ubicado en el centro histórico de esta ciudad que cuenta con una población cercana a los 10 millones de habitantes. “Este país no puede seguir naturalizando la muerte… el estado debe hacer presencia en los lugares en donde están acabando con la vida y la esperanza”, afirmaba una ciudadana que acompañaba la multitudinaria expresión social en Bogotá.

Ante la grave situación y la vulnerabilidad a los derechos humanos, 38 miembros del Parlamento europeo piden a la UE actuar ahora, con el fin de proteger líderes sociales, defensores de los DDHH y opositores políticos en Colombia. Se puede leer así en el documento fechado el 13 de julio de 2018: “La alta frecuencia de estos asesinatos y el hecho que ocurran en partes muy diversas del territorio de Colombia, revela el carácter sistemático de la violencia, la reactivación de grupos armados, y en particular la reestructuración de grupos paramilitares y la participación al menos pasiva de las fuerzas de seguridad de Colombia o al menos de parte de ellas. En este contexto queremos expresar nuestra preocupación por la falta de implementación de diversos instrumentos jurídicos para la protección de líderes sociales y defensores, como el decreto 2252 del 20 de diciembre del 2017, así como los puntos 3,44 y 3,45 del acuerdo de paz”.

El comunicado finaliza con un llamado urgente de carácter humanitario, con el fin de salvar “decenas o centenas de vidas” en las semanas venideras. La preocupación de los eurodiputados se amplía al mencionar el futuro de los acuerdos de paz, al igual que los cambios al sistema de justicia transicional, que es el corazón del acuerdo de paz; modificaciones convocadas por el presidente electo y sus copartidarios.

Finalmente, resulta importante mencionar que en Colombia la paz es una necesidad histórica y que es hoy un referente para el mundo. La paz, de acuerdo con centros de pensamiento sobre el tema, debe pasar necesariamente por que se den garantías para la protección de los derechos humanos y se solucionen las causas que dieron origen al conflicto. 

———————————————————————————————–

Notas de pie de página:

* Los acuerdos o diálogos de paz de La Habana son el resultado de negociaciones entre el gobierno de Colombia y las FARC, sintetizados en seis puntos (1. Lucha contra la pobreza rural; 2. Participación política; 3. Cese el fuego y entrega de armas; 4. Lucha contra las drogas ilícitas; 5. Reparación para las víctimas y justicia transicional; 6. Garantías de cumplimiento del acuerdo), a partir de los cuales se “pretenden contribuir a las transformaciones necesarias para sentar las bases de una paz estable y duradera”.

** La defensoría del pueblo es la entidad del Estado colombiano encargada de garantizar los derechos de los habitantes.

*** Grupo guerrillero Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia – FARC. En la actualidad Fuerza Alternativa Revolucionaria del Común – FARC, este último, partido político que nació como producto de los acuerdos de La Habana

———————————————————————————————–

Fuentes das Imágenes:

Imagen 1 Velatón frente asesinato de líderes sociales asesinados en Colombia, foto tomada en Melbourne Australia” (Fuente):

Autoria del articulista

Imagen 2 Mapa de territorios de líderes sociales asesinados en Colombia” (Fuentes):

https://www.centronacionaldeconsultoria.com/single-post/BlogCNC/En-serio-vamos-a-defender-la-vida

NOTAS ANALÍTICASSociedade Internacional

O envelhecimento nos BRICS: políticas públicas para a população

Embora não restem dúvidas sobre o poder socioeconômico dos países que compõem o grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), representando aproximadamente 22% do Produto Interno Bruto (PIB) global e 42% da população mundial em 2016, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) organizou a primeira Reunião dos BRICS sobre Envelhecimento e os desafios sociais associados a ele. Combinados, os idosos do grupo poderão somar 630 milhões em 2030 e 940 milhões em 2050, aproximadamente 45% do total mundial.

Gapminder – Gráfico construído na plataforma Gapminder. Expectativa de vida ao longo dos anos nos países do grupo BRICS

O aumento da população idosa nos países decorre tanto da melhoria das condições de vida, em termos econômicos, como, também, em virtude das altas taxas de fecundidade nesses países nas gerações anteriores. Dessa forma, a média de 3-4 filhos por família nas décadas de 1960 e 1970 gerou uma transição demográficas nos Estados emergentes e foi maximizada pelo aumento da expectativa de vida. Por exemplo, no Brasil, a expectativa de vida subiu de 65 anos em 1960 para 73 em 2015, enquanto na Índia esse salto foi de pouco mais de 40 anos para 65, no mesmo período.

Atualmente, uma em cada nove pessoas no globo tem 60 anos ou mais, contudo, essa proporção será de uma em cada cinco em 2050. Isto significa que os cinco países precisam pensar seriamente em políticas públicas para idosos e para os jovens que sustentarão as suas economias.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1Líderes do BRICS” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/Category:BRICS_countries#/media/File:Brics_Leaders_2016.jpg

Imagem 2Gapminder Gráfico construído na plataforma Gapminder. Expectativa de vida ao longo dos anos nos países do grupo BRICS” (Fonte):

https://www.gapminder.org/tools/#[email protected]=rus&=chn&=bra&=ind&=zaf;;;;&marker_axis/_y_which=life/_expectancy/_years&scaleType=linear;;;&chart-type=linechart&locale_id=en                                                                                  

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONALSociedade Internacional

Colômbia: o Povo Arhuaco contra a mineração em seu território ancestral

Em 24 de novembro de 2017, o periódico El Espectador publicou a seguinte matéria assinada por María Mónica Monsalve: “Arhuacos se mobilizam contra mineração perto da Serra Nevada de Santa Marta”. Este é o território sagrado, considerado a “Terra dos sábios”, uma terra de inocência, de humildade, um território ancestral. Como é dito no jornal: “Em outras palavras, a Serra Nevada de Santa Marta como o Coração do Mundo é a fonte de leis e conhecimentos que permitem aos quatro povos, através das práticas espirituais dirigidas pelos mamos, garantir a sustentabilidade do planeta, a humanidade e tudo o que Ela envolve em função do respeito a essas leis, porque o bem-estar da humanidade depende do bem-estar da ordem natural estabelecida pela Lei de Origem que está contida em cada um dos locais sagrados da Serra”.

Região de Sierra Nevada De Santa Marta, Colômbia

Existe uma controvérsia em relação à questão. As empresas mineradoras afirmam que não existem títulos de mineração na área do Parque Natural Nacional de Serra Nevada de Santa Marta, mas para os Povos Arhuacos esta área é mais ampla, pois tal território é delimitado a partir da denominada linha negra, que somente é observada no topo da serra, sendo um imenso território que inclui as cidades de Riohacha, Santa Marta e Valledupar.

No dia 25 de novembro de 2017, o Ministro do Interior da Colômbia, Guilhermo Rivera, divulgou via twitter que iria até Valledupar conversar com o povo Arhuaco. Escreveu: “Rumo a Valledupar para escutar as preocupações dos Arhuacos sobre a proteção da Serra Nevada de Santa Marta”. Após uma reunião de entendimento, afirmou que a proposta é a continuação da delimitação da linha negra e, sendo assim, torna-se necessária a definição destes pontos sagrados e sua localização.

Tem sido consenso que esta postura de diálogo com o povo Arhuaco é muito importante, pois envolve o respeito a esta comunidade ancestral. Envolve, sobretudo, a consideração do outro. Esta atitude positiva é somente possível devido ao contexto de busca pela paz, vivenciado pela Colômbia da atualidade, que indica trilhar o caminho da alteridade como o mais adequado.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Passeata do povo Ahuaco nas ruas de Valledupar” (Fonte):

https://twitter.com/elpaisvallenato/status/933688442432737280

Imagem 2 Região de Sierra Nevada De Santa Marta, Colômbia” (Fonte):

https://www.google.com.br/maps/dir/Sierra+Nevada+De+Santa+Marta,+Col%C3%B4mbia/Valledupar,+Cesar,+Col%C3%B4mbia/@10.7089582,-74.7512701,8z/data=!4m13!4m12!1m5!1m1!1s0x8ef4d656c375849d:0x13a3aad1a611fce0!2m2!1d-73.6001268!2d10.9331265!1m5!1m1!1s0x8e8ab9b5d6cf71d7:0x84a43625b14c234a!2m2!1d-73.2436335!2d10.4742449?hl=pt-BR

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONALSociedade Internacional

Parlamento alemão revoga a condenação de homossexuais

O Parlamento alemão votou na última quinta feira, 22 de junho de 2017, a favor da anulação das sentenças de homossexuais condenados em razão do extinto artigo 175 do Código Penal. A lei que criminalizava as relações sexuais entre homens havia sido introduzida em 1871, tendo as suas penas sido fortalecidas e aplicadas de maneira intensiva durante o regime nazista, em 1935. Apesar de a homossexualidade ter sido descriminalizada na Alemanha Oriental e Ocidental em 1968 e 1969, respectivamente, a legislação prevista pela Seção 175 não havia sido completamente descartada até 1994.

Ministro da Justiça alemão, Heiko Maas

Em 2002, os parlamentares alemães aprovaram uma Lei que revogava as condenações que ocorreram durante o nazismo. No entanto a ação não previa a absolvição das mais de 50 mil pessoas que foram alvos da sentença após a Segunda Guerra Mundial. A última decisão aprovada pela Câmara Baixa do Parlamento prevê a anulação das penas, o provimento de compensações no valor de 3 mil euros e um valor adicional de 1.500 euros por cada ano na prisão aos condenados entre 1945 e 1994. Além disso, se estabeleceu um fundo coletivo no valor de 500 mil euros anuais conferido ao Hirschfeld Foundation. A fundação nomeada em homenagem a um proeminente pesquisador alemão e ativista gay ficará responsável por um processo de recuperação da história de homens atingidos pela legislação.

O Ministro da Justiça Alemão, Heiko Maas, manifestou apoio à decisão e a definiu como um ato atrasado de justiça. Um representante da Federação de Gays e Lésbicas da Alemanha declarou ao The Guardian que, finalmente, há a adoção de medidas legais em relação às graves violações dos direitos humanas perpetradas pelo Estado contra os grupos de homossexuais.

A decisão possui também um caráter político, uma vez que o partido da primeira-ministra Angela Merkel foi o seu maior defensor no Parlamento. O apoio surge em um contexto em que o Estado tem discutido e se aproximado da aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo no país. Além disso, a Lei fortalece o discurso político, uma vez que promove memória, debate e reflexão, inspirando na população a mensagem de que violações de direitos não serão toleradas e de que o Estado Democrático tem zelado pela justiça e democracia.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Bandeira LGBT hasteada em Berlim” (Fonte):

http://media.gettyimages.com/photos/low-angle-view-of-rainbow-flag-at-brandeburger-gate-in-berlin-picture-id699182293?s=170667a

Imagem 2Ministro da Justiça alemão, Heiko Maas” (Fonte):

http://media.gettyimages.com/photos/german-justice-minister-heiko-maas-leaves-a-news-conference-regarding-picture-id801507022?s=594×594

 

NOTAS ANALÍTICASSociedade Internacional

Junho é o mês da juventude Sul-Africana

Os meses de junho são especiais na África do Sul. Durante todo o período mensal  é celebrada a juventude Sul-Africana, em homenagem às vítimas da Revolta de Soweto*, de 16 de junho de 1976, que vitimou centenas de jovens estudantes que se manifestavam pacificamente contra medidas educativas de cunho racistas, impostas pelo governo do país à época. De tão memorável, a data passou a ser conhecida como “Youth Day”. O Instituto Sul-Africano para Assuntos Internacionais (SAIIA, sigla em inglês) publicou pesquisa sobre o legado das comemorações para a geração jovem atual. 

O presidente Jacob Zuma realiza reunião do Grupo de Trabalho da Juventude Presidencial

O país promove anualmente inúmeros eventos em memória das vítimas e para celebrar a liberdade e a diversidade da juventude Sul-Africana. Neste 41º aniversário (2017), o tema do ano foi “The year of OR Tambo: Advancing Youth Economic Empowerment”. O presidente Jacob Zuma deu início às atividades no dia 2 de junho, em reunião com o Grupo de Trabalho Presidencial sobre Juventude, que reúne lideranças jovens de todo o país. O líder sul-africano ainda fez a abertura das festividades do dia 16, que, neste ano, ocorreram na cidade de Ventersdorp, na província de North West.

Outro acontecimento de destaque foi a realização da ConferênciaLocal Government Youth Development Conference”, que aconteceu entre os dias 20 e 21 de junho e reuniu aproximadamente 600 jovens de diversas localidades do país para debater a liderança jovem na promoção das agendas de desenvolvimento socioeconômico Sul-Africano.

Reunião do Grupo de Trabalho Juvenil

Inclusive, um dos órgãos governamentais envolvidos na Conferência foi a Agência Nacional de Desenvolvimento da Juventude (NYDA, sigla em inglês), que visa coordenar e promover o desenvolvimento de políticas públicas voltadas para este segmento. Dentre outras ações, a agência oferece programa de empréstimos públicos de baixo custo para empreendedores jovens, em início de carreira.

Essa série de eventos ocorre em um momento conturbado para a política nacional. O presidente Zuma vem sendo acusado de enriquecimento ilícito e já sofreu com dois processos de impeachment no Congresso Nacional, ambos rejeitados, acarretando em sua permanência no cargo. Contudo, a crise política continua confrontando o governo, haja vista o número de manifestações sociais ocorrendo pelo país.

Em decorrência desses acontecimentos políticos, recentemente a África do Sul teve reduzida sua classificação na escala de investimentos da agência Moody’s. Paralelo a isso, a dívida pública já se aproxima de 55% do PIB, ao passo que os três primeiros meses do ano foram recessivos. Para os jovens, preocupa, sobretudo, a taxa de desemprego, que alcançou o maior nível desde 2008 – quase 28% da população.

Diante do quadro, o tema principal das celebrações de junho é também sugestivo para que a juventude pense em saídas para a crise político-econômica que assola o país.

———————————————————————————————–

Nota:

* Assista ao poema escrito por jovem sul-africana convocando os jovens a se lembrarem da Revolta de Soweto e se mobilizarem por mudanças na África do Sul:

https://www.youtube.com/watch?v=chqBGXEbJCU

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Youth Month 2017” / “Mês da Juventude 2017” (Fonte):

http://www.gov.za/sites/www.gov.za/files/Youth_Month_%20Logo2.jpg

Imagem 2 O presidente Jacob Zuma realiza reunião do Grupo de Trabalho da Juventude Presidencial” (Fonte):

https://www.flickr.com/photos/governmentza/34886207932/in/album-72157681504518454/

Imagem 3 Reunião do Grupo de Trabalho Juvenil” (Fonte):

https://www.flickr.com/photos/governmentza/34239871203/in/album-72157681504518454/