AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia inaugura maior túnel latino-americano

No dia 4 de setembro de 2020, o Presidente da Colômbia, Iván Duque, inaugurou, na cidade de Armenia, capital do Departamento de Quindío, o Túnel de la Linea, com 8,6 km de extensão. O La Línea, parte de um complexo viário que conta com outros 24 túneis e 31 pontes, atravessa a Cordilheira do Andes a 2.400 metros de altitude e é considerado o mais longo da América Latina.

Iván Duque esteve acompanhado da Primeira Dama, María Juliana Ruiz, da vice-presidente Marta Lucía Ramírez e da Ministra do Transporte, Ángela María Orozco, dentre outras autoridades. Logo após o corte da faixa inaugural, o Presidente visitou o Monumento aos Trabalhadores do Túnel de La Línea, erguido a seu pedido para homenagear os mais de 6 mil homens e mulheres – engenheiros, eletricistas, topógrafos, mecânicos, ambientalistas, encanadores etc. – envolvidos na construção.

Segundo uma matéria no YouTube, do periódico colombiano La República, o Túnel permite a interligação o Centro ao Sudoeste da Colômbia, ligando as cidades de Cajamarca (Departamento de Tolima) à cidade de Calarcá (Departamento de Quindío). Ainda conforme o La República, a obra sonhada desde o início do Século XX, somente foi iniciada em 2008, na Presidência de Álvaro Uribe, e deverá estar totalmente concluída em 2021.

A BBC conta essa história de 100 anos em uma extensa reportagem publicada em 8 de setembro de 2020. Os colombianos estão separados pela robusta Cordilheira dos Andes e a sua transposição era um sonho antigo, visando inclusive encurtar a distância até o porto de Buenaventura, no Oceano Pacífico, facilitando a ligação marítima com a Ásia. A partir da primeira tentativa, em 1913, simplificou-se o projeto  e chegou-se a uma rodovia, que está a mais de 3 mil metros acima do nível do mar e onde ocorrem cerca de 200 acidentes por ano.

Já por volta de 2005, ao se retomar a ideia, constatou-se a existência de 8 falhas geológicas complexas que dificultariam a construção do túnel. O La República contabiliza que desde o início, até hoje, o projeto passou por 29 Presidentes da República, 17 Ministros de Transportes e uma pandemia (Covid-19). A BBC menciona ainda “incompetência institucional, possivelmente referindo-se ao que a Agência EFE identifica como “problemas de corrupção.

A Forbes conta uma história um pouco diferente, e mais detalhada, com base em informações obtidas junto ao Instituto Nacional de Vías (Invías): após percorrer a região em 1902,  o engenheiro Luciano Battle apresentou um relatório que veio inspirar uma lei de 1913 que determinou a elaboração do projeto de túnel. Nove anos depois foi ordenada a construção, interrompida em razão da complexidade geológica do local. A ideia, retomada em 1940, foi substituída, em 1950, pela rota rodoviária de superfície hoje existente.

O projeto, de acordo com a Forbes, foi retomado em 1985, com estudos e desenhos de viabilidade de construção do túnel, que tiveram as fases II e III em 1992 e 2000, respectivamente. Finalmente, a licitação para as obras se iniciaram em 2005 e foram concluídas em 2008. Com o sucesso do certame licitatório, em dezembro de 2008, as obras de escavação tiveram início em 2009.

Inauguração do Túnel de la Linea

O túnel viabiliza o trajeto em apenas um sentido, para o retorno continuará sendo adotada a rota anterior. Ángela María Orozco, Ministra dos Transportes, explicou que não era possível construir dois túneis ao mesmo tempo, por razões técnicas, uma vez que das oito falhas geológicas existentes, a Falha de La Soledad é considerada a segunda mais complexa em túneis rodoviários do mundo. Segundo o vídeo do La República, o Túnel de La Línea, com seus quase 9 km de extensão, é o primeiro dos Top 5 da América Latina, sendo que os 2º, o 3º e o 4º também estão na Colômbia, e  o 5º (Túnel Las Raíces) fica no Chile e tem 4,52 km. E o mais longo túnel rodoviário do mundo é o Laerdal na Noruega, como 24,5 km.

O Presidente da Colômbia, Iván Duque, no discurso de inauguração,  comparou que a Ponte Golden Gate (San Francisco, EUA) foi construída durante a Grande Depressão e que o Túnel de la Línea estava sendo inaugurado em um momento de crise, gerado pela pandemia.  Economicamente, ele tem ainda a importância de conectar a capital, Bogotá, com Buenaventura, porto por onde o país distribui mais de 50% das suas exportações.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Inauguração do Túnel de la Linea” (Fonte):

https://idm.presidencia.gov.co/GaleriaFotografica/200904-08-Tunel-de-la-Linea-1280.jpg

Imagem 2 Traçado do Túnel de la Línea” (Fonte):

https://idm.presidencia.gov.co/GaleriaFotografica/200904-Cincuenta-minutos-mas-cerca-del-mar-6-1280.jpg

About author

Mestre e especialista em relações internacionais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), especialista em Política e Estratégia pelo programa da ESG (UNEB, ADESG/BA), bacharel em Administração pela Universidade Católica do Salvador (UCSal). Consultor e palestrante de Comércio Exterior.
Related posts
NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

China ameaça EUA de retaliação por investigação de estudantes suspeitos de espionagem industrial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

EpiVacCorona: segunda vacina russa contra a COVID-19 tem seu registro confirmado

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China lança plano de transformar Shenzhen em “motor central” de reforma

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!