fbpx
ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Conferências Regionais de Revisão da Declaração de Genebra de 2014 se encerraram após passarem por cinco regiões do globo

A Declaração de Genebra sobre Violência Armada e Desenvolvimento é uma iniciativa que apoia atores estatais e da sociedade civil para alcançar reduções mensuráveis no marco global da violência armada a partir de 2015. Para acompanhar os progressos na implantação das diretrizes da Declaração de Genebra (DG), a iniciativa realizou Conferências de Revisões Regulares[1].

Diante da indefinição sobre o futuro da DG frente às metas que substituirão os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, várias Conferências de Revisões Regulares foram realizadas durante o ano de 2014 com a finalidade de fortalecer o engajamento dos Estados signatários da Declaração, revisar o processo de implementação em diferentes contextos regionais e de coletar apoio para integrar as metas de redução da violência armada na agenda de desenvolvimento pós-2015. As Conferências passaram pela Guatemala (Américas), Suíça (Europa, Ásia Central e Caucasiano), Filipinas (Ásia e Pacífico), Marrocos (Oriente Médio, Norte da África e Sahel) e Quênia (África Sub-Saariana).

A última reunião ocorreu em Nairóbi, no Quênia, nos dias 26 e 27 de novembro de 2014, e contou com a participação de aproximadamente 100 representantes de governos africanos, autoridades locais, organizações internacionais e organizações da sociedade civil. A Conferência focou nas parcerias e nos caminhos cooperativos entre governos, sociedade civil, organizações internacionais e agências de cooperação para o desenvolvimento. Na ocasião, Joseph Ole Lenku, da Coordenação do Governo Nacional do Quênia, ressaltou o comprometimento do país em achar soluções para os problemas associados com a violência e o desenvolvimento nos níveis sub-regionais, regionais e internacional. Lenku declarou que os conflitos armados têm afetado principalmente grupos étnicos, diferenças de gênero e comunidades religiosas através do fluxo de armas convencionais e de pequeno porte[2][3][4].

Na reunião, alguns dados alarmantes foram fornecidos para legitimar o debate. Em média, 107 mil pessoas são vítimas de violências letais por ano. Como os dados são escassos em vários países da região, a mensuração do número de vítimas é baseada apenas em estimativas, o que impede ter dimensão de toda a conjuntura. Aproximadamente seis de cada sete vítimas da violência armada são mortas fora do conflito. Entretanto, a exposição aos conflitos armados se traduz em outras formas de violências, tais como a violência doméstica e a intimidação dos parceiros[5].

—————————————————————————

Imagem (FonteGeneva Declaration):

http://www.genevadeclaration.org/uploads/pics/RRC2014_-_Kenya_NOV_web200.png

—————————————————————————

Fontes consultadas:

[1] VerGeneva Declaration on Armed Conflict and Development”:

http://www.genevadeclaration.org/2014rrc/overview.html

Ver também:

http://www.genevadeclaration.org/2014rrc/rrckenya.html

[2] VerTurkish Weekly”:

http://www.turkishweekly.net/news/176225/kenya-hosts-sub-sahara-meet-on-armed-conflict.html

[3] VerHaberler.com”:

http://en.haberler.com/kenya-hosts-sub-sahara-meet-on-armed-conflict-591932/

[4] VerShanghai Daily”:

http://www.shanghaidaily.com/article/article_xinhua.aspx?id=255014

[5] VerGeneva Declaration on Armed Conflict and Development”:

http://www.genevadeclaration.org/news/news-2014/news-gd-rrc-nairobi.html

About author

Mestre em Ciência Política na Universidade Federal de Pernambuco e graduado em Relações Internacionais na Universidade Estadual da Paraíba. Tem experiência como Pesquisador no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) no projeto da Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional (Cobradi). Foi representante brasileiro no Capacity-Building Programme on Learning South-South Cooperation oferecido pelo think-tank Research and Information System for Developing Countries (RIS), na Índia; digital advocate no World Humanitarian Summit; e voluntário online do Programa de Voluntariado das Nações Unidas (UNV) no projeto "Desarrollar contenido de opinión en redes sociales sobre los ODS". Atualmente, mestrando em Development Evaluation and Management na Universidade da Antuérpia (Bélgica) e Embaixador Online do UNV na Plataforma socialprotection.org.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!