ÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

[:pt]China recusa aceitar reinvindicações das Filipinas no Mar do Sul da China[:]

[:pt]

O Governo chinês continua numa constante batalha em dois flancos no continente asiático. Disputas territoriais no leste e no sul do país prevalecem e sem uma possível resolução a médio prazo: enquanto na região do Pacífico o país mantém disputas com Japão, Taiwan pela soberania em pequenos arquipélagos na região, ao sul, no Mar do Sul da China, a disputa é com países como a Filipinas.

Nesta semana, o Tribunal de Arbitragem de Haia concluiu que Beijing não tem direitos para reivindicar a soberania em pequenas ilhas e pontos econômicos no oceano, como é o caso das ilhas de Nansha (também conhecido como Spratly), alegando que o país está contradizendo a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, em 1982. Além da decisão, ficou entendido que os chineses violaram a soberania filipina na região, causando danos aos recifes de corais e afetando na economia pesqueira desse país.

A China não aceitou a decisão de Haia e publicou o Livro Branco sobre o assunto. Conforme consta no Documento: “As reivindicações das Filipinas são infundadas tanto em termos da história, como de acordo com o direito internacional (…). A China tem a intenção de resolver as disputas com as Filipinas no mar do Sul da China por meio de negociações (…). …se opõe e nunca reconhecerá quaisquer reivindicações ou ações na base desta decisão da arbitragem”.

A região sempre foi palco de disputa entre chineses, japoneses, vietnamitas, filipinos e outros povos da região, que, antes do período do Império do Japão e da Segunda Guerra Mundial (1939-45), possuíam outras demarcações, as quais foram alteradas ao passar dos anos, e com poucos documentos ainda existentes que poderiam comprovar quem realmente possui a soberania sobre cada região e arquipélagos. 

Para Beijing, muito do que hoje é disputado ocorre por influência estrangeira, estadunidense e europeia, um argumento que lhe serve como base para ignorar decisões de Tribunais Internacionais sobre esta e outras disputas no continente.

Especialistas acreditam que as negociações seriam facilitadas se não houvesse a presença de militares dos Estados Unidos na região, o qual faz frequentemente exercícios militares na área, e, por isso, a presença chinesa seria uma resposta a tais movimentos norte-americanos. Outros acreditam que as disputas políticas e de influência que ocorrem na região afetam no relacionamento das nações vizinhas, pois, em alguns casos, a disputa chinesa com pequenas nações asiáticas aparentam ser desnecessárias do ponto de vista econômico, são disputas que não afetariam a economia do país no atual momento. 

Ao mesmo tempo em que os chineses não aceitam a decisão de Haia, Beijing negocia diretamente com as Filipinas para definirem uma conduta pacífica e a divisão de recursos naturais em disputa. Para o Governo chinês o futuro da região deve ser definido apenas pelas partes envolvidas e sem a interferência estrangeira ou de Tribunais Internacionais, pois são territórios históricos que já fizeram parte do país.

———————————————————————————————–

ImagemO mapa dos territórios em disputa no mar do Sul da China” (Fonte):

© Foto: Wikipedia/Voice of America

———————————————————————————————–

Fontes Consultadas, para maiores esclarecimentos:

[1] “Livro Branco” (Versão em Portuguêsbr):

http://portuguese.cri.cn/1721/2016/07/13/1s218533.htm

[2] Xinhua TV”:

http://news.xinhuanet.com/english/video/2016-07/13/c_135509275.htm

[:]

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Brexit, continuação do processo

COOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICASORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL

Campanha do 75o Aniversário da ONU celebrado em 2020 enaltece o Direito à Cooperação Internacional

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Conflito na Líbia permanece sem resolução entre as grandes potências

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Motim de ex-agentes de segurança do antigo governo do Sudão

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by