fbpx
ANÁLISES DE CONJUNTURA

PARADIPLOMACIA PARA REFORÇAR AS RELAÇÕES ENTRE BRASIL E CHINA

As relações entre Brasil e China vêm crescendo em diversas áreas: da cultural até a comercial. No ano de 2009, os dois países têm reforçado a cooperação, com o intuito de manter o estreitamento dessas relações. Não apenas os Estados, mas também as grandes cidades brasileiras e chinesas trabalham com o mecanismo de cidades irmãs, para se beneficiarem da relação dessas duas grandes nações emergentes.

 

O crescimento dos chineses desperta a atenção de muitos povos que pretendem aumentar suas relações com o país, principalmente com interesses de longo prazo.

Por parte da China, tem crescido o seu interesse pelos países lusófonos. Devido a isso, o governo está adotando várias ações: está ampliando sua rede de notícias em português; já está em andamento o projeto da criação de um canal de televisão no idioma português, promovida pela Televisão Central da China (CCTV), cujos planos são de entrar no ar entre os anos de 2010 e 2011, e está sendo feita a ampliação do departamento de português da Rádio Internacional da China (CRI), com o objetivo de atender as nações lusófonas.

Os motivos da ampliação dos meios de comunicação em português são para facilitar o acesso de informações sobre a China para os países membros da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) e atender a demanda interna de chineses que estudam idioma português no país.

Catarina Wu Yichen, jornalista e coordenadora do departamento de língua portuguesa da CRI, informou que existe, só na capital chinesa, um número aproximado de 300 alunos prestes a se formar no idioma português, os quais, pelo currículo do curso, partem  para a cidade de Lisboa, com o intuito de aperfeiçoar o idioma e, após o aprimoramento, são selecionados para trabalharem em empresas chinesas com filiais nos países de língua portuguesa.

Para Wang Yunpeng, vice-presidente da CRI, o aumento de estudantes nesse idioma ocorre pelas oportunidades de trabalho futuro, com o aumento das relações da China com os países de língua portuguesa.

O destino favorito daqueles que pretendem aperfeiçoar o idioma, principalmente os estudantes de Xangai e Xi’Nan, é o município de São Paulo (capital do Estado de São Paulo, no Brasil). A preferência da capital paulista (nome dado a quem nasce no Estado de São Paulo) se deve ao grande número de chineses residentes na cidade, que ultrapassa a marca 105 mil, ou seja, 70% dos 150 mil em todo o estado.

Isso facilita a hospedagem dos estudantes que, em grande maioria, se estabelecem em residência de parentes. Embora haja esta facilidade para os estudantes chineses, o município de São Paulo se beneficia nos setores hoteleiros e no turismo, por intermédio do intercâmbio estudantil.

Para atrair mais turistas, a cidade de São Paulo e a cidade de Xangai estão ampliando as relações por meio da cultura. Um exemplo é o projeto “Tambor e Arte”, que foi apresentadoem São Paulo(nos dias 20 e 21 de outubro); está sendo adaptado para ser apresentado na China e preparado para a “World Expo Xangai”, em 2010, com o tema “Cidade Melhor, Vida Melhor”. A arte de rua paulista é uma das atrações que mais chamam a atenção dos chineses. Por isso, a idéia deste projeto é apresentar a cultura dos habitantes da cidade de São Paulo e atrair futuros visitantes.

São Paulo é cidade irmã de algumas cidades chinesas, além de Xangai, porém, a potencialidade dos benefícios dessa paradiplomacia ainda não foi totalmente aproveitada.

Diferente desse comportamento, o governo do Estado da Bahia tem em seus planos usar do mecanismo das cidades irmãs para atrair novos investimentos da China. Para preservar essa estratégia, uma comitiva representando o governo do Estado da Bahia foi até a província de Shandong, com o objetivo de renovar os acordos de irmanamento  e lá permaneceram entre os dias 17 e 26 de setembro.

Shondong é uma das mais importantes províncias de comércio exterior da China e conta com mais de 1727 empresas no exterior. Sua capital, Jinan, é um dos mais importantes pólos de produção tecnológica chinesa.

No final da viagem, a comitiva do governo da Bahia conseguiu renovar os acordos para aumentar a cooperação entre os Estados (no caso a província chinesa e o Estado brasileiro) irmanados no âmbito institucional, cultural, tecnológico e turístico, por mais dez anos.

Seguindo o exemplo, o estado do Pará caminha para também obter benefícios e investimentos chineses ao seu Estado. Por exemplo, o vice-governador do Pará, Odair Corrêa, foi o único representante brasileiro na “10a Expo Internacional do Oeste da China”.

O vice-governador paraense convidou as empresas chinesas para investirem no Brasil, baseando-se nas palavras do primeiro-ministro chinês Wen Jiabao, quando, em discurso proferido na abertura do evento, disse: “Pelas palavras do próprio ministro chinês, que ouvi agora a pouco na abertura desse evento, que falou sobre questão energética e de transporte, entendo que a bilateralidade das ações a serem desenvolvidas por Brasil e China tem muitos resultados positivos a oferecer. E, havendo possibilidade, também de interação com o estado do Pará.

Durante o evento, além de propor o aumento de investimentos chineses no Brasil, Odair Corrêa assinou, no dia 15 de outubro, o “Acordo de Estados e Províncias Amistosos de Sichuan-Pará”, junto com o governo provincial de Sichuan. Com este Acordo, ambos esperam consolidar a cooperação e o aprofundamento dos laços de amizade entre os povos.

As duas nações, Brasil e China, têm interesses em aumentar a relações e a cooperação em diversas áreas e a paradiplomacia, juntamente com o mecanismo das cidades irmãs, é um caminho que, se for adequadamente explorado, pode ser uma ferramenta mais eficaz para a aproximação de forma benéfica dos dois grandes emergentes.

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. É membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence. Atualmente trabalha como repórter fotográfico.
Related posts
AMÉRICA DO NORTEANÁLISES DE CONJUNTURAEURÁSIA

Rumos geopolíticos entre Rússia e EUA, após as eleições norte-americanas

ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURA

Movimento #EndSARS na Nigéria

ANÁLISES DE CONJUNTURAEUROPA

França, Europa e o apogeu da intolerância

ANÁLISES DE CONJUNTURAORIENTE MÉDIO

Após um ano de protestos populares e de sua própria renúncia, Hariri retorna ao posto de Premier no Líbano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!