fbpx
ANÁLISES DE CONJUNTURAÁSIA

China e Coreia do Sul: a realidade da tecnologia 6G

Atualmente, o noticiário quando a Ásia é o tema foca nos conflitos e disputas entre a China e seus vizinhos, como a Índia, os países do sudeste asiático e os recentes protestos em Hong Kong. Porém, a batalha mais interessante para a população global e para os profissionais de telecomunicações está ocorrendo de forma silenciosa entre chineses e sul-coreanos: a disputa do pioneirismo em apresentar a tecnologia 6G funcional.

Os países do leste asiático como Japão, Taiwan, Coreia do Sul e, nos últimos 15 anos, a China, estão entre os países mais conceituados na área de tecnologia, desde o desenvolvimento até a inovação, bem como a renovação das já existentes. China e Taiwan possuem poderosos polos de fabricação de hardwares que sustentam boa parte do mercado global, e a os sul-coreanos possuem duas empresas que dominam a tecnologia de telas e as exportam para o mundo.

Na década de 1990 e início dos anos 2000, coreanos e chineses deixavam claro que seu objetivo era superar os japoneses em diferentes segmentos, o da tecnologia não foi diferente e, hoje, possuem empresas que superam o vizinho no mercado mundial. Atualmente, o mercado consumidor de tecnologia e entretenimento está recheado de aplicativos, tecnologias, hardwares e outros produtos de origem destas duas potências asiáticas, o que vem incomodando europeus e norte-americanos.

No final do ano de 2019, o Vice-Ministro do Comitê de Fundação Científica da China, Wang Wei, havia anunciado que o país já estava trabalhando no desenvolvimento da tecnologia 6G, mas não deu muitos detalhes, porém, acredita-se que a empresa Huawei, que hoje é líder de mercado com a tecnologia 5G, esteja à frente destes trabalhos. Em maio deste ano (2020), Lei Jun, CEO da chinesa Xiaomi, deixou entusiastas em tecnologia bem animados quando anunciou que a empresa já estava investindo na tecnologia, dando indícios de que as pesquisas existentes no país estão evoluindo positivamente.

Funcionarios da LG Eletrônicos, do KRISS e KAIST, após assinar acordo de parceria tecnológica / Foto: LG/Yonhap – Divulgação

Na península coreana, as maiores empresas da Coreia do Sul, Samsung e LG Eletrônicos, também anunciaram seus trabalhos no desenvolvimento desta nova tecnologia e já deram previsão de que ela poderá ser implantada até o ano de 2030. Executivos da LG, junto ao Instituto de Pesquisa e Ciência da Coreia (KRISS – sigla em inglês) e do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia (KAIST – Sigla em Inglês), confirmaram o início de sua parceria no desenvolvimento do trabalho, bem como planos de implementação da tecnologia no país até o ano de 2029.

A Samsung já havia anunciado seus trabalhos de pesquisa sobre o sistema 6G em julho deste ano (2020), prometendo apresentar uma consolidada rede e experiência com ela no ano de 2028, e se mostra muito confiante, pois foi a primeira empresa a apresentar o 5G funcional e é pioneira vendendo produtos prontos para uso da mesma.

Tais especulações e anúncios extraoficiais de chineses e coreanos, ainda em 2019, mobilizaram o governo japonês a se posicionar dentro da corrida por futuras patentes da tecnologia 6G. O país tem planos de investir cerca de US$ 2 bilhões (aproximadamente, 11,24 bilhões de reais, conforme cotação do dia 21 de agosto de 2020) na sexta geração de internet e a parceria entre governo, a fabricante Toshiba e a operadora NTT Docomo tem meta estipulada para o ano de 2030, um pouco atrás dos planos ousados dos chineses e sul-coreanos, mas demonstra que o país não ficará para trás de seus vizinhos.

Os anúncios e avanços na pesquisa da internet de sexta geração nos países asiáticos e o crescimento de aplicativos e conteúdo de entretenimento sino-coreano pelo mundo põem em alerta máximo empresas europeias e dos Estados Unidos.

Atualmente, o aplicativo chinês Tik Tok é o mais baixado e acessado no mundo, com seu valor de mercado crescendo e superando o já consolidado Facebook em algumas regiões; aplicativos e jogos mobile, principalmente chineses, crescem a cada dia, superando as demais desenvolvedoras ocidentais. As plataformas de stream como a NETFLIX estão cada vez mais aumentando e investindo em produções asiáticas para seus consumidores, um movimento que perturba produtoras estadunidenses.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, intimou a empresa chinesa ByteDance a vender o aplicativo TikTok para empresas do seu país, assim como, em 2019, com a tecnologia 5G consolidada entre empresas chinesas e sul-coreanas, exigiu que os EUA patenteie a tecnologia 6G primeiro. O líder americano põe em pauta a confiabilidade de dados de corporações chinesas dentro do campo do entretenimento e comunicação, porém, não há empresas nativas de seu país que têm conseguido superar as chinesas e outras asiáticas em muitos campos da tecnologia aberta para cidadãos e empresas.

Orçamento do Governo sul-coreano para Pesquisa e Desenvolvimento em 2020 / Fonte: Ministério da Ciência da Coreia do Sul

Fora do campo da tecnologia militar, as corporações ocidentais estão longe de voltar a obter a hegemonia no desenvolvimento, criação e implementação de novas tecnologias. O crescimento de empresas asiáticas e a parceria dos governos do Japão, Coreia do Sul e da China com institutos de pesquisa e empresas locais, novas e consagradas, acelera cada vez mais o caminho para o ciclo de nações no revezamento da liderança tecnológica mundial para o mercado global, provando que estão muito à frente de grandes companhias ocidentais, que já foram dominantes nestes segmentos.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Antena de transmissão de internet sem fio 4G/5G Foto: Fabricio Bomjardim / CEIRI NEWS” (Fonte):

Imagem de autoria de Fabrício Bomjardim – cedida ao CEIRI NEWS

Imagem 2 Funcionarios da LG Eletrônicos, do KRISS e KAIST, após assinar acordo de parceria tecnológica / Foto: LG/Yonhap Divulgação” (Fonte):

https://en.yna.co.kr/view/AEN20200812009200320?section=search

Imagem 3 Orçamento do Governo sulcoreano para Pesquisa e Desenvolvimento em 2020 / Fonte: Ministério da Ciência da Coreia do Sul” (Fonte):

https://en.yna.co.kr/view/AEN20191231007100320?section=search

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
AMÉRICA DO NORTEANÁLISES DE CONJUNTURAEURÁSIA

Rumos geopolíticos entre Rússia e EUA, após as eleições norte-americanas

ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURA

Movimento #EndSARS na Nigéria

ANÁLISES DE CONJUNTURAEUROPA

França, Europa e o apogeu da intolerância

ANÁLISES DE CONJUNTURAORIENTE MÉDIO

Após um ano de protestos populares e de sua própria renúncia, Hariri retorna ao posto de Premier no Líbano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!