NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Chefe da OTAN defende maiores gastos militares nos países europeus

O “Secretário-Geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN)”, o dinamarquês Anders Fogh Rasmussen, voltou a defender a necessidade dos países europeus, pertencentes à aliança, em ampliar os seus gastos militares, tornando a região mais independente dos “Estados Unidos da América” (EUA), no que tange questões de Defesa.

Para Rasmussen, o aumento do orçamento militar nos países europeus poderá contribuir para restabelecer o equilíbrio existente na OTAN. Em 2007, os EUA contribuíam com cerca de 68% do orçamento da organização. Já em 2012, após cinco anos de crise na Europa, 72% dos custos foram arcados pelos EUA[1].

O aumento da participação europeia deveria ocorrer, de acordo com o Secretário-Geral, através da compra de drones, para melhorar a vigilância da região; de aeronaves de reabastecimento, com o intuito de amplificar a capacidade de operação; e de novos radares navais, para cooperar com o sistema antimísseis da OTAN[2].

Rasmussen afirmou que irá pressionar a Comissão Europeia”,  para reestruturar a indústria bélica europeia, que, segundo ele, encontra-se fragmentada e em pilares nacionais. Ademais, procurará maior comprometimento político em cada Estado europeu, defendendo a necessidade de maiores gastos militares, mesmo em época de crise, como uma forma destes países tornarem-se mais responsáveis pela região[2].

No início do ano, Rasmussen já havia alertado para as consequências do decréscimo do orçamento militar. Para ele, isso comprometeria acapacidade prática dos países europeus da OTAN em trabalhar em conjunto com seus aliados norte-americanos[1], o que poderia acarretar em um enfraquecimento da aliança.

————————————-

Imagem Anders Fogh Rasmussen, Secretário-Geral da OTAN (Fonte):

http://www.nato.int/nato_static/assets/pictures/2009_08_090801a-sg-portrait/2009_11_D34F22C9AE854B7FAA0BB409A21C90D3_090801-SG-001.jpg

————————————-

Fontes consultas:

[1] Ver:

http://euobserver.com/defence/118914

[2] Ver:

http://euobserver.com/defence/121506

About author

Mestrando em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (Usp); Bacharel em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Puc-SP). Colaborador do Núcleo de Análise da Conjuntura Internacional (NACI) e do Núcleo de Estudos de Política, História e Cultura (Polithicult). Experiência profissional como consultor de negócios internacionais. Atua nas áreas de Política Internacional, Integração Europeia, Negócios Internacionais e Segurança Internacional. No CEIRI NEWSPAPER é o Coordenador do Grupo Europa.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China lança plano de transformar Shenzhen em “motor central” de reforma

AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃOCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Impacto da COVID-19 na educação é tema de Relatório das Nações Unidas

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Ataque jihadista a civis deixa 25 mortos em Burkina Faso

ANÁLISES DE CONJUNTURANOTAS ANALÍTICAS

COMUNICADO CEIRI NEWS DE 12 DE OUTUBRO

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!