fbpx

[:pt]

O acelerado desenvolvimento econômico tornou a China o segundo país mais rico do mundo, depois dos Estados Unidos da América, com tendência a se tornar o mais rico, ainda na virada da década de 2020. Como se não bastasse, a líder do BRICS é a maior credora de títulos da dívida pública dos EUA, com créditos de, aproximadamente, US$ 1,25 trilhão.

Em 2013, analistas de Inteligência da RAND Corporation*, que atende ao Governo norte-americano, publicou no jornal Los Angeles Times um provocativo artigo intitulado “U.S., China and an unthinkable war” (“EUA, China e uma guerra impensável”, em tradução livre), em que preveem um possível ataque preventivo de uma potência contra outra, como estratégia militar de definição da vitória, tendo como possíveis estopins o crescente domínio militar do gigante asiático no Mar do Sul da China, a instabilidade da Coréia do Norte, e a independência de Taiwan, apesar das ameaças urgentes de espionagem cibernética e guerra cambial.

No auge da Guerra Fria, o mundo estava econômica e politicamente dividido entre o Bloco Capitalista (um conjunto de países do Ocidente sob o comando dos Estados Unidos da América) e o Bloco Socialista (Composto pelo Estados aliados da extinta União das Repúblicas Soviéticas Socialistas, que liderava o conjunto, mas que, a rigor, poderíamos dizer que era comandado pela Rússia). Mesmo encerrado este período histórico, ainda hoje, a Rússia, sob o nome de Federação Russa, é a 2ª maior potência militar do Globo, de acordo com o ranking do site Global Firepower (GF), o qual não leva em conta o volume de armas e o arsenal nuclear, mas o orçamento de Defesa e a mão-de-obra disponível. No entanto, apesar do posicionamento da Rússia, contemporaneamente, a atenção é voltada para a rivalidade entre EUA e China, que está em 3º lugar no ranking do GF e tem se esforçado em aumentar sua capacidade bélica.

Diante do quadro, as posições de analistas convergem para o acirramento desta rivalidade, bem como para a maior probabilidade de enfrentamentos entre ambos. Em 2016, por exemplo, a mesma RAND Corporation elaborou um Estudo de Cenário para 2025, chamado War with China – Thinking Through the Unthinkable” (“Guerra com a China – Pensando Através do Impensável”), onde realizou recomendações estratégicas aos líderes políticos e militares de ambas as potências, evidentemente com maior destaque às ações que os EUA devem tomar para mitigar os riscos de um eventual conflito militar com a China, tais como: aumentar a frota de submarinos para reduzir os efeitos das Anti-Access/Area Denial (A2/AD) chinesas, que são sistemas de defesa para negar o uso do mar por potências estrangeiras, inclusive com mísseis balísticos anti-navio (MBAN); estabelecer acordos com lideranças asiáticas – o Japão, principalmente; e aprofundar as relações militares entre os países, para melhor compreensão de suas capacidades bélicas.

Nesse cenário, a China possivelmente aprofundará as relações militares com a Rússia, potência militar global, potência econômica regional e parceira no BRICS. E o fará quer pela identidade ideológica da Economia Capitalista de Estado de ambos e pela histórica rivalidade que os russos têm com os EUA, quer pela sua capacidade bélica. Uma indicação desse alta probabilidade, foi a confirmação ocorrida no dia 23 de agosto de 2016, terça-feira passada, do encontro do Presidente da Rússia, Vladimir Putin, com o Presidente da França, François Hollande, e com a Chanceler da Alemanha, Angela Merkel, durante a Reunião de Cúpula do G-20, nos dias 4 e 5 de setembro de 2016, em Pequim, para tratar da guerra entre Rússia e Ucrânia, algo que pode representar mais um passo nas conversações para intensificar o pacto de cooperação militar entre China e Rússia.

———————————————————————————————–                    

* Organização de pesquisa que desenvolve soluções para os desafios de política pública, visando ajudar as comunidades em todo o mundo a tornarem-se mais seguras, mais saudáveis e mais prósperas.

———————————————————————————————–                    

Imagem (Fonte):

http://www.transconflict.com/2014/09/russiachina-containment-099/

[:]

About author

Graduado em Direito (2000) pela Universidade da Amazônia, é diretor da Montax – Inteligência & Investigações e autor de Inteligência & Indústria – Espionagem e Contraespionagem Corporativa. Pesquisa Marketing de serviços, Guerra Econômica, Economia Política e áreas afins. Como Advogado criminalista, tem foco em ações antilavagem de dinheiro para Recuperação de ativos desviados de fraudes.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!