COOPERAÇÃO INTERNACIONALEURÁSIAEuropaNOTAS ANALÍTICAS

Com Rússia, Turquia inicia a construção de sua primeira usina nuclear

Em evento realizado em 10 dezembro, na cidade de Mersin, na costa do Mar Mediterrâneo, a Turquia anunciou o início dos trabalhos de construção de sua primeira usina de energia atômica. Espera-se que a partir de 2023, prazo estipulado para a inauguração, a usina de Akkuyu produza cerca de 35 bilhões de quilowatts-hora (kWh), o suficiente para suprir o consumo elétrico de 7 milhões de residências.

Logo da Rosatom

A um custo total de 22 bilhões de dólares, o projeto será realizado pela Rosatom, companhia estatal de energia nuclear da Rússia. De acordo com um plano de cooperação firmado junto ao Governo turco em 2010, a empresa russa estará à frente da construção, operação e descomissionamento da usina, planejado para ocorrer após 60 anos de funcionamento. Depois da cerimônia de lançamento, o Diretor-Geral da Rosatom, Alexei Likhachev, disse não ser relevante o fato de o empreendimento estar sob responsabilidade da Rússia. Para ele, o projeto “…criará novos empregos e será uma boa garantia econômica para o desenvolvimento das relações russo-turcas”. De acordo com o subsecretário do Ministério de Energia e Recursos Naturais da Turquia, Fatih Dönmez, a usina de Akkuyu impulsionará a geração de trabalho e renda na região. “Cerca de 10 mil pessoas serão empregadas durante a construção de Akkuyu […] e cerca de 3.500 empregos serão fornecidos durante a operação. A maioria será composta por cidadãos turcos”, disse.

A retomada da cooperação energética entre Ancara e Moscou é mais um aspecto relevante do início das obras em Marsin. O desenvolvimento esteve suspenso por um ano em decorrência da derrubada de um avião de combate russo pela Força Aérea turca, em 2015, na Síria. Um outro projeto afetado pelo incidente, a construção do Turkish Stream, também foi reativado em 2017. Trata-se de um gasoduto que conectará a Rússia com a Turquia através do Mar Negro e que possibilitará uma nova rota de abastecimento energético para a Europa.

Mapa da rota do Turkish Stream

Um dos objetivos da Turquia de incluir usinas nucleares em sua matriz elétrica é exatamente o de reduzir a dependência das importações de gás natural, atualmente a principal fonte de energia do país. Já está planejada a construção de mais duas instalações atômicas, uma localizada na cidade de Sinop, na costa do Mar Negro, e outra em lugar ainda não definido. O acordo para a construção e operação da usina nuclear de Sinop foi firmado em 2013 e ficará sob a responsabilidade do consórcio franco-japonês Areva/Mitsubish

Este plano de diversificação, no entanto, não diminui o papel da Rússia como o principal player regional quando o assunto é energia. Maior fornecedor de gás para o continente europeu, e também para a Turquia, os russos agora planejam se valer de sua expertise nuclear para impulsionar um modelo de negócios global. A Rosatom já é líder mundial em seu setor e administra a construção e operação de usinas nucleares em 12 países, incluindo Finlândia e Hungria, ambos membros da União Europeia.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Usina Nuclear de Sibirskaya, operada pela Rosatom” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Sibirskaya_Nuclear_Power_Plant#/media/File:Cooling_Towers_Seversk.jpg

Imagem 2Logo da Rosatom” (Fonte):

https://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%A0%D0%BE%D1%81%D0%B0%D1%82%D0%BE%D0%BC#/media/File:RosAtom_logo_rus.jpg

Imagem 3Mapa da rota do Turkish Stream” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Turkish_Stream#/media/File:Turkish_Stream.png

About author

Mestrando no programa de Pós Graduação em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e graduado em História também pela UFRJ. Atua na área de Política Internacional, formação de alianças e segurança regional. Desenvolve pesquisas com enfoque específico no estudo dos países do Cáucaso do Sul, Eurásia e espaço pós-soviético. É membro do Grupo de Pesquisas de Política Internacional (GPPI/UFRJ) e do Laboratório de Estudos dos Países do Cáucaso (LEPCáucaso).
Related posts
EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

A Dinamarca aprova a construção do gasoduto russo

ÁfricaCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Investimento na cultura de Cabo Verde

ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

Crise do Comércio no Reino Unido faz nova vítima

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Atraso na implementação do acordo no Sudão do Sul e a pressão internacional

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by